A Soberana Vontade de Deus – 5ª Mensagem

O Resultado da Pregação do Evangelho

At 2.37-41

[audio:http://ubuntuone.com/2P1SbPODh9MYyoTHMVUEid]

A única mensagem poderosa, a única palavra que gera vida e é plena de poder neste mundo é a Palavra de Deus, é a mensagem do Evangelho. O apóstolo Paulo declara que: “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm 1.16).

Sim, o Evangelho é o poder de Deus para a salvação dos que creem em Jesus. E como temos visto, o assunto principal de At 2 é o poder na Igreja de Cristo. Já vimos que é a pessoa do Espírito Santo quem enche a Igreja desse soberano poder com a finalidade de que a mesma pregue o Evangelho a todas as nações. E o Evangelho uma vez pregado tem resultados. E é sobre isso que quero meditar com você nesta ocasião: O resultado da Pregação do Evangelho.

É impossível a pregação do Evangelho não dar frutos. Estes tanto podem ser para a salvação dos arrependidos quanto para a condenação dos rebeldes.

Quando o Evangelho de Cristo é anunciado com clareza e no poder do Espírito Santo, o primeiro resultado é:

1)      Corações compungidos que constatam seu pecado, v.37

Exposição v.37: “Ouvindo eles estas coisas”, ou seja, tudo o que, foi dito a respeito do Senhor Jesus nos v.14-36: Ele é o Messias prometido e todo o Antigo Testamento atesta essa verdade; Ele é o Santo Filho de Deus – que veio ao mundo, primeiramente para os judeus, mas, Ele foi morto por eles – ainda que tenha sido pelo desígnio e presciência de Deus (v.23), eles O mataram “por mãos iníquas”. Diante de tão dura mensagem “Compungiu-se-lhes o coração…”. Compungir significa: “ferir, dar uma forte ferroada. Usando de emoções dolorosas, que penetram o coração como um aguilhão” (cf. RIENECKER, ROGERS). Seus corações foram ferroados pela Palavra de Deus que apontou-lhes a culpa, a maldade de seus corações. Sentiram a culpa de seu pecado diante de Deus, se viram em oposição a Deus, pois, mataram o Seu Filho santo. Por isso mesmo clamaram: “Que faremos, irmãos?”. Essa pergunta revela que eles entenderam quão iníquos eram, que não poderiam se livrar de tal culpa sozinhos; precisavam de alguém que pudesse fazer isso por eles.

Aplicação v.37: o Evangelho faz isso com os pecadores: mostra a culpa do coração e o faz ver sua incapacidade de se livrar dela. Uma pregação que faz o pecador se sentir amado sem antes mostrar-lhe o quanto ele é odioso a Deus por causa de seu pecado, longe está de ser o Evangelho de Cristo. Aqueles judeus que ouviram a mensagem de Pedro eram considerados piedosos (v.5), porém, quando depararam com seus pecados ficaram aflitos.  Quando você ouve pregação da Palavra de Deus seu coração é ferroado sentindo a culpa de seus pecados? Você fica aflito e age como estes judeus clamando para saber o que deve fazer?

O segundo resultado da pregação do Evangelho é:

2) Corações aflitos que são consolados pela promessa de Deus, v.38,39

Exposição v.38,39: “Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo”. A resposta de Pedro consiste em três ações que eles deveriam ter: (1) Arrependerem-se de seus pecados: isto é, deveriam ter uma mudança profunda e completa em suas mentes, na forma como viam as coisas referentes a Cristo, à Palavra de Deus e a si mesmos. O arrependimento verdadeiro faz com que a pessoa deixe de se ver como justa e se veja como iníqua que é. (2) Unir-se a Cristo: que aqui é descrito como batismo. O batismo representa a nossa união com Cristo, como disse Paulo em Rm 6.4: “Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida”, e em Cl 2.12: “tendo sido sepultados, juntamente com ele, no batismo, no qual igualmente fostes ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos”. O que Pedro está dizendo para aqueles cujos corações estavam aterrados pela culpa, e que, naturalmente fugiriam de Cristo, foi que fizessem justamente o contrário, ou seja, em vez de fugirem de Cristo, que se refugiassem Nele, pois assim é que receberiam a “remissão dos pecados”, ou seja, seriam perdoados de todos os seus pecados, inclusive o de terem matado a Jesus, o Senhor e Cristo. Ao mencionar somente o nome de Jesus no batismo, como vemos aqui no v.38, Pedro não está contrariando a ordem de Cristo de usar a fórmula trinitária de Mt 28.19,20. O motivo pelo qual ele menciona somente o nome de Jesus Cristo aqui é para destacar o sacrifício de Cristo como o elemento único capaz de remir os pecados de um coração. Somente o sangue de Cristo pode pagar (remir) o pecado. (3) Receber o dom do Espírito Santo: isto quer dizer, receber o poder do Espírito Santo. Poder para vencer o poder do pecado que agora foi perdoado por Cristo; poder para obedecer a Cristo e pregar o Evangelho até aos confins da terra para a salvação do povo que o próprio Deus formou para Si, concedendo-lhe o Seu Espírito Santo “Pois, para vós outros é a promessa, para vossos filhos e para todos os que ainda estão longe, isto é, para quantos o Senhor nosso Deus, chamar” (v.39). Esta última ação, a de receber o Espírito Santo, é um ato que no que diz respeito à pessoa depende dela arrepender-se de seus pecados e unir-se a Cristo pela fé representada no batismo, e no que diz respeito a Deus é Ele quem dá o Espírito Santo assim como é Ele quem escolhe a salva a pessoa. O Espírito Santo é prometido à Família da Aliança, pois, “filhos”, aqui, são as crianças pequenas, de colo as quais também fazem parte do povo de Deus. O Espírito Santo também é prometido a todos os crentes de todos os lugares e de todos os tempos “os que ainda estão longe, isto é, para quantos o Senhor, nosso Deus, chamar”. Essa frase nos lembra a oração sacerdotal de Cristo quando Ele disse: “Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da tua palavra” (Jo 17.20).

