Criando os Filhos para a Glória de Deus – Parte I

Educando-me para educar

A difícil tarefa da coerência

 

Era uma vez…

Um pai (que chamaremos de Astrobaldo para evitar constrangimentos) estava assistindo à TV enquanto o seu filho (que chamaremos de Júnior para evitar um duplo constrangimento, pois, não queremos expô-lo e, afinal, “Astrobaldo”, convenhamos…) de cinco anos brincava no tapete da sala. O programa na TV indicava no canto inferior da tela “+16”, ou seja, impróprio para menores de 16 anos por causa de cenas de violência e de sexo, bem como palavrões sendo ditos a torto e a direito. Mas, o pequenino parecia nem se dar conta de tanta porcaria sendo despejada sobre a sua cabeça e coração. E o pai? Ah, esse alimentava a esperança (egoísta) de que o filho estivesse imune a toda aquela enxurrada nefasta. Sim, esperança egoísta porque ele queria ver seu filme a qualquer custo, mesmo que o custo fosse o coração de seu filhinho.

Um dia, num culto na igreja, seu filhinho brincava com outro menino de sua idade na presença dos pais de ambos. De repente, Júnior imaginando-se um super herói pula sobre o outro menino e diz: “*Seu $%…#@, prepare-se para morrer”, e completou com um soco bem dado no rosto do outro menino que caiu aos berros nos chão. Astrobaldo tomado por um forte senso de justiça voltou-se para o Júnior, franziu o cenho, engrossou a voz (coisa de macho) e disse: “Júnior! Como pôde fazer isso? Com quem você aprendeu tal coisa?” e o menino assustado (sua fantasia transformou-se num terrível pesadelo) respondeu com um olhar e tom de voz quase angelical: “Com aquele filme que o senhor assistia outro dia enquanto eu brincava”.

Era outra vez…

Quem de nós que temos filhos não passou por situação semelhante (em maior ou menor grau) alguma vez?

Quando isso acontece nossa primeira preocupação que temos é de que outras pessoas percebam a nossa incoerência (contradição entre o que dizemos e o que fazemos), mas, nessa escala geralmente os “outros” são nossos irmãos da Igreja, nossos vizinhos, nossos amigos de trabalho, ou até mesmo nosso cônjuge, enfim, qualquer outra pessoa que nos conheça um pouco mais, menos Deus e os nossos filhos.

Ajustando o seu foco

Crianças que revelam egoísmo, ira, desobediência, indiferença, desrespeito, preguiça, indolência, murmuração, entre outros pecados, estão precisando ter reajustado o foco de suas vidas. E o foco é Deus. No próximo estudo falaremos sobre esse assunto. Mas, como ajudar nossos filhos a reajustarem o foco de suas vidas para Deus se a nossa própria vida está desfocada?

A seguir, apresentamos alguns passos que devemos dar para conduzirmos os nossos corações na presença de Deus e sermos por Ele transformados e assim podermos ajudar nossos filhos a fazerem o mesmo também.

1º Passo

Admita sua pecaminosidade e a tendência que você tem para o pecado – Rm 7.7-25

Neste texto o apóstolo Paulo fala de sua experiência como um convertido a Cristo que constantemente enfrenta a pecaminosidade de seu coração.

O que ele diz no v.15?

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

E no v.21, o que ele encontra residindo em seu coração?

_____________________________________________________________________

No v.22 Paulo declara que o seu coração, o seu íntimo quer as coisas de Deus e tem prazer na Lei de Deus. No v.23 ele diz que vê nos membros do seu corpo uma lei que o aprisiona, a saber, a lei do pecado. Duas leis, um coração, um dilema terrível. No v.24 ele dá um grito desesperado: “Quem me livrará do corpo dessa morte?”. E no v.25 um brado ainda mais forte responde: “Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor. De maneira que eu, de mim mesmo, com a mente, sou escravo da lei de Deus, mas, segundo a carne, da lei do pecado”. Numa tradução mais clara este verso fica assim:

“Sejam dados louvores a Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo! Pois eu estou ao serviço da lei de Deus com o meu entendimento, embora sujeito à lei do pecado, com a minha natureza humana”.

Lembre-se disso quando você estiver educando o seu filho. Ele é como você: um pecador que se vê aliciado o tempo todo pelo pecado, que mesmo sabendo qual é a vontade de Deus vive lutando para cumpri-la, porque na verdade, o seu corpo (ele próprio) está num mundo corrompido.

2º Passo

Busque o perdão de Deus e creia que você foi perdoado – 1Jo1.9

É comum ouvir crentes dizendo que gostariam de “se sentirem perdoados” por Deus. Isso é um erro, pois, sua fé em Cristo deve ir além dos sentimentos. Em lugar algum a Bíblia diz que você tem de se sentir perdoado e amado por Deus para ser perdoado e amado de fato por Ele. A Bíblia diz: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda injustiça”. A condição para ser perdoado por Deus é confessar-se pecador diante Dele. Creia que foi perdoado! Saiba que foi perdoado.

Feito isso, você estará reconhecendo também o quanto você depende de Deus.

3º Passo

Dependa de Deus, creia em Sua Palavra – ela é o único recurso para lidar efetivamente com o seu coração – Sl 119.96; Hb 4.12

Responda as seguintes perguntas:

a)       Numa escala de 0 a 10, onde 0 é “nada” e 10 é “totalmente” que nota você daria para a sua dependência de Deus? Escreva um número.

________

b)      Numa situação difícil qual é a sua reação em direção a Deus?

