A Soberana Vontade de Deus – 11ª Mensagem

Como Viver pelo Nome de Jesus Cristo – Parte III

[audio:http://ubuntuone.com/4fgO1X5cccZI90vJWOD7rF]

Lidando com o Pecado no Meio da Igreja – At 5.1-11

Viver pelo Nome de Cristo implica em travarmos a batalha mais ferrenha, mais tensa e difícil de todas, a saber, a batalha contra o pecado. E muitas vezes nos deparamos com essa batalha no meio da Igreja de Cristo como podemos ver neste texto. Por isso proponho para a nossa reflexão nessa ocasião o seguinte tema: Lidando com o pecado no meio da Igreja.

Não obstante sermos o povo redimido por Cristo, ainda somos pecadores, e volta e meia deparamo-nos com o pecado no meio da Igreja. Mas, é importante que tenhamos em mente antes de qualquer coisa que o pecado não entra sozinho pelas portas da nossa Igreja; ele é trazido por nós. Então, tratar do pecado na Igreja é muito mais uma tarefa de mostrar a cada membro da Igreja como é que cada um deve lidar com o pecado em seu próprio coração.

No presente texto temos a fatídica história do casal Ananias e Safira que numa atitude avarenta, mesquinha e ávida por glorificação humana, lançaram mão de uma mentira e foram fatalmente punidos por Deus. Nessa história vemos como o pecado se desenvolve e as consequências que ele traz. Vejamos cinco verdades sobre o pecado.

1)     O pecado começa no coração, v.1 e 2.

Exposição v.1 e 2: “Entretanto, certo homem, chamado Ananias, com sua mulher Safira, vendeu uma propriedade, mas, em acordo com sua mulher, reteve parte do preço e, levando o restante, depositou-o aos pés dos apóstolos”. A conjunção “entretanto” no começo da frase conecta o que está sendo narrado aqui sobre Ananias e Safira com a atitude de Barnabé descrita em At 4.36,37. Como vimos anteriormente, Barnabé fez tal coisa de livre e espontânea vontade; ninguém exigiu nada dele. Por motivos que não sabemos ele decidiu vender um campo e doar todo o valor à Igreja para que os apóstolos administrassem aos necessitados. Tal atitude com certeza despertou a admiração das pessoas. Embora as Escrituras não declarem explicitamente que Ananias e Safira quiseram receber tal reconhecimento e louvor, é isso que podemos entender da atitude deles ao venderem a propriedade, reterem parte do valor, e entregar o restante aos apóstolos como se fosse o valor total da propriedade. Em algum momento, os pecados de ganância e vaidade tomaram conta de seus corações e eles se deixaram levar por isso. O Senhor Jesus disse: Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias” (Mt 15.19). E Tiago define “coração” como o nosso desejo pelo prazer quando diz: “De onde procedem guerras e contendas que há entre vós? De onde, senão dos prazeres que militam na vossa carne? (Tg 4.1). As Escrituras Sagradas nos dizem que “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida” (Pv 4.23). Uma das tarefas mais difíceis na vida cristã é aprendermos a vasculhar nosso coração e buscar as motivações que temos para fazer o que fazemos. Se Ananias e Safira tivessem simplesmente guardado parte do campo e entregue o restante aos apóstolos dizendo que haviam retido parte do valor, em momento algum estariam pecando, e nem mesmo sendo menos generosos e dignos de admiração que Barnabé. Mas, no momento em que a ganância fez com que seus corações em vez de amarem a Deus, amassem a Mamon (o dinheiro) e a vaidade os levou a desejarem a glória que deve ser dada somente a Deus, seus corações caíram no laço que eles próprios criaram.

Aplicação v.1 e 2: Irmão cuide de seu coração. Investigue todo tempo as reais motivações que o levam a fazer tudo o que você faz. Infelizmente, somos capazes dos gestos mais nobres e belos que camuflam e escondem coisas apodrecidas pelo pecado. Antes de procurar o pecado fora procure-o em seu coração. A luta contra o pecado começa dentro de nós.

A segunda verdade sobre o pecado é que

 

2)     O pecado é estimulado por Satanás, v.3 e 4

Em Ef 6.12 lemos: porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”. Mas, quando a carne e o sangue resolvem ficar do lado dos principados e potestades com certeza o pecado se concretizará.