Aplicação v.38,39: Você já se arrependeu de seus pecados? Você já se uniu a Cristo pela Fé e demonstrou isso através do compromisso do batismo? Se sim, você já recebeu também o Espírito Santo que o capacita a vencer o pecado e a viver para a glória de Deus seguindo sempre em novidade de vida.

Por fim, o terceiro resultado da pregação do Evangelho que podemos ver neste texto é:

3) Corações comprometidos com Cristo e com a Sua Igreja, v.40,41

Ao receberam o Espírito Santo em seus corações mediante a aceitação da Palavra de Deus, foram salvos por toda a eternidade, e anuíram à Igreja de Cristo por meio do batismo. De pecadores a filhos de Deus – somente o Evangelho de Cristo pode fazer isso.

Exposição v.40,41: “Com muitas outras palavras deu testemunho e exortava-os dizendo: salvai-vos desta geração perversa. Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas”. Pedro não deu por completa a sua tarefa, mesmo depois de pregar uma mensagem tão compungente como a dos v.14-36, de ter visto a contrição, sinceridade e desespero daquelas pessoas, e mesmo ainda depois de ter-lhes mostrado a solução, ele ainda insistiu “Com muitas outras palavras”, exortando-os a que se salvassem “desta geração perversa”. Essas palavras ecoam Dt 32.5: “Procederam corruptamente contra ele, já não são seus filhos, e sim suas manchas; é geração perversa e deformada”. É do meio de um mundo corrupto, perverso e deformado que Deus retira os Seus e os fazem filhos e herdeiros de Sua glória. No v.41 vemos que eles fizeram justamente o que Pedro e lhes disse que fizessem: “Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados”. Eles se compungiram (arrependeram), se consolaram (com a promessa do Espírito Santo) e se comprometeram (com o batismo). E a Igreja que era de umas cento e vinte pessoas, agora, contava com mais de três mil membros. Aqui devemos tomar cuidado para não generalizarmos a ação de Deus. Nem sempre vemos conversão de milhares como essa; às vezes, nem mesmo vemos conversão alguma quando o Evangelho é pregado. Pedro e os demais apóstolos não estavam preocupados em fazer a Igreja Cristã crescer para se tornar um grupo forte que pudesse resistir ao império romano. Em vez disso, eles estavam preocupados em somente obedecer à Grande Comissão que Cristo lhes deu. O objetivo deles era ver Cristo ser glorificado entre as nações, o que levaria as pessoas a se renderem a Ele e receberem-No como o Senhor e Salvador supremo.

Aplicação v.40,41: pregando o Evangelho devemos: (1) Expor tudo quanto nos for possível: não podemos nos contentar em apenas fazer uma apresentação de poucas palavras da pessoa de Cristo. Precisamos nos empenhar em expor tudo quanto nos for possível fazer. Quanto mais as pessoas conhecerem de Cristo tanto mais serão transformadas por Ele e mais se comprometerão com Ele. (2) Confiar no agir de Deus: não podemos nunca nos esquecer de que quem faz a Igreja crescer é Deus. Ele é quem traz para a comunhão do Seu povo os que Lhe pertencem. Nossa parte na salvação dos pecadores é pregar o Evangelho com fidelidade e na sua totalidade; a parte de Deus é aplicar aos corações o que Ele quiser aplicar. Aqueles a quem Deus traz para dentro da Sua Igreja tornar-se-ão crentes comprometidos e dedicados, e serão uma bênção para a Igreja de Cristo.   Enquanto você prega o Evangelho você o faz por completo e confiante somente no poder de Deus, ou o faz de qualquer jeito, de forma medíocre e relaxada, e ainda assim, confia nas suas próprias habilidades?

 

O que Deus quer que você faça?

Pregando o Evangelho:

1)      Ferroe o coração dos pecadores com o Evangelho. Enquanto eles não souberem o quão odiosos eles são aos olhos de Deus, jamais clamarão por Sua misericórdia.

2)      Console o coração deles com o Evangelho. Uma vez consternados pelo Evangelho eles precisam saber que somente no Evangelho é que encontrarão o consolo, a vida e a esperança que tanto necessitam.

3)      Auxilie-os no seu crescimento espiritual. Não desanime e nem pare de pregar o Evangelho a uma pessoa até vê-la se comprometer com Cristo. Muitas vezes você não colhe os frutos da pregação do Evangelho porque você não vai até ver um compromisso com Cristo ser estabelecido na vida da pessoa.

Conclusão

Contudo tenham sido apresentados aqui três resultados da pregação do Evangelho (Compungimento, Consolo e Compromisso) constata-se que todos eles apontam para um só resultado: a soberana vontade de Deus sendo executada na pregação do Evangelho.          

Os resultados da pregação do Evangelho são riquezas que Deus Se digna a repartir conosco. Quando pregamos o Evangelho fazemos a nossa parte anunciando; quando pregamos Deus faz a parte Dele convertendo os Seus escolhidos.

Rev. Olivar Alves Pereira

São José dos Campos, 22/12/2013

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Mensagens Expositivas em Atos dos Apóstolos. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.