Cristo e a Sua Gloriosa Igreja – 5ª Mensagem

Ef 1.15-19

O Louvor e Intercessão pelo Progresso da Igreja de Cristo

037 Cristo e a Sua Gloriosa Igreja – 5ª mensagem (Ef 1.15-19)

(Preferencialmente, use o Internet Explorer para ouvir a mensagem)

Quantas vezes você orou por nossa Igreja nessa semana? Quais pedidos você fez a Deus em relação à nossa Igreja? Se a nossa Igreja tivesse dependido somente de suas orações para continuar existindo e agindo neste mundo será que ela ainda estaria aqui?

Orar por nossos irmãos é um dever do qual não podemos nos esquivar, pois, deixar de fazê-lo é um pecado. Se Deus nos manda orar uns pelos outros, e se não oramos então estamos desobedecendo a Deus.

No presente texto, dos v.15-23 encontramos a primeira das duas orações que Paulo fez pelos efésios enquanto escrevia a sua carta. Como diz o Rev. Franklin Ferreira “Paulo nos deixa claro que todo labor teológico e de ensino deve ser feito com muita oração”.

Hoje veremos a primeira parte dessa oração (v.15-19) na qual consta O Louvor e Intercessão pelo Progresso da Igreja de Cristo.

Paulo louva a Deus e intercede junto a Ele pelo progresso espiritual dos crentes efésios, e essa atitude de louvar e interceder pelos irmãos traz consigo alguns aspectos muito importantes que você deve imitar também quando estiver orando pela nossa amada Igreja.

Sua atitude de louvar e interceder pela nossa Igreja:

1)      Deve expressar a Fé em Cristo e o amor para com todos, v.15

“Por isso…”, ou seja, pelas insondáveis e eternas bênçãos decorrentes da Graça de Deus que acompanham a Eleição Divina (v.3-14), e “também” pelas notícias a respeito dos efésios as quais confirmavam o progresso deles na fé em Cristo e o amor que eles demonstravam por todos os filhos de Deus.

Quanto tempo é necessário para alguém apresentar frutos tão precisos na vida cristã? Desde que a Igreja de Éfeso foi “plantada” (At 19.10, 26) até aquele tempo em que Paulo se achava prisioneiro em Roma, haviam se passado algo em torno de quatro anos, tempo suficiente para que aquela igreja apresentasse alguns valiosos frutos.

A fé no Senhor Jesus era comum aos efésios e o motivo pelo qual eles haviam desenvolvido espiritualmente era o fato de terem a mesma fé em Cristo. Não há unidade na Igreja de Cristo quando a mesma fé não é compartilhada. Pode até haver alguma opinião diferente quanto a um assunto não tão importante, mas, no que diz respeito à Pessoa de Cristo (veremos a partir do v.20) todos os crentes devem ter a mesma forma de pensar e crer.

Quando há unidade na fé o resultado imediato é o “amor com todos os santos”, ou seja, para com todos aqueles que creem no Senhor Jesus e que foram salvos por Ele. O amor e a fé caminham juntos. O amor é fruto da fé, e esta é fortalecida, aprimorada e enriquecida pelo amor.

A sua atitude de louvar e interceder pelo progresso da nossa Igreja também

2) Deve desejar que os outros também cresçam espiritualmente, v.16

O desenvolvimento dos efésios fazia Paulo ser bastante grato (euvcaristw/n) e essa gratidão era acompanhada de intercessão constante. Contudo, o elogio esteja sendo dirigido aos efésios, o alvo principal desta oração é o próprio Senhor Deus, pois, foi Ele quem promoveu por meio de Sua Graça tamanha transformação nos efésios.

Levando em consideração as circunstâncias em que ele proferiu esta oração, podemos compreender um pouco mais o senso de responsabilidade que Paulo tinha para com seus “filhos” na fé: (1) a regularidade: “não cesso”; (2) a intensidade: “bastante grato”; (3) a circunstância:  dentro de uma prisão. No próximo verso temos o conteúdo da oração do apóstolo.

Sejam quais forem as circunstâncias que você estiver vivendo em sua Igreja, nunca haverá motivos para você deixar de desejar o crescimento espiritual de todos os irmãos.