(  ) Eu oro pedindo sabedoria e forças e busco na Bíblia exemplos que eu devo seguir

(  ) Eu fico com medo, angustiado e ansioso

(  ) Eu busco conselhos de pessoas comprometidas com Deus

(  ) Eu não conto nada para ninguém e tento resolver sozinho os meus problemas

(  ) Eu deixo as coisas se acertarem sozinhas

Se você toma outra decisão que não foi alistada aqui escreva-a:

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

c)       Como é o seu relacionamento com a Palavra de Deus? Com que frequência você a estuda e a pratica?

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

d)      Se malfeitores entrassem na sua casa e dissessem que iriam destruir tudo, mas, que dariam a você a oportunidade de retirar um único bem de dentro da sua casa antes dela ser destruída qual objeto você retiraria? Por quê?

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

Somente a Palavra de Deus pode penetrar no mais íntimo do seu coração. Nenhuma psicologia humana é tão eficaz quanto a Palavra de Deus. A Bíblia não é melhor do que a Psicologia. A Bíblia é singular! Somente ela é a Palavra de Deus! E entre a Palavra de Deus e a sabedoria dos homens, sem dúvida alguma a Palavra de Deus é a verdade.

4º Passo

Fique atento aos seus pensamentos, é neles que nascem todos os pecados, e é neles que Deus também tem de ser glorificado – Pv 4.23; Tg 1.14,15; 4.1

O primeiro ataque do diabo contra você para levá-lo ao pecado é na esfera do seu pensamento. Se ele conseguir fazer com que a sua luxúria, concupiscência e desejo de satisfazer sua própria vontade se inflamem dentro de você como uma chama numa poça de gasolina, então ele terá vencido a batalha.  

Os pensamentos pecaminosos, ao contrário do que muitos pensam, não são o primeiro passo para o pecado; eles já são pecado. Embora os grupos de ajuda como o AA (Alcoólicos Anônimos) ou NA (Narcóticos Anônimos) sejam cheios de boa intenção eles se equivocam numa de suas principais bases. Eles dizem que se você tomar o “primeiro gole” ou der a “primeira tragada”, já era, você porá a perder tudo o que conseguiu no tempo de abstinência. A Bíblia nos mostra que o problema não está no primeiro ato, mas, sim, no primeiro pensamento. Seremos mais eficazes na luta contra o pecado quando empregarmos toda a nossa atenção para os nossos pensamentos.

Por isso mesmo veja o próximo passo.

5º Passo

Aplique em sua vida o “princípio da amputação radical” – corte de sua vida tudo o que estiver levando você a pecar – Mt 5.27-32; 18.6-9

O que o Senhor Jesus está dizendo aqui não é que você deve viver se mutilando. Jamais Ele nos ordena tal coisa. O que Ele está dizendo aqui é que você deve tirar de sua vida qualquer coisa que estiver levando você a pecar.

Veja alguns cuidados em áreas específicas:

Pornografia – evite ficar sozinho diante da TV e Internet. Pessoas que têm pecado nessa área se quiserem vencer esses pecados devem estar sempre com outras pessoas, e nunca ter um computador num quarto isolado.

Maledicência – antes de falar alguma coisa, pense várias vezes se o que você quer dizer se enquadra nos padrões de Ef 4.29 e do Sl. 19.14.

Ira – se o pecado em que você tem caído com frequência é a ira (raiva, explosão de fúria) então você precisa evitar essas situações. É claro que existe situações que não tem como você sair de perto delas. Porém, se você sair de perto daquelas situações nas quais você tem como sair de perto para evitar a ira (e você verá que elas são muito mais do que aquelas que você não tem como sair de perto) estará “exercitando” cada vez mais a sua paciência, até que você conseguirá se controlar naquelas situações das quais não tem como você sair de perto.

Falta de domínio próprio – este pecado se revela em várias áreas da vida. Por ser em relação à comida, ao dinheiro, ao temperamento, ao sexo, etc. A falta do domínio próprio hoje recebe outros nomes (como sempre gostamos de dar nomes bonitos para coisas feias). Por exemplo: uma criança indisciplinada e entregue a si mesma hoje tem TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. Uma pessoa carregada de ira e raiva tem “Distimia”. A pessoa que gasta o seu dinheiro sem qualquer planejamento e comedimento hoje tem “Compulsão”. Você consegue perceber como hoje tudo é considerado “doença”. Bem, se estou doente, não tenho culpa de agir do jeito que ajo, não é mesmo? Mas, sabemos que tal pensamento só nos leva para longe da solução. Se você quiser ter controle de sua vida entregue-a Cristo e veja o Espírito Santo controlando cada passo seu. Só assim você se verá livre dessas cadeias que lhe prendem.

Conclusão

Não se esqueça que pais indisciplinados criam filhos indisciplinados. A indisciplina dos filhos revela a dos pais.

Também não se esqueça que com muita probabilidade seus filhos amarão aquilo que você ama, valorizará o que você valoriza e quererá o que você tanto quer. Existem exceções, mas, quase sempre essa é a regra.

Se seu filho ver em você um profundo e sincero amor por Deus, ele terá muito mais chances de amar a Deus do que se ele fosse criado não vendo em você esse amor por Deus.

Deus o abençoe na difícil tarefa de ser coerente com o que você ensina para o seu filho e o que você vive de fato.

Estudo proferido na EBD da Igreja Presbiteriana no Jardim Sul em 01/07/2012

Rev.Olivar Alves Pereira

 

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.