Exposição v.3 e 4: “Então, disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo? Conservando-o, porventura, não seria teu? E, vendido, não estaria em teu poder? Como, pois, assentaste no coração este desígnio? Não mentiste aos homens, mas, a Deus”. Ao falar a Ananias que Satanás havia enchido o seu coração com tal desejo tão pecaminoso e cheio de dolo, Pedro não estava dizendo que Satanás é o único responsável pelo pecado. É muito importante frisar aqui que no mesmo tempo em que Pedro mostra a ação do diabo no coração de Ananias, também, mostra a ação deliberada de Ananias em tramar com sua esposa algo tão torpe, pois, Ananias assentou em seu coração tal desejo. Pedro sabia muito bem como é que é ter o coração tomado por Satanás para fazer o que desagrada a Deus. Foi da boca do próprio Senhor Jesus que ele ouviu: Arreda, Satanás! Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens” (Mt 16.23). Ele sabia muito bem que a única coisa que o manteve de pé foi a misericórdia e a graça de Deus. Se Ananias tivesse vendido a propriedade e decidido reter parte do valor e informar isso aos apóstolos, não haveria problema algum. Mas, Satanás sabendo que o coração de Ananias (assim como o nosso) era ávido por receber louvores e a glória que são exclusivos de Deus, insuflou em seu coração os pensamentos dolosos que lá já existiam.

Aplicação v.3,4: Irmão, preste muita atenção a essa verdade: Satanás não precisa de nada mais além do que já está em seu coração para fazê-lo pecar contra Deus. Por isso mesmo, em vez de simplesmente por a culpa no diabo, entenda de vez que é você quem oferece a ele as armas para ele atacar você com tentações.

A terceira verdade sobre o pecado é que depois de ter começado em seu coração e ter sido estimulado pelo diabo,

3)     O pecado traz sérias consequências, v.5 e 6.

Exposição v.5 e 6: “Ouvindo estas palavras, Ananias caiu e expirou, sobrevindo grande temor a todos os ouvintes. Levantando-se os moços, cobriram-lhe o corpo e, levando-o, o sepultaram”. Outras pessoas foram punidas com morte imediata: Nadabe e Abiú, filhos de Arão (Lv 10.1,2) quando estes se descuidaram de suas responsabilidades sacerdotais; Uzá, servo de Davi, que tocou na Arca do Senhor, coisa terminantemente proibida por Deus (2Sm 6.7). Não devemos pensar que Ananias (e também sua esposa) teve algo como um ataque cardíaco enquanto ouvia as palavras, mas, sim, que estando ouvindo essas palavras da boca de Pedro, no mesmo momento a ira de Deus caiu sobre Ananias (e também sobre sua esposa), matando-o. É importante destacar aqui o fato de que Deus quer a Sua igreja pura e sem mácula, e, por isso mesmo executou o casal para que o pecado não contaminasse a Igreja. O fato de ter sobrevindo “grande temor a todos os ouvintes”, nos mostra essa ação de Deus em manter pura a Sua Igreja. Outro fato que atesta a necessidade de se manter a Igreja pura é a ação dos moços em retirar aquele cadáver, o qual contaminava a assembleia dos santos ali reunida.  

Aplicação v.5 e 6: Irmão, não brinque com o pecado. Não dê espaço para ele crescer em seu coração e muito menos para que o diabo use isso para despertar seus desejos pecaminosos. O pecado sempre atrai a ira de Deus.

A quarta verdade sobre o pecado é que

4)     O seu pecado sempre envolve outras pessoas, v.7 a 10

Quer participando dos atos pecaminosos ou das consequências do pecado, sempre outras pessoas serão envolvidas em nossos pecados.

Exposição v.7 a 10: “Quase três horas depois, entrou a mulher de Ananias, não sabendo o que ocorrera” (v.7). Onde estava Safira não sabemos. Pode ser que ela dando falta no marido saiu pela cidade a procura-lo até que decidiu ir até onde estavam os apóstolos para lhes perguntar sobre seu paradeiro. “Então, Pedro, dirigindo-se a ela, perguntou-lhe: Dize-me, vendestes por tanto aquela terra? Ela respondeu: Sim, por tanto” (v.8). Pedro citou a soma em dinheiro pela qual Ananias disse ter vendido aquele campo, e Safira, sem qualquer temor e receio confirmou mentindo também. Tornou-lhe Pedro: Por que entrastes em acordo para tentar o Espírito do Senhor? Eis aí à porta os pés dos que sepultaram o teu marido, e eles também te levarão. No mesmo instante, caiu ela aos pés de Pedro e expirou. Entrando os moços acharam-na morta e, levando-a, sepultaram-na junto do marido” (v.9 e 10). Se naqueles tempos existissem lápides nos túmulos como em nossos dias, bem que poderia ser escrito no túmulo deles: “Unidos pela mentira na vida e na morte”. Tal como foi fulminante a morte de Ananias também o foi a de Safira. O pecado de Ananias envolveu sua esposa. É claro que ela foi tão culpada quanto ele, pois, como Pedro destacou ela entrou em acordo com o marido. Mas, algo que é impressionante em relação ao pecado é que ele atrai com muita facilidade outro pecado (e outro pecador). É por isso que o Sl 1.1 declara que “Bem-aventurado o que não anda no conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, e, nem se assenta na roda dos escarnecedores”. Uma vida de santidade sempre está na presença de outros que buscam viver em santidade.

