ESTRANHA SAUDADE

Rev. Olivar Alves Pereira

“Depois, revestido este meu corpo da minha pelo, em minha carne verei a Deus. Vê-lo-ei por mim mesmo, os meus olhos o verão, e não outros; de saudade me desfalece o coração dentro de mim” (Jó 19.26-27).

Jó estava todo carcomido por feridas, da planta dos pés ao alto de sua cabeça (Jó 2.7). Havia perdido tudo, seus bens materiais, seus filhos; só lhe restara sua mulher que falava como uma doida aconselhando-o a amaldiçoar a Deus e morrer (Jó 2.8,9), e seus amigos, Elifaz, Bildade, Zofar e o retardatário Eliú que aparece somente no Cap.32. Todos eles acusando Jó de algum pecado não confessado que teria causado o seu sofrimento como um castigo de Deus.

Em meio a tudo isso, Jó não somente não negou a Deus e blasfemou contra Ele, como ainda reafirmou a sua confiança e esperança em Deus.

A versão da Bíblia, Almeida Revista e Atualizada descreve o sentimento que Jó trazia em seu coração para com Deus como “saudade”. Ele declarou que cria que haveria de ser restaurado fisicamente por Deus, e suas palavras no v.26, inspiradas pelo Espírito Santo apontam para uma das mais importantes doutrinas da Fé Cristã, a saber, a doutrina da Ressurreição Geral que ocorrerá no Dia da Volta de Cristo. Já o v.27 Jó descreve essa estranha saudade que sentia em relação a Deus.

Sim, era uma saudade estranha, porque só podemos sentir saudades de quem ou do que conhecemos. Como poderia sentir saudades de Deus e dos céus se não os conhecia? Dessa forma, este versículo (assim como Ec 3.11) nos mostra que o homem foi criado para algo infinitamente maior que ele, com o qual ele pode ser plenamente satisfeito, a saber, a Glória Eterna. O estranho vazio, a estranha saudade que nos faz sentir a falta de algo que não podemos encontrar nesta vida, pois, nada neste mundo é capaz de tornar plenamente feliz o nosso coração, exceto algo que está acima dele, ou seja, a Glória Eterna.

C. S. Lewis disse que “se eu percebo que coisa alguma neste mundo é capaz de me tornar plenamente feliz, só posso concluir que está fora dele esse algo que procuro”.

A saudade que Jó sentia de Deus mesmo sem conhece-Lo, esse vazio que sentimos no coração em relação aos esplendores desse mundo, são pistas que Deus deixou de Si em nosso coração, para que nos movêssemos procurando-O, até que Ele Se permitisse ser encontrado por nós (cf. Jr 31.3).

Desista de buscar a plena felicidade nas coisas deste mundo, e concentre-se em Deus. Tenha-O como  alvo do seu coração, o anseio único de sua alma com o qual coisa alguma mais concorra e dispute. Deleite-se em Deus (Sl 37.3-7).

O coração que se deleita Deus não sente falta de mais nada. Que essa estranha saudade que tomou conta do coração de Jó também tome o nosso coração todos os dias.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Teólogo, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea, Ética e História Bíblica, História e Teologia da Igreja, Educação Cristã e Teologia Sistemática, Sociologia e Ensino Religioso em seminários e escolas na região do Vale do Paraíba, também escreveu lições para a revista de EBD para os adultos da Editora Cristã Evangélica. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou de Direita Conservadora.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico, Confessionalidade Presbiteriana Puritana. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *