A tarefa mais difícil de todos os tempos

De tempos em tempos o homem se depara com um novo desafio. Houve uma época em que o domínio  do fogo era muito difícil ao homem. Porém, ele conseguiu o controle sobre este e melhorou muito sua condição de vida. Passou a cozinhar sua comida, aumentou suas condições de segurança, pois, com o fogo ele podia repelir seus inimigos, tanto as bestas feras como até mesmo outros seres humanos que o ameaçavam.

Em outros tempos foi a vez do homem dominar os metais. Tubalcaim ficou conhecido como o “artífice de todo instrumento cortante, de bronze e de ferro” (Gn 4.22). Com o domínio da metalurgia o ser humano deu mais um salto para melhorar suas condições de vida.

Com o passar do tempo, o homem aprendeu a construir casas de alvenaria e de outros materiais mais resistentes; e assim nasciam os primeiros povoados que se transformaram nas primeiras civilizações. Mas, a aglomeração em povoados e cidades, trouxeram epidemias  que desafiam o ser humano até aos dias de hoje. A cada epidemia vencida, outra aparece fazendo estrago. Mas, mesmo assim, o ser humano consegue dominar.

O homem desbravou os mares, e dominando as técnicas de navegação atravessou os oceanos e dominou povos. Mas, os oceanos ficaram pequenos. O século XX começou e o homem queria dominar os ares. Em 23 de outubro de 1906 , o mineiro Alberto Santos Dumont decola num aparelho com um motor à gasolina. Esse voo levaria o homem a lugares onde somente sua mente poderia ir. Em 20 de julho de 1969, o homem pisava na lua porque conseguira dominar a tecnologia suficiente para tal feito.

Bem, nossa intenção aqui não é fazer uma lista das conquistas e invenções do homem, mas, somente mostrar que apesar de tanta tecnologia, tantos feitos e conquistas, há uma tarefa que em todos os tempos é de longe, a mais difícil, a mais árdua, e até mesmo, a mais frustrante de todas: investigar, conhecer e dominar o próprio coração. E porque será que isso é tão difícil assim?

A descrição que a Bíblia faz do nosso coração não é nem um pouco animadora. O profeta Jeremias diz: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?” (Jr 17.9). O rei Salomão fala da nossa habilidade de pôr armadilhas para nós mesmos quando pensamos que sabemos o que é melhor para nós: “Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte” (Pv 14.12). Ele ainda continua mostrando a nossa habilidade para autodestruição: “Eis o que tão somente achei: que Deus fez o homem reto, mas ele se meteu em muitas astúcias” (Ec 7.29). E não pensemos que por estamos progredindo tecnologicamente estamos melhorando moralmente também por nossos esforços, pois, não estamos. O apóstolo Paulo escrevendo a Timóteo lhe disse: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios,  2 pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência,  3 que proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos, com ações de graças” (1Tm 4.1-3),e também: “Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos;  4 e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas” (2Tm 4.3,4).

No nosso labor diário para domarmos nosso coração, precisamos depender somente do Espírito Santo que perscruta o mais íntimo do nosso ser e da Palavra de Deus que penetra no mais profundo da nossa alma desvendando o que é oculto para nós (cf. Hb 4.12).

Devemos nos entregar à meditação na Palavra e oração guiados pelo Espírito Santo, e na em medida que Ele for mostrando tudo quanto em nós estiver contrariando a vontade de Deus sejamos humildes em suplicar-Lhe o perdão, e, confiantes em Sua Graça que nos perdoa e transforma.

Aproveitemos os momentos de silêncio. Ainda que estes “gritem” apontando os horrores de nosso coração devemos, permanecendo na presença de Deus, avaliar tudo quanto o Espírito Santo falar de nós para nós. Não estamos falando de uma autoanálise orientada por nós mesmos, mas, sim, de um investigar da alma, orientado pelo Espírito Santo e Sua Palavra. A tarefa mais difícil de todos os tempos é perfeitamente possível a nós quando estivermos devidamente acompanhados e orientados por Aquele que nos sonda e nos conhece plenamente, Deus (cf. Sl 139).

Rev.Olivar,

seu conservo

                                              

 


About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Teólogo, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea, Ética e História Bíblica, História e Teologia da Igreja, Educação Cristã e Teologia Sistemática, Sociologia e Ensino Religioso em seminários e escolas na região do Vale do Paraíba, também escreveu lições para a revista de EBD para os adultos da Editora Cristã Evangélica. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou de Direita Conservadora.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.