A BÊNÇÃO DA OBEDIÊNCIA

Rev. Olivar Alves Pereira

Em Lv 25.20-22 lemos sobre a lei referente ao descanso da terra no sétimo ano. Deus ordenou aos israelitas que cultivassem a terra por seis anos, mas, no sétimo, a terra deveria ser deixada em repouso para se recuperar. A tentação de desobedecê-Lo era grande porque ficar um ano sem colheita seria muito difícil. Por isso mesmo Ele prometeu: “Então, eu vos darei a minha bênção no sexto ano, para que dê fruto por três anos” (v.21). Seria colheita para o sexto, sétimo e oitavo ano. Embora uma resposta de fé tivesse sido exigida aqui (eles tinham de deixar a terra em descanso no sétimo ano), Deus deu uma ordem que deveria ser cumprida por eles. Mas, é aqui que está uma linda verdade: *Deus primeiramente nos capacita e abençoa para depois exigir nossa obediência*. Somos mordomos de Deus, ou seja, tudo é Dele e nós apenas administramos e cuidamos, mas, haveremos de prestar contas a Ele de tudo (Mt 25.14-30). Muitos crentes não dizimam e nem ofertam dizendo que não sobra nada de seus salários para tal. Ora, se eles têm salários, já tem o que devolver (dízimos) e ofertar de acordo com suas possibilidades. Mas, não limitemos as lições deste texto somente a dízimos e ofertas. Ampliemo-las para todas as esferas da nossa vida. Tudo o que precisamos para obedecer a Deus Ele mesmo, com Seu divino poder já nos capacitou plenamente (2Pe 1.3-11). Obedecê-Lo é um privilégio. A bênção não está somente no final da obediência, mas, antes mesmo de cumprirmos o que Deus requer de nós.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico, Reflexão Bíblica. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.