A Soberana Vontade de Deus – 7ª Mensagem

O Poder do Nome de Jesus Cristo – Parte I

O Milagre Divino

At 3.1-10

[audio:http://ubuntuone.com/1IIMcgPXNrpNbtmPuZmU49]

Estamos diante do primeiro milagre da era apostólica que foi registrado. Em At 2.43, Lucas afirmou que os apóstolos eram os instrumentos que Deus usava para realizar muitos milagres. Por isso o tema da mensagem de hoje é: O milagre divino.

Simon Kistemaker observa que: (1) este milagre aconteceu em resposta à fé que o Senhor Jesus colocou no coração do aleijado mendigo (v.16); (2) deu ensejo ao segundo sermão de Pedro, e, (3) o que resultou na conversão de mais umas duas mil pessoas “subindo o número de homens a quase cinco mil” (At 4.4).

Em nossos dias, a grande ênfase que é dada aos milagres tem causado muita confusão. Quando Deus realiza um milagre Ele tem objetivos claros relacionados à pregação do Evangelho. Sempre que vemos milagres acontecendo nos relatos bíblicos, estes milagres estão associados à pregação do Evangelho, a fim de levar os incrédulos a crerem. Um milagre não visa somente a pessoa que o recebe, mas, principalmente, a todos os que testemunham o milagre, como fica claro em todo este capítulo.

Podemos constatar nesta história três verdades sobre um milagre que Deus realiza.

O milagre divino

1)      Não obedece a nossa agenda, v.1

Exposição v.1: “Pedro e João subiam ao templo para a oração da hora nona”. A hora nona no sistema judaico equivale às 15 horas do nosso sistema de contagem das horas. Ainda que cristãos, eles não romperam com a tradição judaica de orarem várias vezes ao dia no templo. Eles não saíram de casa com o propósito de encontrarem alguém em quem pudessem realizar algum milagre. Nem mesmo tinham essa intenção. Antes, eles foram “ao templo para a oração da hora nona”. De certa forma, eles foram surpreendidos pela situação tanto quanto os demais que ali estavam, especialmente aquele coxo que mal sabia que naquele dia algo tão maravilhoso lhe aconteceria.

Aplicação v.1: em nossos dias, nos quais a prática de muitos de marcarem concentrações de “sinais e prodígios”, campanhas de “curas e milagres” que mais parecem um circo de horrores, é muito importante lembrar que Deus não segue a nossa agenda. Ele é soberano e a Sua vontade soberana é executada quando Ele quiser e não quando nós queremos. Ele é quem dirige a nossa agenda, e não o contrário. Aplicando isso de forma mais pessoal, eu lhe pergunto se você tem compreendido a vontade de Deus nos afazeres do seu cotidiano? Você tenta controlar seu tempo para fazer aquilo que você quer, ou você é sábio no uso do seu tempo e sempre atento às possíveis “mudanças de rota” que Deus pode fazer no seu dia a dia a fim de usá-lo da forma que mais glorificará o Nome Dele?

Outra verdade sobre o milagre divino é que ele:

2) Ressalta a miséria humana, v.2-5

Exposição v.2-5: “Era levado um homem, coxo de nascença, o qual punham diariamente à porta do templo chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam”. Aquele coxo era também um mendigo que vivia de esmolas. Ele nada podia fazer da sua vida a não ser esmolar. E as pessoas nada podiam fazer por ele a não ser facilitar sua mendicância. Naqueles tempos, um deficiente físico não aprendia nenhuma profissão. Sua vida era na mendicância. Porém, a maior miséria desse homem estava no seu coração. Ele poderia ficar em qualquer lugar da cidade, mas, era colocado na porta do templo, afinal, todos quantos fossem adorar a Deus, ao ver aquele aleijado ali mendigando, com muita probabilidade teriam suas consciências tocadas. Aquele coxo mendigo era um manipulador de sentimentos também. “Vendo ele a Pedro e João, que iam entrar no templo, implorava que lhe dessem uma esmola. Pedro, fitando-o, juntamente com João, lhe disse: Olha para nós. Ele os olhava atentamente, esperando receber alguma coisa”. Pedro não demonstrou estar preocupado com a situação econômica e social daquele homem. Quando ele olhou para aquele coxo mendigo, fez como o Senhor Jesus: “fitando-o”, ou seja, olhou fixamente, com atenção. E o mesmo também fez João. A seguir, ele lhe ordenou: “Olha para nós”. Pedro não era nenhum arrogante e presunçoso que buscava roubar a para si a glória de Deus e ofuscar aqueles que estavam com ele, no caso, João. Em vez disso ordenou que o coxo olhasse para ele e para João, pois, ambos eram os instrumentos de Deus ali. O coxo “os olhava atentamente, esperando receber alguma coisa”. A miséria desse homem o fazia olhar para si mesmo como um coitado que vivia implorando para receber os restos dos outros, e o fazia ver os outros como apenas um meio de conseguir recursos para sobreviver. Quanta miséria!

Aplicação v.2-5: A maior miséria do ser humano é a do coração, da alma. Enquanto você não atentar a essa miséria e levar a Graça de Deus ao coração humano, tudo o mais que você intentar fazer por uma pessoa pode ser em vão. Você deve olhar atentamente às pessoas. Elas estão ao nosso redor famintas, desesperadas, esperando receber alguma coisa sem saber que o que mais precisam é da Graça de Deus.