Aplicação v.7 a 10: Irmão tome muito cuidado com o seu pecado, pois, você não será o único a sofrer as consequências dele. Quantos lares estão destruídos porque um dos cônjuges buscou numa aventura extraconjugal um prazer momentâneo. Quantos pais estão com seus corações estilhaçados porque um de seus filhos decidiu viver nas drogas. Porém, pior ainda é o caso daqueles que se anuem ao conselho e pecado de outra pessoa, que se ajunta com pervertidos, zombeteiros e ímpios. Estes tais sofrerão juntos com seus comparsas as duras consequências. Afaste não somente o pecado do seu coração, mas, também, afaste-se do pecado de outros.

A quinta e última verdade sobre o pecado que podemos ver ainda nesta história é:

5) O pecado se expressa contra Deus, v.3,4,9 e 11

Talvez você esteja se perguntando por que o pecado é algo tão sério e perigoso assim. Embora a resposta pareça óbvia, é bom deixarmos o texto nos mostrar claramente. Já vimos os v.3,4 e 9. Nestes versos temos a afirmação da doutrina da Trindade Santa. No v.3 Pedro disse que o pecado de Ananias foi contra o Espírito Santo. No v.4 ele diz que não foi aos homens que Ananias mentiu, mas, a Deus. No v.9, Pedro disse à Safira que ela havia mentido contra o Espírito do Senhor, mostrando assim que o Espírito Santo é conhecido também como o “Espírito de Cristo” (cf. Rm 8.9).

Exposição v.11: “E sobreveio grande temor a toda a igreja e a todos quantos ouviram a notícia destes acontecimentos”. Por duas vezes neste texto Lucas mostra o “grande temor” que sobreveio a todos (v.5 e 11). A pureza da Igreja de Cristo é mantida quando os corações temem a Deus. E precisamos entender isso: todo pecado é expressão da malignidade, da arrogância, da prepotência e orgulho humano que se voltam contra Deus. Todo pecado é a forma mais explícita de ateísmo. A forma mais grotesca de ateísmo não é a que é conhecida como “filosófica”, ou seja, a que fica somente no campo das ideias e argumentos, mas, sim, aquela em que a pessoa diz acreditar em Deus, mas, não se importa nem um pouco se as suas atitudes ofendem a Deus. Tais pessoas, assim como Ananias e Safira cometem seus pecados e tentam escondê-los das pessoas, e sequer se importam com o fato de que mesmo escondendo de todos os olhares desse mundo suas atitudes malignas, jamais as esconderão de Deus. Não pesa nem um pouco em seus corações o fato de que Deus está vendo tudo o que eles fazem.   

Aplicação v.11: Irmão não dê espaço para o pecado em seu coração. Antes, cultive uma vida de temor a Deus, de piedade e retidão. Não viva uma vida dupla. Estando entre as pessoas ou estando sozinho lembre-se que os olhos de Deus estão sobre você o tempo todo.

O que Deus quer que você faça?

1)     Viva com integridade. Uma vida íntegra é aquela em que você é a mesma pessoa o tempo todo, quer esteja sozinho, quer acompanhado de alguém. Estando em família, cuide do seu temperamento; estando entre amigos, cuide da língua; estando sozinho cuide dos pensamentos.

2)     Tema a Deus. Uma vida íntegra só é possível quando se tem consciência de que nada escapa ao olhar perscrutador de Deus.

 

Conclusão

O pecado lançou-nos para fora do paraíso, e se fosse possível também nos lançaria para fora da presença de Deus. De todos os inimigos que a Igreja enfrenta, quer na comunidade, quer na individualidade, sem dúvida alguma, o pecado é o pior.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Mensagens Expositivas em Atos dos Apóstolos. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.