Cristo e a Verdadeira Doutrina – 3ª Mensagem

Cristo é a Verdadeira Doutrina

2Jo v.7-11

[audio:http://ubuntuone.com/4RKvnidN9AExfqh3Ov2JTk]

O tema da nossa meditação hoje se confunde com o tema geral de 2João. Hoje meditaremos sobre: Cristo é a Verdadeira Doutrina.

O ponto central desse trecho da carta é o v.9 no qual vemos que o Evangelho é o próprio Senhor Jesus Cristo e quem nega Sua divindade ou a Sua natureza humana vai além, ultrapassando os limites da sã doutrina.

Quando falamos do Evangelho de Cristo estamos falando do próprio Senhor Jesus Cristo. O Evangelho é Cristo, e Cristo é o próprio Evangelho. A boa nova de Deus para nós “é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2.11). Por isso mesmo, quando falamos do Senhor Jesus Cristo estamos falando da Verdadeira Doutrina.

1)      Diante da qual os impostores são revelados, v.7

A forma como Satanás tenta imitar a Cristo é impressionante. Até os seus agentes malignos agem de forma semelhante aos filhos de Deus. Cristo tinha “saído” da parte do Pai (Jo 7.29; 8.42; 13.3) e também tinha enviado os apóstolos ao mundo (Jo 17.18; 20.21). Assim como os apóstolos saíram pelo mundo mandados por Cristo para anunciarem a verdade, Satanás também despacha os seus agentes do mal espalhando a mentira que lhe é própria, por isso esses agentes satânicos são chamados de “enganadores”. A palavra no grego que aqui foi traduzida por “enganadores” é pla,noi e indica não somente alguém que ensina coisas erradas, mas, que com seus ensinos errados levam as pessoas a agirem de forma errada. Não se iluda, qualquer ensinamento errado conduzirá você a ações pecaminosas.

E qual ensinamento errado esses “enganadores” estavam disseminando? Eles “não confessam Jesus Cristo vindo em carne”. A encarnação de Cristo não foi somente um evento temporal, mas, sim, um acontecimento permanente. Hoje “Nele habita corporalmente a plenitude da divindade” (Cl 2.9; cf. Fp 3.21).

Agora observe a sutileza desses “enganadores”. Eles não negavam abertamente as duas naturezas do Redentor, mas, sim, apenas não confessavam, ou seja, não reconheciam que o Cristo de Deus era Jesus de Nazaré. Eles admitiam que Jesus de Nazaré existiu, mas, que no momento do Seu batismo, o Cristo entrou no corpo de Jesus, e na morte de Jesus, o Cristo deixou o corpo de Jesus.

Negar as duas naturezas do Redentor é chamar Deus de mentiroso, é duvidar da Salvação e por em descrédito toda a Obra de Salvação. Nós precisávamos de um Salvador perfeito e santo, e este só podia ser o Filho de Deus. Mas, Ele tinha também que ser humano, pois, a Lei dizia que toda alma (ser) que pecasse deveria morrer. A nossa salvação exigia a morte, e Deus não morre, mas, um humano, sim. Por isso Jesus veio em carne.

Cristo é a Verdadeira Doutrina

2) Na qual somente os verdadeiros crentes permanecem, v.8,9

O v.8 nos traz certa dificuldade aparente. Quando João diz: “Acautelai-vos, para não perderdes aquilo que temos realizado com esforço, mas para receberdes completo galardão” ele não está falando de perda de salvação como muitos pensam. Não existe perda de salvação para quem é de fato um crente em Cristo, porque a salvação não é obra dos homens piedosos, mas, de Deus.

Então, do que João trata aqui? Quando ele disse “para não perderdes aquilo que temos realizado com esforço”, ele está falando de todo o discipulado que fizera com eles. No v.4 ele falou daqueles que ele encontrou andando “na verdade” pelos quais seu coração exultava. Com certeza está falando deles novamente, e assim alimentando a esperança de que eles continuem “na verdade” e não sigam os “enganadores”, pois, o “completo galardão” dos filhos de Deus envolve não somente as coisas referentes à eternidade, mas, as daqui dessa vida como a alegria, a paz, a plena satisfação em Deus.

Como é triste vermos crentes que embora estejam caminhando para o céu perderam o brilho em seus olhos, o ânimo e o gozo na caminhada da Fé. Não perderam a salvação, mas, perderam a alegria da salvação como aconteceu com Davi que orou a Deus pedindo: “Restitui-me a alegria da tua salvação, e sustenta-me com um espírito voluntário” (Sl 51.12).

Crentes que se afastam da sã doutrina se tornam infelizes, mas, o pior mesmo é se vierem a comprovar que nunca foram salvos e por isso mesmo se apostataram de vez (1Jo 2.19).