A última verdade que destacamos aqui sobre o milagre divino é que ele

3) Acontece para a glória de Deus, v.6-10

Exposição v.6: “Pedro, porém, lhe disse: Não possuo nem prata e nem ouro, mas o que tenho, isto te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda!”. Ao dizer, “Não possuo nem prata e nem ouro” Pedro estava dizendo que não tinha dinheiro, nem mesmo o dinheiro apurado com a venda das propriedades e que era ofertado aos apóstolos para administrarem aos necessitados. Ele não se valia do dinheiro ofertado a Cristo e à Sua Igreja para enricar-se. Porém, algo infinitamente mais caro e precioso ele tinha para dar àquele aleijado mendigo: a cura pelo Nome de Jesus Cristo, o Nazareno. Foi justamente esse nome que Pilatos ordenou que fosse colocado na tabuleta afixada na cruz. Aquele que fora insultado, espancado, humilhado, torturado e morto, também era justamente Aquele que poderia dar vida, saúde e restauração àquele desvalido aleijado.

Aplicação v.6: à semelhança de Pedro, você também pode não ter recurso financeiro algum para ajudar uma pessoa. Porém, se você tem a Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor, então você tem o que alguém mais necessita neste mundo. Socorra materialmente aos necessitados, mas, lembre-se que o que eles mais necessitam é da graça de Deus.

Exposição v.7,8: “E, tomando-o pela mão direita, o levantou; imediatamente, os seus pés e tornozelos se firmaram; de um salto se pôs em pé, passou a andar e entrou com eles no templo, saltando e louvando a Deus”. Ao estender sua mão ao mendigo, Pedro fez exatamente o que ele vira o Senhor Jesus fazer com a sua sogra (Mc 1.31). O advérbio “imediatamente” aqui é muito importante, pois, sendo Lucas um médico ele presenciou uma cura instantânea e não um restabelecimento gradual de alguns dias ou meses. Aquele que nunca dera um passo em todos os seus 40 anos de vida (cf. At 4.22), agora, sentiu seus pés e tornozelos se firmarem a tal ponto de poder não somente andar, mas saltar tal como o profeta Isaías disse sobre a era Messiânica: “Então, se abrirão os olhos aos cegos, e se desimpedirão os ouvidos dos surdos; os coxos saltarão como cervos…” (Is 35.5,6). Aquele que antes quando muito ficava à porta do templo, agora, num primeiro ato após receber tão grande bênção, entrou no templo “saltando e louvando a Deus”. A alegria de seu coração era tão grande que ele sabia que somente uma pessoa era digna de seu louvor, a saber, Deus.

Aplicação v.7,8: Em cada caso Deus opera de um jeito. Existem casos como este em que Ele cura imediatamente; em outros, Ele se vale de um processo mais demorado; e, ainda em outros casos, a cura jamais acontece. Em todos os casos requer-se que a pessoa tenha fé. É preciso ter fé para ver o milagre acontecer, mas, quando Deus não quer realizar o milagre é preciso ter fé também para continuar na presença Dele louvando da mesma forma. É assim a sua fé em Cristo? Você crê Nele para ver o milagre acontecer, e quando o milagre não acontece você continua firme em sua fé louvando-O por Sua soberana vontade ter prevalecido em sua vida?

Exposição v.9,10: “Viu-o todo o povo a andar e a louvar a Deus, e reconheceram ser ele o mesmo que esmolava, assentado à Porta Formosa do templo; e se encheram de admiração e assombro por isso que lhe acontecera”. Três ações do povo são descritas por Lucas aqui: (1) todo o povo viu o que era coxo andar e louvar a Deus; (2) todo o povo o reconheceu, mostrando assim a veracidade daquele milagre, e, (3) todo o povo se encheu de admiração e assombro diante do fato, pois, presenciaram ali um milagre verdadeiro. O que havia sido começado pelo Senhor Jesus Cristo, agora tem continuidade através daqueles a quem Ele deixou para liderarem Sua Igreja.

Aplicação v.9,10: É importante destacar aqui que admiração e assombro não quer dizer que eles creram, e, portanto, não é a mesma coisa que fé em Cristo. Todos os milagres que Deus opera tem o propósito de glorificar a Deus e revelar aos homens a Sua graça e misericórdia.    

 

O que Deus quer que você faça?

 

1) Preste atenção às circunstâncias. Pedro e João tinham o plano de orar, mas, Deus mostrou-lhes o que deveriam fazer naquele momento. Fique atento às circunstâncias para compreender o que Deus quer que você faça a cada momento.

2) Preste atenção às pessoas. O tempo todo encontramos pessoas que necessitam de ajuda. Na sua maioria, essas pessoas pensam que suas necessidades são de coisas materiais, e nem sequer sabem que necessitam da graça de Deus. Nem sempre você terá “prata e nem ouro” para lhes dar, mas, sempre você terá a graça de Deus!

 

Conclusão

O poder capaz de transformar uma vida só pode ser encontrado no Nome de Jesus Cristo, o Nazareno.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Teólogo, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea, Ética e História Bíblica, História e Teologia da Igreja, Educação Cristã e Teologia Sistemática, Sociologia e Ensino Religioso em seminários e escolas na região do Vale do Paraíba, também escreveu lições para a revista de EBD para os adultos da Editora Cristã Evangélica. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador.
This entry was posted in Mensagens Expositivas em Atos dos Apóstolos. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.