Criando Filhos para a Glória de Deus – Parte III

Educando os filhos em Casa

Trabalhando o coração da criança na vida familiar

 

Introdução

“Quem é mais bravo lá na sua casa? O seu pai ou a sua mãe?”. Assim me perguntava meu vovô José Ângelo Pereira (Zé Neco, como era conhecido), todas as vezes em que eu me encontrava com ele. É claro que ele fazia essa mesma pergunta todas as vezes num tom de brincadeira, típico dele. Vovô Zé Neco era um presbítero muito sensato e temente a Deus. Louvo a Deus por sua vida! Mas, confesso que todas as vezes que ele me fazia essa pergunta (quase sempre na presença do papai) eu dava uma risadinha tímida e dizia: “Os dois”. Uma, porque eu sabia que os dois eram bravos mesmo, e outra, porque se porventura papai achasse que minha resposta o desonrasse de alguma forma, eu sofreria as consequências (embora numa apanhei de meus pais por esse motivo).

Essa história me faz pensar que um elemento muito importante esteve sempre presente na educação que meus pais me deram: o principio da autoridade. Em outras palavras, eu sempre soube que “manda quem pode, e obedece quem tem juízo”.

Meus pais não tiveram sequer uma pequena parte da instrução que eu tive (e tenho). Li livros que meus pais nem sonhavam que existiam. Ouvi palestras que meus pais não tiveram a oportunidade de ouvi-las, tive conversas com educadores, às quais meus pais nunca tiveram, e, se tivessem talvez não entenderiam quase nada do que seria dito. Contudo, eu oro todos os dias para que Deus dê a mim a bênção de repetir na vida da minha filha (que é única) os princípios, as verdades e acima de tudo, o amor a Deus que meus pais conseguiram me transmitir (e para os meus outros cinco irmãos). Meus pais tiveram sucesso nessa área não tendo a metade dos recursos que tenho, mas, somente um recurso deles me basta: a Palavra de Deus.

Eduque seu filho com as Escrituras Sagradas

No que isso implica? Como utilizar corretamente a Bíblia na educação de uma criança?

Como vimos nos estudos anteriores, antes de educar seus filhos, primeiramente, você precisa se educar. Antes de querer qualquer transformação na vida dos seus filhos, queria essa transformação em sua vida. Só compartilhamos o que temos, e neste caso, só podemos compartilhar a Vida em Cristo se tivermos essa Vida em nós. Seus filhos têm de ver em você um apego muito forte à Palavra de Deus. Algumas perguntas ajudam nesse sentido[1]:

  • Quanto você mesmo conhece da Bíblia?
  • Quanto das Escrituras você menciona ao longo de uma conversa normal e informal com seus filhos?
  • Quanto você conhece sobre ensinar e relacionar a Bíblia à vida diária dos seus filhos?
  • Com que eficiência você usa as Escrituras para reprová-los (e convencê-los) quanto ao pecado delas? (A forma através da qual você as reprova faz com que honrem a Palavra de Deus ou a desprezem?).
  • Com que regularidade você usa a Bíblia quando corrige seus filhos?
  • Como você usa as Escrituras para treinar seus filhos na justiça a fim de ajudá-los a agir melhor no futuro?

Se você quiser educar eficazmente a seus filhos observe que é impossível fazer isso sem o uso contínuo da Palavra de Deus. Em Pv 29.15 quais os dois elementos indispensáveis na educação dos nossos filhos?

a ____________________________

e a ___________________________

Um fator muito importante a ser considerado aqui é a total dependência que você deve ter do Espírito Santo. Lou Priolo faz a seguinte observação quanto ao fato de muitos crentes dizerem que são capazes de crescer em graça sem o tempo regular e contínuo com a Palavra de Deus (i.e. leitura bíblica, estudo, memorização, meditação, um ouvir ativo da pregação e o ensino bíblico)[2]:

Sob o risco de exagerar em meu argumento, permita-me colocar isso da seguinte forma: não importa quanto tempo você gasta orando ou jejuando, na comunhão com outros cristãos, ao ministrar ou ao testemunhar para os outros; casa não esteja investindo tempo na Palavra de Deus (ou para ser mais preciso – se a Palavra de Deus não habitar ricamente em você), para todos os efeitos, você está algemando o Espírito Santo. Não é que Ele seja incapaz de operar sem a sua cooperação. O fato é que Ele não prometeu operar sem a Bíblia. (Grifo é meu).

