Cristo, o Verdadeiro Deus e a Vida Eterna – 9ª Mensagem

Cristo e aqueles que Dele são nascidos

1Jo 2.28 – 3.6

[audio:http://ubuntuone.com/4NNuzttscvuzUyHHirVWxa]

Começamos hoje a quarta parte dessa carta, que vai de 2.28 – 3.24 cujo assunto é Cristo é quem nos faz filhos de Deus.

Temos asseverado repetidamente que nem todos são filhos de Deus, mas, somente aqueles que pela fé receberam a Cristo como seu Salvador e Senhor pessoal. Não há outra forma ou meio de nos tornarmos filhos de Deus a não ser por Cristo. Cristo é o Filho Unigênito de Deus, logo, todos os que estão em Cristo são transformados em filhos de Deus por adoção. O ponto central desse trecho é o Cap.3.1, que nos mostra que Deus, em Cristo, nos fez filhos Dele. Que grande amor Deus nos demonstra!

Algo muito importante que tem sido deixado de lado em muitas igrejas é a necessidade do Novo Nascimento. As pessoas têm sido convidadas para virem a Cristo e receberem Suas bênçãos, mas, não são mais desafiadas ao novo nascimento. Elas precisam saber que se não nascerem de novo não poderão entrar no Reino dos Céus. É preciso morrerem para si mesmas e nascerem para a vontade de Deus.

Na primeira mensagem dessa parte da carta veremos Cristo e aqueles que Dele são nascidos. Em outras palavras veremos como é a identidade daqueles que são filhos de Deus.

 

1)  Quem nasceu de Cristo permanece Nele (2.28, 3.6)

Observe o que dizem 2.28 e 3.6. Ambos os versos têm como ponto central o permanecer em Cristo. Sim, devemos permanecer, ficar em Cristo. O v.28 fala do futuro, enquanto que o v.6 aponta para o presente. Devemos permanecer em Cristo para que “quando ele se manifestar tenhamos confiança e dele não nos afastemos envergonhados na sua vinda”. João sempre se reporta ao Dia do Juízo mostrando que para aqueles que estão em Cristo não há razão para temer esse dia (cf. 5.17), e isto porque quem está em Cristo vive confiante em Sua Graça e Misericórdia. A palavra “confiança” aqui no v.28 no grego é parrhsi,a. Essa palavra tem o sentido de “liberdade para falar”. Originalmente, apontava para a amizade entre o escravo e seu senhor que dava ao escravo a liberdade para falar o que quisesse ao seu senhor sem ter medo de sofrer alguma punição. Não precisamos ter medo do Dia do Juízo final se estivermos em Cristo.

É comum ouvirmos as pessoas dizerem: “Bem, vou aproveitar a minha vida, e quando estiver mais velho então me dedicarei a Cristo”. Tais pessoas zombam de Cristo quando falam assim. Em 3.6 João nos mostra que estar em Cristo não é coisa só para o futuro, para o Dia do Juízo, mas, sim, algo já no presente, por meio de um viver santo e reto aos olhos de Deus: “Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu”. Preste atenção, se você não vive hoje na presença de Cristo de forma santa e agradável a Ele, não tem porque ter qualquer segurança de que no Dia do Juízo você não sofrerá nenhum dano. Pelo contrário, o que deve estar em seu coração é um pavor, um terror indescritível.

2) Quem nasceu de Cristo pratica a justiça e não o pecado (2.29, 3.4,5)

Como vimos quem vive na prática do pecado e não luta contra as mais variadas formas de pecado presentes em seu coração, não está em Cristo.

Quem, porém, luta contra o pecado em seu coração, ainda que vez ou outra acabe caindo em um pecado, este demonstra que nasceu de Cristo, ou seja, passou pelo novo nascimento.

No v.29 vemos algo muito comum, a saber, as pessoas admiram a Cristo, reconhecem-No como Justo. Mas, isso não basta. É imprescindível que as pessoas não somente reconheçam que Cristo é Justo, mas, além disso devem também reconhecer que precisam da Justiça Dele. Por isso “todo aquele que pratica a justiça é nascido Dele”. Em outras palavras, somente quem foi justificado por Cristo, quem nasceu Dele, age como Ele.

Porém, “aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei” (v.4). O verbo praticar aponta para “fazer continuamente”. A prática constante da justiça demonstra que a pessoa foi justificada por Cristo; a prática constante do pecado demonstra que a pessoa ainda é escrava do pecado. O pecado é “transgressão da lei”, ou seja, rebeldia contra a Lei de Deus. O pecado é a satisfação da minha vontade; a obediência à Lei de Deus é a satisfação da vontade de Deus. É por isso que afirmamos que a verdadeira conversão é demonstrada quando a minha vontade é colocada como serva e submissa à vontade de Deus.

