O dia em que a Psicologia concordou com a Bíblia

“Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão” (Lucas 21.33).

A Palavra de Deus é eterna. O céu, a terra, a história, o homem, tudo passa, mas, a Palavra de Deus permanece para sempre. As civilizações vêm e vão, mas, o Senhor Deus tem a Sua Palavra estabelecida para sempre. 

O conhecimento humano varia de um tempo para outro, e sempre está sendo revisto e mudado conforme as descobertas científicas provam que as afirmações anteriores não passam de suposições e teorias. Enquanto isso, a Palavra de Deus rasga os séculos e em meio ao turbilhão de confusões dos homens, ela não muda.

Aqui eu quero tomar como exemplo o homossexualismo. A Palavra de Deus sempre condenou o homossexualismo por ser um pecado abominável a Deus. Veja por exemplo, os seguintes textos:

Levítico 18.22: “Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação“.

Romanos 1.26,27: “Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro”.

1Coríntios 6.9,10: “Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus”.

1Timóteo 1.9-11: “tendo em vista que não se promulga lei para quem é justo, mas para transgressores e rebeldes, irreverentes e pecadores, ímpios e profanos, parricidas e matricidas, homicidas, impuros, sodomitas, raptores de homens, mentirosos, perjuros e para tudo quanto se opõe à sã doutrina, segundo o evangelho da glória do Deus bendito, do qual fui encarregado”.

Nestes dois últimos, vemos que o homossexualismo (descrito aqui como “sodomia”) é tão abominável a Deus quanto qualquer outro pecado.

Segundo a definição que a Bíblia dá para o homossexualismo ele é um pecado, e as definições que a Bíblia dá para o pecado (“transgressão da Lei”, “errar o alvo”, “iniquidade”) apontam para o fato de que pecado é a “guerra da minha vontade contra a Vontade de Deus”. Toda vez que eu peco estou deixando de fazer a vontade de Deus para fazer a vontade da carne. “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne” (Gálatas 5.16). Agora observe como o homossexualismo segue a lógica bíblica.

Durante séculos o homossexualismo era tido como pecado porque a Igreja dizia isto com base nas Escrituras Sagradas. Com o surgimento das “ciências” humanistas que buscam entender a mente humana, o homossexualismo passou de pecado para uma doença e por um bom tempo ele assim foi visto. Desde 1973 a Associação Americana de Psiquiatria não mais o considera uma doença. A Associação Americana de Psicologia adotou a mesma postura a partir de 1975. Em 1985 foi a vez do Brasil por meio do Conselho Federal de Psicologia. Desde então promoveram-no ao status de orientação sexual porque creem que a homossexualidade é uma das três categorias de expressar a sexualidade (as outras duas são a bissexualidade e a heterossexualidade). Em nossos dias a coisa se escancarou de vez e o que temos ouvido por aí é que homossexualismo é questão de “opção sexual”, ou seja, a pessoa escolhe que tipo de relacionamento sexual terá. Os psicólogos atestam que o termo “orientação sexual” é mais apropriado porque no caso de crianças pequenas, elas ainda não tem a capacidade de escolherem qual sexo quererão. Mas, no caso de adultos que de uma hora para outra resolvem optar pelo homossexualismo ou bissexualismo, trata-se de uma questão de vontade.

Assim sendo, inevitavelmente, a Psicologia dobra os seus joelhos (ainda que não admitirá) à Palavra de Deus que afirma que o homossexualismo (ou qualquer outra forma pervertida de relacionamento sexual) é pecado, porque o pecado é uma questão de vontade (a vontade do homem versus a Vontade de Deus).

Deixando de lado a questão do homossexualismo que aqui foi tomada só como um exemplo, chamo sua atenção para o fato de que a Palavra de Deus não muda apesar do homem rechaçá-la e recusar-se submeter à Sua autoridade.

É por isso que eu não troco a Palavra de Deus pela Psicologia ou qualquer outra disciplina que tente explicar a mente humana. A Palavra de Deus é eterna enquanto que a sabedoria humana mal suporta a sua própria geração sem ser contrariada por outra teoria.

A Palavra de Deus permanece estabelecida enquanto a sabedoria humana se evapora no calor tensões da História. A Palavra de Deus não se contradiz; o que ela disse ontem, é confirmado hoje e o será por toda eternidade; a sabedoria humana por sua vez não se sustenta de uma geração a outra.

Guie o seu coração pela bússola eterna da Palavra de Deus!

 Rev.Olivar Alves Pereira

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Apologética. Bookmark the permalink.

2 Responses to O dia em que a Psicologia concordou com a Bíblia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.