Estabeleça normas e responsabilidades para seu filho

Um importante fator na educação dos filhos é mostrar-lhe o quanto antes eles puderem entender que eles têm normas a seguirem e responsabilidades a cumprirem. Crianças cujos pais ou a empregada doméstica fazem tudo por elas, crescem com uma visão distorcida da vida achando que todos devem servi-las. Crianças que não são repreendidas quando quebram normas aprendem a desprezar toda forma de lei.

Contudo, mais do que ensinar seu filho pequeno a cumprir normas e a ser responsável, você precisa sempre mostrar para ele qual a verdadeira e única razão para obedecer normas e cumprir responsabilidades. E essa verdadeira razão é a glória de Deus.

 

Estabeleça metas alcançáveis

Muitos pais ficam frustrados com seus filhos (e muitos filhos, com seus pais) porque metas impossíveis de serem atingidas muitas vezes são estipuladas.

Em Ef 6.4 lemos: “E vós, pais, não provoqueis os vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor”. Em Cl 3.21, Paulo diz o mesmo em outras palavras: “Pais, não irriteis os vossos filhos, para que não fiquem desanimados”. Os pais muitas vezes colocam sobre seus filhos uma carga que está muito além da capacidade deles. O outro extremo é quando os pais não colocam nenhuma meta para os filhos julgando-os inaptos e sem condições de realizar tarefas simples.

Para estabelecer metas alcançáveis para seu filho observe:

  • Eu já ensinei ao meu filho tudo o que ele precisa saber para executar essa tarefa?
  • Eu lhe dei todos os recursos de que ele necessita para realizar essa tarefa?
  • As minhas ordens foram dadas com clareza?
  • Essa é uma tarefa que ele pode fazer sozinho, ou precisa de alguma ajuda?
  • Quando ele alega não conseguir fazer está sendo sincero ou preguiçoso?

Essas perguntas (e outras parecidas) ajudarão você a não irritar o seu filho deixando-o desanimado por nunca atingir o seu alvo.

Falando em alvo…

Modelo, sim. Alvo, jamais!

Esse é outro erro que os pais crentes cometem em relação aos seus filhos: eles (os pais) se põem como o “alvo” da vida de seus filhos, e muitos filhos chegam a dizer: “Devo ser igual ao meu pai”, outros dizem: “Nunca consigo agradar ao meu pai. Tudo o que eu faço nunca está do agrado dele”. Estes pais estão se colocando como “a razão de ser” de seus filhos, e assim, promovendo uma idolatria no coração deles. Pais crentes devem ser modelos para seus filhos, mas, não o alvo da vida deles.

Muitos pais fazem questão de enfatizar aos seus filhos que eles devem ser uma réplica deles (dos pais), repetindo o “sucesso” deles. Estes pais confundem alvo com modelo.

Pais crentes devem ser modelos para os seus filhos em como viver de forma agradável a Deus. Em vez de se colocarem como o “alvo” da vida de seus filhos (os filhos devem ser suas réplicas, tendo a mesma profissão, o mesmo jeito de lidar com os bens materiais e família), os pais precisam mostrar para os seus filhos que Deus é a razão deles agirem como agem. O alvo da vida do seu filho (e da sua também) é Deus; o modelo para o seu filho viver dessa forma, é você.

Na prática, como isso funciona?

