JUSTIFICATIVAS OU JUSTIFICAÇÃO?

Por Olivar Alves Pereira

Você sabe qual a diferença entre justificativa e justificação? Ambas são ações que têm algo em comum: extinguir a culpa. Mas, as semelhanças param aqui.

             A justificativa é a tentativa da pessoa em declarar-se inocente e em recusar ser considerada culpada de algum erro cometido. A pessoa que manipula os outros diz: “Eu fiz isso porque eu fui forçado; não tenho culpa”; o viciado diz de seu vício: “Eu não pude resistir isso porque é mais forte que eu; não tenho culpa”. A frase clássica do que busca justificar-se é “Eu não tenho culpa”. Ele não somente se vê como inocente, como até mesmo se vê como vítima. Adão e Eva quando confrontados por Deus fizeram justamente isso. Leia Gn 3.12-13.

             A justificação é a ação de alguém que tem a autoridade para declarar perdoado o culpado. A justificação não diz que o culpado é inocente e que não tem culpa de ter cometido o erro, mas, sim diz que o culpado está perdoado das consequências que deveria sofrer por causa do erro cometido. Foi exatamente isso que Cristo fez por nós na cruz. Ele declarou por meu de Seu precioso sacrifício que estamos perdoados diante de Deus e por Ele. A frase clássica daquele que é justificado por Cristo é “Eu sou um pecador e mereço a condenação de Deus; eu sou culpado” (Sl 51.4-5).

Deveríamos pagar pelos nossos pecados morrendo por causa deles. Mas, Cristo, para a glória de Deus e por amor a nós, assumiu a nossa condenação, ou seja, levou sobre Si a nossa culpa e colocou sobre nós a Sua justiça (Rm 4.23-25), tal como mendigos cobertos com trapos imundos que para serem recebidos numa festa precisam de roupas adequadas e de um bom banho, e alguém então lhes proporciona essas roupas e esse banho a fim de remover toda a imundícia deles, a fim de serem aceitos na festa. Cristo, a fim de admitir-nos à presença do Pai, lavou-nos com Seu precioso sangue e revestiu-nos de Sua justiça, de sorte que Deus, ao olhar para nós, vê Jesus em nós, e assim nos tornamos, por meio de Cristo, aceitáveis a Deus (Rm 3.21-26).

Quando alguém se justifica, demonstra que sua confiança está em si mesmo, e que tem a falsa ideia de que merece ser inocentado; mas quem foi justificado por Cristo, demonstra que sua confiança e esperança está somente em Deus apesar de não merecer.

             A justificativa nada mais é do que o orgulho e arrogância  do homens se expressando e não admitindo sua miserabilidade; a justificação leva à rendição diante de Deus, à gratidão por Seu amor ter sido derramado em seu coração conferindo-lhe uma nova natureza, a qual é santa e própria para estar diante de Deus.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Teólogo, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea, Ética e História Bíblica, História e Teologia da Igreja, Educação Cristã e Teologia Sistemática, Sociologia e Ensino Religioso em seminários e escolas na região do Vale do Paraíba, também escreveu lições para a revista de EBD para os adultos da Editora Cristã Evangélica. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou de Direita Conservadora.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *