ESTRANHA SAUDADE

Rev. Olivar Alves Pereira

“Depois, revestido este meu corpo da minha pelo, em minha carne verei a Deus. Vê-lo-ei por mim mesmo, os meus olhos o verão, e não outros; de saudade me desfalece o coração dentro de mim” (Jó 19.26-27).

Jó estava todo carcomido por feridas, da planta dos pés ao alto de sua cabeça (Jó 2.7). Havia perdido tudo, seus bens materiais, seus filhos; só lhe restara sua mulher que falava como uma doida aconselhando-o a amaldiçoar a Deus e morrer (Jó 2.8,9), e seus amigos, Elifaz, Bildade, Zofar e o retardatário Eliú que aparece somente no Cap.32. Todos eles acusando Jó de algum pecado não confessado que teria causado o seu sofrimento como um castigo de Deus.

Em meio a tudo isso, Jó não somente não negou a Deus e blasfemou contra Ele, como ainda reafirmou a sua confiança e esperança em Deus.

A versão da Bíblia, Almeida Revista e Atualizada descreve o sentimento que Jó trazia em seu coração para com Deus como “saudade”. Ele declarou que cria que haveria de ser restaurado fisicamente por Deus, e suas palavras no v.26, inspiradas pelo Espírito Santo apontam para uma das mais importantes doutrinas da Fé Cristã, a saber, a doutrina da Ressurreição Geral que ocorrerá no Dia da Volta de Cristo. Já o v.27 Jó descreve essa estranha saudade que sentia em relação a Deus.

Sim, era uma saudade estranha, porque só podemos sentir saudades de quem ou do que conhecemos. Como poderia sentir saudades de Deus e dos céus se não os conhecia? Dessa forma, este versículo (assim como Ec 3.11) nos mostra que o homem foi criado para algo infinitamente maior que ele, com o qual ele pode ser plenamente satisfeito, a saber, a Glória Eterna. O estranho vazio, a estranha saudade que nos faz sentir a falta de algo que não podemos encontrar nesta vida, pois, nada neste mundo é capaz de tornar plenamente feliz o nosso coração, exceto algo que está acima dele, ou seja, a Glória Eterna.

C. S. Lewis disse que “se eu percebo que coisa alguma neste mundo é capaz de me tornar plenamente feliz, só posso concluir que está fora dele esse algo que procuro”.

A saudade que Jó sentia de Deus mesmo sem conhece-Lo, esse vazio que sentimos no coração em relação aos esplendores desse mundo, são pistas que Deus deixou de Si em nosso coração, para que nos movêssemos procurando-O, até que Ele Se permitisse ser encontrado por nós (cf. Jr 31.3).

Desista de buscar a plena felicidade nas coisas deste mundo, e concentre-se em Deus. Tenha-O como  alvo do seu coração, o anseio único de sua alma com o qual coisa alguma mais concorra e dispute. Deleite-se em Deus (Sl 37.3-7).

O coração que se deleita Deus não sente falta de mais nada. Que essa estranha saudade que tomou conta do coração de Jó também tome o nosso coração todos os dias.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico, Confessionalidade Presbiteriana Puritana. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.