 

  • Foque na Palavra de Deus: suponhamos que seu filho não obedeceu à sua ordem de arrumar o quarto dele. Em vez de dizer que ele não obedeceu você, ou que está testando a sua paciência, diga-lhe que ele ao desobedecê-lo está deixando de cumprir Ef 6.1-3. Ao quebrar um princípio bíblico ele está desonrando a Deus. Agindo assim, você tanto estará apontando o alvo que é Deus para seu filho, quanto sendo para ele um modelo de um servo de Deus que tem o seu coração ocupado com a glória de Deus.
  • Foque no coração e não no comportamento somente: muito mais do que querer corrigir a um comportamento errado, você precisa ajudar o seu filho a ver que o coração dele é quem o levou a agir daquela forma. A Bíblia nos mostra que é do coração que procedem toda sorte de pecado (Mt 15.19). Fazer com que seu filho mude um comportamento, sem que haja mudança no coração dele, fará com que mais cedo ou mais tarde esse comportamento pecaminoso volte com toda força.

 

E o relacionamento com os demais membros da família?

O que é necessário para haver uma discórdia? Apenas duas pessoas pensando diferente. E dentro de casa cada um busca o seu próprio espaço. Numa casa onde existam mais de um filho é muito comum acontecerem desavenças entre os irmãos. Muitos lares transformam-se num verdadeiro caos por causa das disputas, ofensas e xingamentos dentro de casa. O que fazer, é a pergunta de pais que enfrentam esse tormento.

Mostre-lhes que eles fazem parte de uma mesma aliança

Uma família só existe porque duas pessoas decidiram estabelecerem uma aliança. Portanto, a manutenção dessa aliança deve acontecer a despeito das piores lutas e diferenças que possam haver dentro de casa. E isso só pode acontecer se todos estiverem caminhando na mesma direção e com o mesmo objetivo: a glória de Deus.

Não estimule a competição entre eles; estimule virtudes que a Bíblia ordena (cf. Rm 12.9-21)

A competitividade pode até ser considerada uma “virtude” lá fora no mundo, mas, não no meio da família de Deus. Ao contrário, dentro da família de Deus o que é estimulado é a mutualidade, a solidariedade, a cumplicidade (para o que é certo, é claro), ou seja, tudo aquilo que coopera para que todos cresçam juntos. Observe o que nos diz Ef 4.11-13, especialmente o v.13. Como é o crescimento que Deus quer para a sua igreja?

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

O mesmo princípio deve ser aplicado na vida em família. Os pais devem querer e trabalharem para ver o desenvolvimento de todos os filhos de forma completa. Quando um filho é prejudicado em detrimento de outro filho isto está em desacordo com a Palavra de Deus. É muito comum filhos rebeldes terem mais a atenção dos pais do que filhos obedientes, e não raro acontece desses filhos rebeldes conseguirem mais benefícios de seus pais do que seus irmãos obedientes, tudo porque os pais não querem confrontar esses filhos rebeldes, porque tal confronto lhes custaria a paz.

Voltando à questão da autoridade…

Ouço muitos pais dizendo que não querem ser adotar uma postura firme com seus filhos para não caírem no erro do autoritarismo. É importante distinguirmos autoridade de autoritarismo.

Autoridade                                                               

  • Provém de Deus (Rm 13.1-7, especialmente o v.1);
  • Leva a cuidar daqueles que estão sob nossa responsabilidade – amor sacrifical (Ef 5.25-27);
  • Aponta para o compromisso com a glória de Deus (Gl 1.10)

Autoritarismo

  • Provém da vaidade humana – o homem querendo se impor sobre seu semelhante a qualquer custo;
  • Cuida do seu próprio interesse e usa as pessoas para conseguir os seus próprios objetivos;
  • Está em busca de ser visto e notado por todos; busca a sua glória pessoal.

Importante

Não se esqueça que se você não exercer a autoridade que Deus lhe deu sobre seus filhos, você prestará contas a Deus e estará colocando a vida de seu filho em risco

Bibliografia utilizada (e sugerida)

[1] Cf. PRIOLO, Lou. O caminho para o filho andar. Ed. NUTRA, São Paulo (SP), 2008, p.23.

[2] Ibid., p.27.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Reflexão Bíblica. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.