Criando Filhos para a Glória de Deus – Parte II

Educando os filhos para Deus

Trabalhando a vida espiritual dos nossos filhos

 

Frases que todo mundo diz

                    “Estou preparando os meus filhos para a vida”

                   “Eu educo minhas crianças para o mundo”

                   “Eu ensino os meus filhos a sobreviverem sozinhos nesta vida”

                   “Meus filhos estão sendo preparados para não dependerem de ninguém”

                   “Ensino meus filhos a perseguirem seus próprios sonhos e ideais”

 

Frases que somente quem é crente (de verdade) diz

                    “Educo meus filhos para a glória de Deus”

                   “Oriento meus filhos a em tudo glorificarem a Deus por meio de suas ações e escolhas”

                   “Crio os meus filhos para Deus sabendo que um dia Ele os requererá de mim”

                   “Mostro para os meus filhos que eles só se realizarão plenamente em Deus”

                   “Deus é o alvo da minha família”

Um dos piores erros que cometemos como pais é deixar de direcionar nossos filhos para a glória de Deus. No presente estudo abordaremos alguns aspectos importantes sobre porque e como orientar nossos filhos para a glória de Deus.

O Sl 127.3,4 diz: “Herança do SENHOR são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão. Como flechas na mão do guerreiro, assim os filhos da mocidade”. Estes versos tanto nos mostram o “porque” e o “como” orientar nossos filhos.

Por que Deus deve ser o alvo na educação dos nossos filhos?

No v.3 lemos: “Herança do SENHOR são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão”. Os filhos são:

Herança do SENHOR: eles são uma dádiva de Deus. Não importam as circunstâncias que eles vieram, sempre serão uma dádiva de Deus e que devem ser cuidadas por nós.

Eles são o nosso galardão: isto é, uma grande bênção. Um galardão é um resultado maravilhoso, uma bênção que recebemos. Geralmente esta palavra está relacionada à salvação e ao céu.

A)    Existimos para a Sua Glória

A primeira pergunta do Breve Catecismo de Westminster toca neste assunto:

Pergunta 01: Qual o fim principal do homem?

Resposta: O fim principal do homem é glorificar a Deus, e gozá-lo para sempre (Rm 11.36; 1Co 10.31; Sl 73.25-26; Is 43.7; Rm 14.7-8; Ef 1.5-6; Is 60.21; 61.3).

Todo ser humano (inclusive as crianças) foram projetados para a adoração. Somos adoradores por natureza. O problema é que com o pecado nossa natureza tornou-se idólatra. O Dr. Tedd Tripp em seu livro Instruindo o coração da criança[1] faz uma excelente explanação sobre o assunto mostrando que (TRIPP, 2009, p.121 ss):

– Deus se revela a toda a humanidade a qual é indesculpável (inclusive às crianças), cf. Rm 1.19-20;

– as crianças foram projetadas para adorar. Se não adorarem a Deus adorarão a ídolos.

– todos os dias elas enfrentam os mesmo dilema que nós enfrentamos: o que é que torna a vida digna de ser vivida?

Deus nos criou para Si mesmo. A Bíblia diz:

(Ef 2.10)

“Pois somos _______________________ dele, ____________________ em Cristo Jesus para ______________ _________________, as quais Deus de antemão ___________________________________   para que _______________________  nelas”.

 

(1Pe 2.9)

“Vós, porém, sois __________________ ____________________,  ___________________________    ______________,  ____________________     ______________________,  ________________ de ___________________________ exclusiva de Deus, a fim de __________________________________ as virtudes daquele que vos __________________________   das trevas para a sua maravilhosa luz”.

 

Importante!

Ensine a seus filhos que eles pertencem a Deus, que eles são propriedade Dele de fato e por direito.  De fato, porque Ele os criou; de direito porque Ele os comprou.

 

B)    Não existe alvo mais elevado para os nossos corações

Uma vida direcionada para Deus não somente evita perder tempo com futilidades e coisas de menor valor, mas, principalmente, encontra a verdadeira e plena felicidade.

