A tarefa mais difícil de todos os tempos

De tempos em tempos o homem se depara com um novo desafio. Houve uma época em que o domínio  do fogo era muito difícil ao homem. Porém, ele conseguiu o controle sobre este e melhorou muito sua condição de vida. Passou a cozinhar sua comida, aumentou suas condições de segurança, pois, com o fogo ele podia repelir seus inimigos, tanto as bestas feras como até mesmo outros seres humanos que o ameaçavam.

Em outros tempos foi a vez do homem dominar os metais. Tubalcaim ficou conhecido como o “artífice de todo instrumento cortante, de bronze e de ferro” (Gn 4.22). Com o domínio da metalurgia o ser humano deu mais um salto para melhorar suas condições de vida.

Com o passar do tempo, o homem aprendeu a construir casas de alvenaria e de outros materiais mais resistentes; e assim nasciam os primeiros povoados que se transformaram nas primeiras civilizações. Mas, a aglomeração em povoados e cidades, trouxeram epidemias  que desafiam o ser humano até aos dias de hoje. A cada epidemia vencida, outra aparece fazendo estrago. Mas, mesmo assim, o ser humano consegue dominar.

O homem desbravou os mares, e dominando as técnicas de navegação atravessou os oceanos e dominou povos. Mas, os oceanos ficaram pequenos. O século XX começou e o homem queria dominar os ares. Em 23 de outubro de 1906 , o mineiro Alberto Santos Dumont decola num aparelho com um motor à gasolina. Esse voo levaria o homem a lugares onde somente sua mente poderia ir. Em 20 de julho de 1969, o homem pisava na lua porque conseguira dominar a tecnologia suficiente para tal feito.

Bem, nossa intenção aqui não é fazer uma lista das conquistas e invenções do homem, mas, somente mostrar que apesar de tanta tecnologia, tantos feitos e conquistas, há uma tarefa que em todos os tempos é de longe, a mais difícil, a mais árdua, e até mesmo, a mais frustrante de todas: investigar, conhecer e dominar o próprio coração. E porque será que isso é tão difícil assim?

A descrição que a Bíblia faz do nosso coração não é nem um pouco animadora. O profeta Jeremias diz: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?” (Jr 17.9). O rei Salomão fala da nossa habilidade de pôr armadilhas para nós mesmos quando pensamos que sabemos o que é melhor para nós: “Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte” (Pv 14.12). Ele ainda continua mostrando a nossa habilidade para autodestruição: “Eis o que tão somente achei: que Deus fez o homem reto, mas ele se meteu em muitas astúcias” (Ec 7.29). E não pensemos que por estamos progredindo tecnologicamente estamos melhorando moralmente também por nossos esforços, pois, não estamos. O apóstolo Paulo escrevendo a Timóteo lhe disse: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios,  2 pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência,  3 que proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos, com ações de graças” (1Tm 4.1-3),e também: “Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos;  4 e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas” (2Tm 4.3,4).

No nosso labor diário para domarmos nosso coração, precisamos depender somente do Espírito Santo que perscruta o mais íntimo do nosso ser e da Palavra de Deus que penetra no mais profundo da nossa alma desvendando o que é oculto para nós (cf. Hb 4.12).

Devemos nos entregar à meditação na Palavra e oração guiados pelo Espírito Santo, e na em medida que Ele for mostrando tudo quanto em nós estiver contrariando a vontade de Deus sejamos humildes em suplicar-Lhe o perdão, e, confiantes em Sua Graça que nos perdoa e transforma.

Aproveitemos os momentos de silêncio. Ainda que estes “gritem” apontando os horrores de nosso coração devemos, permanecendo na presença de Deus, avaliar tudo quanto o Espírito Santo falar de nós para nós. Não estamos falando de uma autoanálise orientada por nós mesmos, mas, sim, de um investigar da alma, orientado pelo Espírito Santo e Sua Palavra. A tarefa mais difícil de todos os tempos é perfeitamente possível a nós quando estivermos devidamente acompanhados e orientados por Aquele que nos sonda e nos conhece plenamente, Deus (cf. Sl 139).

Rev.Olivar,

seu conservo

                                              

 


About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.