A Unanimidade é burra?


 Rev. Olivar Alves  

O escritor Nelson Rodrigues disse: “Toda a unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar”. Discordo totalmente dessa generalização que ele faz, pois, nem toda unanimidade é burra. Há uma unanimidade que deve ser buscada e preservada: “Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mesma coisa e que não haja entre vós divisões; antes, sejais inteiramente unidos, na mesma disposição mental e no mesmo parecer” “(1Co 1.10).

Estas palavras foram ditas pelo apóstolo Paulo aos membros da Igreja de Corinto, os quais viviam em contendas (v.11) por estarem divididos em “grupinhos”, ou como vulgarmente chamamos, “panelinhas”, dentro da Igreja. Eles diziam entre si: “Eu sou de Paulo, e eu, de Apolo, e eu, de Cefas, e eu, de Cristo” (v.12). Note que até os que se diziam ser “de Cristo” são denunciados por pelo apóstolo de dissenção: “Acaso, Cristo está dividido? Foi Paulo crucificado em favor de vós ou fostes, porventura, batizados em nome de Paulo?” (v.13). O que Paulo está afirmando aqui é que em se tratando da Igreja de Cristo só existe um lado, ou melhor dizendo, um grupo: o de Cristo. Ou estamos com Cristo unidos ao Seu Corpo, a Igreja, ou estamos fora Dele.

É claro que quando estivermos diante de um impasse, de uma dificuldade na qual várias opiniões    possam surgir, devemos conversar, dialogar, orar e buscar na Palavra de Deus a reposta. Uma vez que esta for encontrada, então todos devem ser e estar “inteiramente unidos, na mesma disposição mental e no mesmo parecer”. Vemos um exemplo disso em At 15 quando surgiu a controvérsia sobre os crentes gentios (não judeus) terem de se circuncidar como faziam os crentes judeus (não por exigência do Evangelho, mas, por ser uma norma da Lei).

Os apóstolos se reuniram com os presbíteros em Jerusalém (15.6) “para examinar a questão”. Grande debate houve entre eles (v.7), e começando por Pedro, depois Barnabé, Paulo e por fim, Tiago, falaram cada qual o que entendiam sobre a questão. Depois que chegaram a uma decisão, registra-se a unanimidade presente entre eles: “Então, pareceu bem aos apóstolos e aos presbíteros, com toda a igreja…” (v.22), e, “Pois pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo além destas coisas essenciais: que vos abstenhais das coisas sacrificadas a ídolos, bem como do sangue, da carne de animais sufocados e das relações sexuais ilícitas; destas coisas fareis bem se vos guardardes. Saúde” (v.28-29).

            A unanimidade quando é bíblica, não somente é sábia como também uma bênção para a Igreja.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico, Reflexão Bíblica. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.