Por isso mesmo fique atento, pois, “Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus”. Como disse Marshall, possivelmente aqui temos uma referência de forma sarcástica ao caminho no qual os falsos profetas se orgulhavam de oferecer o ensino “avançado”. Os gnósticos diziam que aqueles que se apropriassem do conhecimento dado por seus ensinamentos se uniriam a Deus de tal forma que seriam um com Ele. Por isso mesmo João declara que quem não permanece na doutrina de Cristo “não tem Deus”, pois, somente aquele que “permanece na doutrina”, a de Cristo, “esse tem tanto o Pai como o Filho”.

Permaneça, meu irmão, na doutrina de Cristo, isto é, no Evangelho tal qual apresentado nas Sagradas Escrituras. O que não falta em nossos dias são ensinamentos atrativos, mas, que, vão muito além da doutrina de Cristo. Em se tratando de ultrapassar a doutrina de Cristo, você não precisa ir muito além, basta sair um pouquinho apenas e você já estará trocando o Evangelho de Cristo por “um outro evangelho” (cf. Gl 1.8).

Cristo é a Verdadeira Doutrina

3) Pela qual os verdadeiros crentes devem lutar, v.10,11

Se alguém vem ter convosco e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem lhe deis as boas-vindas”. Como obedecer a essa ordem em tempos como os nossos nos quais tanto se fala de tolerância religiosa? Muitos tomam esse versículo como arbitrário e impraticável em nossos dias. Mas, isso não seria negar a autoridade da Palavra de Deus? Temos aqui um impasse. Os tolerantes olham para ele e colocam as pessoas acima da Palavra de Deus; os separatistas o usam para afastar-se de quase todo mundo.

É importante entendermos que aqui João não está falando de um parente ou um amigo que professa outra religião e vem nos visitar, e nem sequer toca no assunto da religião. Aqui João está falando daqueles falsos mestres que saíram do meio do povo de Deus (1Jo 2.19) e estavam percorrendo a região visitando as igrejas cristãs a fim de ensinarem uma doutrina que ultrapassava os limites da doutrina do Evangelho de Cristo. Trata-se de alguém que é “enganador e “anticristo” (v.7). É como se alguém entrasse pelas portas da nossa Igreja e levantando-se dissesse que veio trazer-nos a Palavra de Deus, porém, seu ensino é contrário ao que a Escritura Sagrada diz. Nossa reação deveria ser de total intolerância, não somente não o recebendo dando-lhe boas-vindas, como também quando ele partisse não desejássemos felicidade e sucesso no seu trabalho.

Devemos tomar muito cuidado com essa conversa fiada de tolerância. Até devemos ser tolerantes sim, mas, precisamos saber até que ponto deve ir essa tolerância e o que iremos tolerar. Como disse Neil Alexander “a tolerância de que nos orgulhamos pode muito bem camuflar a indiferença para com a verdade”. Como também disse Alfred Plummer: “A caridade tem os seus limites; não deve ser demonstrada para um homem de modo tal que prejudique seriamente outros”.

No v.11 João nos dá o motivo pelo qual devemos ser radicalmente firmes com esses falsos mestres: “Porquanto, aquele que lhe dá boas-vindas faz-se cúmplice das suas obras más”. Não se trata apenas de uma doutrina diferente o que estes tais falsos mestres ensinam; trata-se de um ensinamento errado que conduz a uma ação errada. O ensino herético priva os homens da pessoa do Pai e do Filho, e, por isso mesmo, tais ensinos são “obras más”. Como disse John Stott: “Podem enviar almas à ruína. Se, pois, não queremos favorecer essa obra iníqua (tornar-nos um cúmplice das suas obras más) é preciso que não ofereçamos nenhum incentivo ao que a realiza”.

O que Deus quer você faça?

1) Aprofunde-se na doutrina do Evangelho de Cristo. Por descuido, relaxo e indiferença com a Palavra de Deus muitos que um dia estiveram no meio do povo de Deus hoje estão nas garras de seitas heréticas.

2) Não tolere ensinamentos que ultrapassam as Escrituras Sagradas. Alicerce a sua vida no Evangelho de Cristo, beba dessa fonte celeste o tempo todo, encha o seu coração com os tesouros do Evangelho, porque ele não é apenas uma mensagem, ele o próprio Cristo!

3) Lute pelo Evangelho de Cristo. Defenda-o do ataque dos hereges. Uma fé que não merece ser defendida também não merece ser seguida.

Conclusão

Ensinamentos errados levam a um cristo falso, e um cristo falso nos conduz ao inferno. O Evangelho Verdadeiro nos conduz a Cristo, e Cristo nos conduz ao céu, para o Pai.

Rev. Olivar Alves Pereira

São José dos Campos, 13/10/2013

 

 

 

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Mensagens Expositivas em 2ª João. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.