No Sl 37.4 lemos: “Agrada-te do SENHOR e ele satisfará os desejos do teu coração”. Um coração que tem o seu prazer em Deus não se deixará levar por desejos fúteis e frívolos, mas, tão somente buscará a vontade de Deus para a sua vida. Em 1Jo 5.14 encontramos a seguinte promessa: “E esta é a certeza que temos para com ele: que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve”.

C)    Ele é perfeito e a Sua perfeição é o alvo de todos os servos Dele

Muitos pais erram neste ponto. Quando vão corrigir seus filhos, em vez de lhes mostrar que eles desagradaram a Deus, os pais mostram que seus filhos os desagradaram. Assim, esses pais se colocam como o alvo para seus filhos que não demorarão muito para perceber que seus pais são tão falhos quanto eles. Como pais, temos de apontar sempre para Deus, pois, assim nossos filhos não ficarão desanimados. Ao contrário do que muitos pensam, não desanimamos nossos filhos como lhes apresentamos um alvo tão elevado (Deus), mas, sim quando nos colocamos como o alvo da vida deles, pois, tão logo eles constatem que somos tão falhos quanto eles, tão logo ficarão desanimados. É justamente isso que nos diz Ef 6.4 e Cl 3.21.

Provocar os filhos à ira é o mesmo que levá-los ao desânimo por meio da irritação. Isso acontece quando pais estipulam normas e alvos para os seus aos que eles mesmos (os pais) não cumprem e nem se empenham em alcançar. Porém, quando os pais se mostram misericordiosos com as fraquezas e limitações de seus filhos e os incentivam e impulsionam em direção a Deus dão-lhes o encorajamento e o estímulo de que precisam para atingirem tão maravilhoso alvo.

Importante!

Mostre para os seus filhos que Deus é a pessoa mais importante da sua vida. Um filho que teme e honra a Deus sempre honrará seus pais. Mas, um filho que não é direcionado para Deus, mais cedo ou mais tarde desonrará a seus pais, e às outras pessoas.

Como orientar seus filhos rumo à glória Deus?

No v.4 do Sl 127 lemos: “Como flechas na mão do guerreiro, assim os filhos da mocidade”.  A figura da flecha utilizada por Salomão aqui para descrever os filhos é bastante significativa.

Nenhum arqueiro pega um pedaço de madeira e coloca em seu arco e sai atirando. Primeiramente, ele lapida um pedaço de madeira e lhe dá o formato ideal de uma flecha.

Da mesma forma lapide o caráter do seu filho com a Palavra de Deus. Mostre-lhe que Ela é o seu guia e é baseado Nela que ele deve tomar suas decisões.

A flecha precisa ser bem direcionada para atingir o alvo. Assim acontece com seu filho. Ele precisa ser direcionado para Deus. Qualquer outro alvo que você der para a vida dele será não somente inferior, mas, um ídolo para o seu coração.

A)    Detecte e destrua os ídolos no coração de seu filho

Os ídolos não são apenas aquelas estatuetas dos pagãos e dos católicos. Um ídolo é tudo aquilo que substitui Deus no coração de uma pessoa. Tudo aquilo que nos promete satisfação em troca de devoção é um ídolo. Contudo nos prometam satisfação tais ídolos nos tornam cada vez mais insatisfeitos. Só Deus pode satisfazer o nosso coração.

Eis alguns ídolos que podem estar presentes na vida de seu filho ainda criança (TRIPP, 2009, p.124)[2].

  • Poder e Influência: uma criança “mandona” que determina quais são as brincadeiras do grupo, quem será o que na brincadeira, ela é a dona da bola e dos brinquedos, e por isso tudo tem de ser do jeito dela, revela seu forte desejo de poder. Mostre para seu filho que o Senhor Jesus tendo todo o poder de fazer tudo do jeito que Ele quer, abriu mão de tudo para fazer a vontade do Pai (Fp 2.5-11) e que é assim que um servo de Deus deve agir também.

 

  • Orgulho e desempenho: Crianças que buscam sobressair aos seus colegas nas notas, nos esportes ou em quaisquer outras áreas farão qualquer coisa para conseguirem esse objetivo. Porém, quando não conseguirem atingi-los ficarão frustradas, desanimadas e até mesmo irritadas. Os adultos não veem este comportamento como maléfico. Antes, estimulam a competição entre as crianças com a desculpa de que o nosso mundo é competitivo e somente o melhor se estabelece. Assim, este ídolo é polido e lustrado pelos os adultos. A criança que revela este ídolo em seu coração busca o louvor e o reconhecimento das pessoas porque pensa que isso lhe dará a alegria completa. Mostre para seu filho que “A pessoa que tem a Deus e toda capacidade e habilidade imaginável não possui mais do que aquela que possui somente a Deus” (Tedd Tripp).

 

  • Possessão: Crianças possessivas têm dificuldade de compartilhar suas coisas com outras crianças, querem adquirir mais brinquedos e coisas, sentem inveja de outras crianças com seus brinquedos. Tais crianças buscam a segurança nessas coisas. Assim, desenvolvem a avareza e a ganância, pois, suas vidas se resumem no “ter” e não no “ser”. Se seu filho é assim você precisa mostrar-lhe que essa segurança que ele tanto busca só pode ser encontrada em Deus e que se ele não estiver satisfeito com Deus, não encontrará satisfação nenhuma em coisa alguma dessa vida.

 

  • Emoções e sensações: as crianças estão sempre em busca de fortes emoções e sensações. Brincadeiras agitadas, passeios constantes a lugares diferentes, enfim, sempre buscam coisas novas para fazer. Não há problema nenhum com isso até que a criança se sinta entediada e frustrada por não ter alguma coisa assim para fazer. Você deve ajudar seu filho a desenvolver a gratidão a Deus e a alegria por ter realizado alguma atividade prazerosa. Porém, quando não der para realizar alguma coisa que ele tenha vontade, deve trabalhar em seu coração a gratidão e a alegria diante de Deus.

 

  • Temor dos homens ou o desejo de aprovação: estes são opostos. Ambos neutralizam a criança e fazem com que ela busque a aprovação dos outros. Mostre para seu filho que a única pessoa que ele deve temer é Deus e que somente a Sua aprovação é que conta de fato.

 

  • Amizades: para muitas crianças o que os amigos pensam e querem é mais importante do que o que Deus pensa e quer. Mostre para seu filho que se amigos exigem que ele faça algo que seja contrário à vontade de Deus tal “amigo” não merece sua lealdade.

 

  • Estar bem informado: este desejo se transforma num ídolo porque os estar bem informado faz com que a criança seja o “centro das atenções”, aquele a quem todos recorrerão para saberem de algo. Quando a criança não souber nada sobre o que está sendo perguntado fingirá saber. Além disso, para evitar tal constrangimento, ocupará sua mente com toda sorte de futilidade (roupas, frases, atitudes das tais “celebridades”) em vez de se ocuparem com o que realmente importa: a Palavra de Deus. Tais crianças não conseguirão ser nada mais do que “crianças atualizadas”.

“As crianças nunca terão pensamentos corretos acerca de si mesmas, enquanto não tiverem pensamentos corretos a respeito de Deus” (TRIPP, 2009, p.127)[3].

Em seu livro Instruindo o coração da criança, Tedd Tripp falando sobre a importância de se mostrar às crianças a beleza e a centralidade da glória de Deus em suas vidas apresenta as seguintes implicações que aqui serão apresentadas resumidamente.

Implicação 1 – A interpretação é tudo

As crianças têm grande capacidade de interpretar tudo o que acontece ao redor delas. A interpretação que elas fazem das circunstâncias determina a maneira como reagem. A chave para interpretar a vida é a glória de Deus. As crianças que estiverem deslumbradas com o Senhor da Glória interpretarão as experiências e as oportunidades de modo correto. A primeira verdade para toda interpretação é a existência, a natureza e a glória do Deus da Bíblia.

Implicação 2 – As crianças pecam por prazer

Diga aos seus filhos que os prazeres do pecado são transitórios. Os prazeres verdadeiros e duradouros são obtidos somente quando conhecemos e amamos a Deus. Conforme disse Agostinho: “Fomos criados para Deus, e não teremos descanso enquanto não achamos descanso Nele”.

Implicação 3 – Não alimente os ídolos

É impressionante como os pais alimentam os ídolos dos corações de seus filhos. Alegram-se em ver os seus filhos se deleitando nas coisas que possuem. Enchem a vida deles de emoções e prazeres; gastam enorme quantidade de tempo, dinheiro e energia desenvolvendo as capacidades de seus filhos realizarem proezas. Sobrecarregam-lhes com tantas aditividades que as refeições em família (mesmo nos dias que são possíveis) não acontecem, culto doméstico é deixado de lado em nome do cansaço. O primeiro presente que dão aos seus recém-nascidos não é uma Bíblia, mas, a camiseta do seu time de futebol. Ensinam as crianças a esperarem pelo “fim de semana” em vez do “Dia do Senhor”. A participação das crianças em campeonatos é mais importante do que a presença na Escola Dominical. Observe se os ídolos de seu filho não são também os seus ídolos. Sugerimos um diagrama bem simples para ajudá-lo a fugir dos ídolos.

Perguntas para avaliação Nada Pouco Muito
Quanto isso custará?
Que tipo de compromisso exigirá?
Quantas horas por semana ele gastará nessa atividade?
Essa atividade entra em conflito com coisas de maior prioridade (culto doméstico, refeição em famílias, culto na igreja)?
Qual é a visão de mundo das pessoas com quem ele estará (linguagem, valores, visão da família)?
Que impacto isso causará no restante da família?
Os benefícios superam o custo?

Qual é a visão de mundo das pessoas com quem ele estará (linguagem, valores, visão da família)?   Que impacto isso causará no restante da família?   Os benefícios superam o custo?

Os índices “nada”, “pouco” ou “muito” vão muito além de tempo e dinheiro. Levam em consideração acima de tudo o comprometimento com a glória de Deus.

Implicação 4 – Você precisa estar deslumbrado por Deus

Se você perguntar ao seu filho: “Porque o papai e a mamãe se comportam assim?” a resposta dele deve ser: “Para a glória de Deus”. Qualquer resposta diferente dessa mostrará que você está falhando em mostrar que Deus é o prazer do seu coração. Não espere atitude diferente de seu filho.

 

Implicação 5 – Como obter e manter uma visão da Glória de Deus?

– Medite nas verdades espirituais – aprenda a meditar em uma passagem das Escrituras que descreve o caráter e as obras de Deus. Quanto mais você meditar nos atributos de Deus e em Suas obras, tanto mais você se deleitará Nele.

– Providencie estímulo espiritual para si mesmo – aproveite os momentos em que estiver dirigindo para ouvir hinos, músicas e sermões. Existem versões da Bíblia em áudio. Alimente seu coração e alma com o que é eterno – a Palavra de Deus.

– Expresse o seu deleite espiritual – converse sobre suas alegrias e suas vitórias espirituais. Até isso fará com que seus anseios por Deus aumentem.

Implicação 6 – As crianças e os jovens pode aprender “aprender isso”

Isso não é “coisa de velho” como muitos pensam. É lamentável que muitos pais e muitas igrejas queiram manter suas crianças e jovens com “algo mais” que o Evangelho. As crianças e os jovens podem ser profundamente tocados pelo Espírito Santo e serem plenamente enchidos com a Glória de Deus. Aliás, uma das principais promessas de Deus no Antigo Testamento: “E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões” (Jl 2.28).

Implicação 7 – a Glória é o princípio e o fim

                   A vida cristã começa com a glória de Deus. Em 2Co4 Paulo afirma os homens foram cegados pelo deus deste século para não verem a Glória (luz) de Deus. Na salvação dos pecadores Deus repetiu o mesmo ato da Criação: Ele lança a Sua luz sobre os corações em trevas: “Porque Deus que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo” (2Co 4.6). A vida cristã inicia-se com a Glória. O nosso crescimento espiritual continua e progride à medida que contemplamos a glória de Deus (2Co 3.18).

Importante!

Quanto mais estivermos deslumbrados e extasiados com a glória de Deus, tanto mais semelhantes a Ele seremos.

Estudo proferido na EBD da Igreja Presbiteriana no Jardim Sul em 15/07/2012

Rev.Olivar Alves Pereira

 


[1] TRIPP, Tedd. Instruindo o coração da criança. Editora Fiel, São José dos Campos (SP), 2009.

[2] Ibid.

[3] Ibid.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.