Deus quer que você lute contra o pecado, mas, não quer que você lute com suas próprias forças, mas, sim, no poder de Cristo: “Sabeis também que ele se manifestou para tirar os pecados, e nele não existe pecado” (v.5). Somente Aquele que não tinha pecado poderia morrer no lugar dos pecadores.

Praticar a justiça é muito mais do que fazer coisas certas; é depender somente da Justiça de Cristo porque Ele é “o Justo” (1.9; 2.1,29). Somente a justiça de Cristo é capaz de agradar a Deus.

3) Quem nasceu de Cristo tem a bendita esperança (3.1-3)

No v.1 vemos o grande amor de Deus por nós “a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus”. Uma das provas mais concretas disso está no fato de que estamos em franca oposição ao mundo. Já vimos que o mundo aqui é o sistema pecaminoso que se opõe à Palavra de Deus (2.15-17). Os filhos de Deus têm o caráter de Cristo; os filhos das trevas são dominados pelo pecado. Um causa repulsa no outro. O mundo se coloca em oposição a nós porque não conhece a Cristo. Agora, eu lhe pergunto: você está confortável neste mundo? O mundo se sente confortável com a sua presença? Crente que não incomoda o mundo e não se sente incomodado pelo mundo deve rever urgentemente sua fé.

Não se deixe levar pelos encantos deste mundo. Não alimente esperança de dias melhores neste mundo. É claro que você não deve ser indiferente à injustiça praticada, ao pecado que escraviza e destrói vidas. O que estou dizendo aqui é que sua esperança não está em dias melhores aqui, mas, sim, na Glória Eterna.

O crente encara o futuro com base na promessa de Deus. Seremos glorificados, ou seja, receberemos um corpo glorioso semelhante ao de Cristo na Sua glória (Fp 3.21). Se aqui nosso corpo se corrompe com o tempo, sofre os efeitos danosos do pecado, nada disso pode ser comparado com a glória que nos aguarda. Você consegue ver e ter esperança mais bela, mais preciosa do que esta?

Esta esperança nos diz João, é purificadora: “E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro”. Ele não está dizendo que a obra de purificação do nosso coração é feita por nosso esforço pessoal. Antes, esta esperança está Nele. O que João está dizendo aqui, é que quem permanece em Cristo permanece puro. A esperança da glória, o desejo de estar com Cristo nos céus nos leva a amá-Lo cada vez mais, e quanto mais amarmos a Cristo tanto mais nos afastaremos do pecado e permaneceremos puros. Invertendo essa lógica, entendemos que quanto mais nos apegarmos às coisas desse mundo, tanto mais nos aprisionaremos no pecado e na impureza. É o que o Senhor Jesus disse: porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração” (Lc 12.34).

Onde está o seu coração? Você tem caído constantemente nos mesmos pecados? Isso é prova de que seu coração está mais ligado às coisas desse mundo do que nas de lá do alto. A vitória sobre o se dá quando o seu coração se submeter à vontade de Deus, quando você levar a sério seu novo nascimento em Cristo, afinal, quem é nascido Dele não continua praticando o pecado, mas, em vez disso, luta contra ele e dele se afasta.

O que Deus quer você faça

1)      Nasça de novo: Se você ainda não nasceu de novo você está caminhando para o inferno. Não há para você qualquer esperança nesta vida ou na eternidade; você ainda é um inimigo de Deus.

2)      Permaneça em Cristo: Se você já nasceu de novo, não se esqueça de quem você é. Você é filho de Deus e tem como único objetivo nesta vida honrá-Lo em todas as situações. Mas, não se esqueça que não é a sua justiça própria que lhe dá segurança diante de Deus, mas, somente a de Cristo.

3)      Focalize na Glória Eterna: Você foi transformado em filho de Deus para viver eternamente com Ele. Neste mundo você é um transeunte incômodo e incomodado.

 

Conclusão

Só tem a certeza da Vida Eterna no futuro aquele que a tem já no presente.

Rev. Olivar Alves Pereira

São José dos Campos, 16/06/2013

 

 

 

 




About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Teólogo, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea, Ética e História Bíblica, História e Teologia da Igreja, Educação Cristã e Teologia Sistemática, Sociologia e Ensino Religioso em seminários e escolas na região do Vale do Paraíba, também escreveu lições para a revista de EBD para os adultos da Editora Cristã Evangélica. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador.
This entry was posted in Mensagens Expositivas em 1ª João. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.