A sua atitude de louvar e interceder pela nossa Igreja também

3) Deve expressar a obra e o poder de Deus na vida dos irmãos, v.17-19

O conteúdo desta ação de graças aponta para o propósito da mesma: o verdadeiro crescimento espiritual. Mas, o verdadeiro crescimento espiritual:

Vem de Deus: Paulo sabia perfeitamente que quem haveria de dar aos efésios o crescimento espiritual era “o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória”. Anteriormente (v.3) ele já havia identificado Deus como “o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo”. Agora, ele faz um acréscimo: “o Pai da glória”. Ele é o Pai a quem toda glória pertence, porque todo o poder e majestade revelados na criação, providência e redenção. A Ele pertencem, e Ele é a origem de tais coisas (cf. FOULKES, 1984, p. 51).

Com espírito de sabedoria e revelação: o Espírito Santo confere ao espírito do crente a capacidade de agir com sabedoria; é Ele quem lhe revela as maravilhosas verdades a respeito de Cristo. Paulo aponta o espírito de sabedoria e revelação como característica principal daquele que está crescendo espiritualmente.

Com seu pleno conhecimento: O pleno conhecimento de Deus vem mediante a Pessoa de Seu Filho Jesus Cristo e pela ação reveladora do Espírito Santo e não por meio de filosofias perniciosas dos homens. Não há crescimento espiritual sem o conhecimento de Deus dado ao crente por meio do Espírito Santo.

Continuando neste assunto, Paulo mostra que este crescimento espiritual descrito no verso anterior ocorre depois que houve a iluminação interior (“…os olhos do vosso coração…”), a qual capacita a todos os crentes a saberem e conhecerem:

“qual é a esperança do seu chamado” (chamado de Deus). Na Escritura, o coração é o centro da vida espiritual do homem. Por causa do pecado o coração do homem tornou-se completamente cego, incapaz de ver a verdade, e envolto na mais terrível e densa escuridão. Por isso, necessita de duas coisas: (1) o Evangelho da Verdade, e, (2) da Iluminação do Espírito Santo com a qual poderá compreender o Evangelho. Uma vez ocorrendo esta bendita iluminação o homem pode conhecer “qual é a esperança do seu chamado” (de Deus). Paulo entendeu que a melhor forma de vencer as tendências pecaminosas antigas é entregando-se totalmente ao Senhor numa nova vida. Os efésios haviam recebido o chamado externo (a anunciação do Evangelho) e agora, o chamado interno (a iluminação da alma). A esperança que nasce dessa iluminação interior está totalmente embasada na infalibilidade de Deus em cumprir cada uma de Suas promessas.

“qual a riqueza da glória da Sua herança nos santos”. Assim como o Seu chamado, a herança também é dada por Deus. Paulo está falando sobre gloriosas riquezas, das maravilhosas magnitudes e de todas as bênçãos que acompanham a salvação, particularmente aquelas que ainda serão concedidas na grande consumação de todas as coisas. O que dá à herança um caráter ainda mais glorioso é justamente o fato de que ela há de ser desfrutada juntamente com “todos os que amam a sua vinda” (2Tm. 4.8) (cf. HENDRIKSEN, 1992, p.126).

“qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos”, poder este que opera em nós “segundo a eficácia da força do seu poder”. O poder de Deus age no interesse dos crentes, e de ninguém mais. Este poder sobrepujante em grandeza (ou “suprema grandeza”) que opera eficazmente em nós foi o mesmo usado por Deus para ressuscitar o Senhor Jesus. Fico pensando como temos facilidade de apontar as fraquezas e defeitos dos nossos irmãos. Isso, antes de depor contra os nossos irmãos depõem contra Deus que e a Sua obra na vida da Sua Igreja.

Implicações e Aplicações

Quero-lhe fazer mais algumas perguntas.

1)      Você tem orado por nossa Igreja e louvado a Deus por ela existir? A intercessão e a ação de graças têm o poder de fortalecer nossa fé em Deus e o nosso amor pelos irmãos.

2)      Você tem desejado ver o crescimento espiritual da nossa Igreja? Enquanto você deseja o crescimento espiritual da nossa Igreja você estará crescendo espiritualmente também porque você faz parte dela.

3)      Você tem adotado uma postura de crítica ou de zelo para com a nossa Igreja? Quem critica e não apresenta soluções, está difamando a obra que Cristo está fazendo na Igreja, mas, quem tem zelo não deixará de apontar os erros dando também a solução pela Palavra de Deus porque conhece o poder de Deus que opera nos crentes.

 

Conclusão  

Louve a Deus e interceda pelo progresso da nossa amada Igreja. Fazê-la crescer não depende de você, mas, louvar e interceder junto a Deus, sim!

São José dos Campos, 28/10/2012

Rev.Olivar Alves Pereira

 

 

 

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Mensagens expositivas em Efésios. Bookmark the permalink.

6 Responses to Cristo e a Sua Gloriosa Igreja – 5ª Mensagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.