Cristo, o Verdadeiro Deus e a Vida Eterna – 16ª Mensagem

 

Cristo é quem nos aperfeiçoa no amor

1Jo 4.17-21

[audio:http://ubuntuone.com/4GsuX7zpC9GHedKbOA81pR]

          Você saberia me dizer qual é a essência da vida cristã? Pense em uma das verdades da Fé Cristã sem a qual não poderíamos ser identificados como cristãos verdadeiros. Muitas respostas podem surgir, tais como: o amor fraternal, a confiança em Deus, a obediência à Palavra de Deus, etc. Tudo isso pode ser resumido num só princípio que está no v.17: conformação do nosso caráter ao caráter de Cristo. É isso que João quis dizer com: “pois, segundo ele é, também nós somos neste mundo”.

          Neste trecho da carta fica bem claro que Cristo é quem nos aperfeiçoa no amor. Amar como Cristo amou é sem dúvida algo impossível ao homem natural, ou seja, não convertido. E para quem já nasceu de novo não é uma opção, mas, sim, uma ordem (cf. v.21).

      Agora, deixe-me voltar ao v.17 e transformar em pergunta as palavras desse verso: Nesse mundo, você é como Cristo? Suas atitudes revelam sua confiança em Cristo?

      Vimos no v.12 que o amor de Deus é aperfeiçoado em nós. Vimos também que esse aperfeiçoamento significa que Ele completará a obra que Ele mesmo começou em nós (cf. Fp 1.6). Agora, aqui nestes versos finais, João volta ao assunto para nos mostrar outras verdades sobre o amor de Cristo em nós.

1)      No amor de Cristo não existe medo do Dia do Juízo, v.17,18

           Algo que é impressionante é o número de crentes que têm medo do Dia do Juízo Final. Sem dúvida alguma, este será o dia mais terrível na história da humanidade. Contudo, os crentes em Cristo não têm qualquer motivo para temer este dia porque neste dia estarão ao lado de Cristo em Sua glória. Não há condenação para os que estão de fato em Cristo (Rm 8.1).

          Irmão, você tem medo do Dia do Juízo Final? Saiba, pois, que Deus não quer que nenhum de Seus filhos viva com medo desse Dia, mas, sim, que o aguarde, que o deseje, como disse o apóstolo Paulo a Timóteo: Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda” (2Tm 4.8). Sim, Deus quer que você ame o dia da volta de Cristo. E para isso, Ele mesmo está aperfeiçoando em seu coração o amor que um dia Ele mesmo derramou em seu coração.

          Irmão, pergunto novamente: você tem medo do Dia do Juízo Final? Observe o que diz o v.18“No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor”. Se eu lhe perguntar qual é a solução para o medo é bem provável que você me responderá: a coragem. Contudo, a Palavra de Deus diz que o que lança o medo fora não é a coragem, mas, sim, o amor de Cristo que é aperfeiçoado em nós através das circunstâncias dessa vida, das lutas, dos relacionamentos difíceis, da abnegação em prol dos outros.

          Entenda isso de uma vez por todas: somente amando a Cristo e aos seus irmãos de verdade é que sua consciência não o acusará de nada (cf. 3.19,20) e você estará seguro no Dia do Juízo Final.

2) O amor de Cristo é a origem do nosso amor, v.19

         Já falamos várias vezes sobre isso: você só pode amar de verdade se em seu coração você tiver o amor de Cristo; de outra sorte você terá quando muito sentimentos românticos pelos outros, mas, nunca amor de verdade.

          O v.19 é direto ao assunto: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro”. Tanto o nosso amor por Deus, quanto o nosso amor pelos irmãos é uma cópia, uma reprodução do amor de Deus.

          É-nos impossível amar com um amor que nasce em nosso coração como fruto do nosso próprio esforço. O tipo de amor que o homem tem naturalmente em seu coração é egoísmo, é amor próprio. Mas, o amor verdadeiro, o amor de Deus é o oposto. Ele se doa, se entrega, é abnegado. É encontrado somente no Deus Triúno.

          “Nós amamos”, diz João. Amamos quem? Aqui o contexto nos ajuda a entender. É tanto o amor a Deus como aos irmãos. É disso que se trata o último ponto dessa mensagem.

3) No amor de Cristo não há espaço para contradições, v.20,21

           Só posso amar a Deus porque Ele me amou “de tal maneira” (4.11), que a minha resposta a Ele é o mesmo amor que Ele colocou em meu coração. Só posso amar de fato aos meus irmãos, aqueles que foram comprados com o precioso sangue de Cristo se eu tiver em meu coração o mesmo amor de Cristo. Exigir amor tão profundo de alguém que não o tem é um absurdo, da mesma forma que alguém que recebeu tamanho amor se recusar a amar como deve.

          Nesses versos João volta ao assunto do Cap.2.9-11 onde ele já mostrou que o amor de Deus em nosso coração nos leva a amar a Deus e aos nossos irmãos. O verbo “ver” aqui é muito importante. Como posso amar a Deus a quem eu não vejo e odiar ao meu irmão a quem vejo? Todos os seres humanos foram criados à imagem e semelhança de Deus, e, por isso, em última instância, quando odiamos alguém estamos odiando a Deus cuja imagem está impressa no ser humano.

          Simon Kistemaker levanta uma questão importante: “Por que os escritores do Novo Testamento dão tanto valor ao amor ao próximo? A resposta tem duas partes: em primeiro lugar, porque nosso próximo tem a imagem de Deus; em segundo lugar, porque Deus nos dá o mandamento de amar o próximo”.

          Sim, de fato nós temos esse mandamento do qual não podemos nos descuidar, e nem mesmo abrigarmos fingimento em nosso coração, pois, quem diz que ama a Deus, mas, odeia a seu irmão é “mentiroso”. Soma-se a isso o fato de que quem age assim também é assassino (Cap.3.15).

          Creio que nenhum de nós aceitaria ser insultado de mentiroso e assassino, não é mesmo? Porém, se não cumprimos esse mandamento para o qual fomos plenamente capacitados (pois, Deus nos amou primeiro) é isso que somos: mentirosos e assassinos.

O que Deus quer que você faça?

          Diante do que nos foi exposto aqui fica claro que Deus quer que você:

1)      Enfrente o medo com o amor. Não é a coragem que desbanca o medo, mas, sim, o amor de Deus que nos diz que estamos salvos em Cristo e que nenhuma condenação há sobre nós.

2)      Ame, porque afinal você foi capacitado plenamente por Deus para isso. Se você estiver com dificuldades de amar de verdade então só me resta duas alternativas: ou você é um desobediente que está mais preocupado em se agradar do que a Deus, ou, você ainda não é um filho de Deus, um convertido e salvo por Cristo.

 

Conclusão

          Você é segundo Cristo neste mundo? Olhando para você as pessoas estão vendo a obra de Deus? Alguém que está sendo conformado à imagem de Cristo?

São José dos Campos, 25/08/2013

Rev.Olivar Alves Pereira

 

 

 

 

 

-06-

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Teólogo, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea, Ética e História Bíblica, História e Teologia da Igreja, Educação Cristã e Teologia Sistemática, Sociologia e Ensino Religioso em seminários e escolas na região do Vale do Paraíba, também escreveu lições para a revista de EBD para os adultos da Editora Cristã Evangélica. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador.
This entry was posted in Mensagens Expositivas em 1ª João. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.