CALÚNIA NÃO É ACONSELHAMENTO. É PECADO

 

Uma das coisas mais comuns que me acontece é alguém me procurar pedindo aconselhamento para resolver um problema ou um desentendimento que teve com outra pessoa. Neste momento eu pergunto ao interessando em meus conselhos: “Você já conversou com a pessoa com quem você teve esse problema e tentou resolvê-lo biblicamente?”. A resposta quase sempre é: “De jeito nenhum! Se eu falar com ela a coisa vai ficar pior”. A segunda pergunta que faço à pessoa é: “Quem mais além de mim está sabendo por você do ocorrido?”. Quase sempre a resposta é: “Contei para mais algumas pessoas de minha confiança”. Não me espanto de em pouco tempo um rebuliço regado à muita calúnia fazer estragos nas famílias envolvidas e até mesmo na Igreja. E tudo isso porque o “ofendido” da história em vez de adotar uma postura bíblica para resolver o problema, simplesmente preferiu sai por aí espalhando a história na tentativa de se apresentar como a “vítima”, e o outro, como o “mostro” que é malvado.

O que tais pessoas não levam em conta é que:

Não resolvemos o problema enquanto não o tratamos biblicamente. Em Mt 7.1-5, o Senhor Jesus nos mostra que antes de intentarmos qualquer ação para tirar os “ciscos” dos olhos dos outros devemos tirar primeiro a “trave” em nosso olho. Em Mt 18.15-17 Ele nos dá u “passo a passo”: 1º Passo: você deve conversar com a pessoa que lhe ofendeu e fazer de tudo para “ganhar o irmão”, isto é, trazê-lo à obediência à Palavra de Deus. 2º Passo: no caso de falhar o primeiro passo e o seu irmão não atender você, então leve mais uma ou duas testemunhas e trata de novo do caso com a pessoa, e, se este passo também falhar, o 3º Passo: colher o depoimento dessas testemunhas com o seu e levo-o à Igreja (no nosso caso, o Conselho) que tratará disciplinarmente desse isso visando o arrependimento e a restauração do mesmo.

Quando você conta para um terceiro sem antes ter resolvido diretamente ou pelo menos tentado resolver com a pessoa, você está caluniando. Isso é muito sério. Em Pv 16.28 lemos: “O homem perverso espalha contendas, e o difamador separa os maiores amigos”. Note que quem difama o seu próximo é igualado a quem é perverso. Longe de ser uma vítima (ainda que num primeiro momento tenha sido mesmo) se você em vez de tratar diretamente com a pessoa sai por aí contando aos outros com a desculpa de “pedir conselhos”, quando na verdade o que você quer mesmo é mostrar o qual má é a outra pessoa, e, você, “bonzinho”, neste exato momento você é tão mal quanto o outro, tão perverso quanto aquele que lhe feriu.

      Lembre-se: antes de buscar qualquer ajuda você deve obedecer o que a Bíblia ordena. Somente quando depois de obedecer à Palavra e mesmo assim você não obtiver o resultado com a pessoa (que é ganha-la para arrependimento e para Cristo), então você deve buscar a ajuda de irmãos mais experientes. Isso sim é aconselhamento!

Soli Deo Gloria

Rev.Olivar Alves

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.