O MEDO DA REJEIÇÃO E A CRIAÇÃO DE FILHOS

O menino de cinco anos é atrevido, desordeiro, responde aos pais (geralmente gritando), afronta-os e se nega veementemente a obedecer-lhes. Os pais desse menino por sua vez, falam com ele como se fosse um bebezinho de um ano com todo aquele linguajar no melhor estilo “Cebolinha” (trocando “R” por “L”), demonstrando não somente falta de autoridade sobre o menino, mas, também medo de que o menino esturre como um leão sobre eles.

Uma adolescente trancada em seu quarto (que por sinal está uma bagunça), com o fone de ouvidos no último volume, não ouve quando a mãe lhe chama. Esta, por sua vez, mesmo irritada com a situação ao se dirigir ao quarto da filha depara-se com uma placa na porta: “Não entre sem permissão”. E o pior, a mãe respeita a placa.

Se formos a fundo nesses dois casos veremos algo em comum: em ambos os casos os pais têm medo de confrontar seus filhos em seus erros porque têm medo de que seus filhos os rejeitem como pais. Aí surge aquela caricatura de pais, na qual estes pais dizem para todos, que, agem assim, para não perderem a amizade de seus filhos, afinal de contas, eles são os melhores amigos que seus filhos têm. Eu me pergunto: a quem eles estão tentando enganar? A si próprios ou aos outros?

É claro que como pais devemos ser amigos de nossos filhos, mas, uma amizade verdadeira entre pais e filhos reconhece o respeito e a autoridade. O respeito é uma via de mão dupla. Tanto pais quanto filhos devem se respeitar. Em Efésios 6.1-3 está escrito: “Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra”. e no mesmo texto no v.4 lemos: “E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor”. Leia ainda Colossenses 3.21: “Pais, não irriteis os vossos filhos, para que não fiquem desanimados”. Uma das principais maneiras dos pais (no grego, a palavra “pais” é “patéres”, ou seja, os homens especificamente), é mostrando-se frouxos, temerosos e omissos. Isso irrita e desanima a esposa que precisa que seu marido seja firme, mas, quando ele não é, então, ela assume o comando da casa – nada pode ser mais covarde e desasteiso para a mulher do que essa atitude frouxa do marido .

Os filhos precisam ver que seus pais são a autoridade primeira em suas vidas depois de Deus. Eles precisam saber que a autoridade dos pais os protege para que possam crescer saudáveis e seguros. Eles precisam entender que a vida em sociedade depende dessa estrutura e ninguém pode viver sem estar sujeito às autoridades. Mas, é em casa que a criança tem o primeiro contato com a autoridade.Quando em casa ela não o tem, fatalmente será uma criança problemática na escola, na igreja e em outros grupos onde ela terá que conviver com outras pessoas.

Os pais precisam entender que pôr limites aos filhos não é de forma alguma uma tarefa fácil, mas, o quanto antes começarem a fazer melhor será. Os pais que julgam o exercício da autoridade uma forma de tolher, “castrar” (como dizem por aí) a criança, estão se comportando exatamente igual aos seus filhos rebeldes, pois, estão recusando-se a obedecer à Palavra de Deus que ordena aos pais que criem seus filhos dentro destes princípios. Tais pais que têm medo de serem rejeitados por seus filhos ignoram suas realidades: (1) estão eles próprios rejeitando a Autoridade da Palavra de Deus, e (2) ao criarem seus filhos sem limites, não lhes ensinam os limites do amor e cuidado, e por isso mesmo estes pais serão aqueles pais abandonados e esquecidos num asilo na velhice porque seus filhos que foram criados para serem o centro das atenções irão dizer: “Não tenho tempo para ir ver meus pais. Tenho mais o que fazer. Sou muito ocupado”. Rejeitados hoje, rejeitados no futuro.

Eu vim de uma criação puxada. Meus pais me ensinaram desde cedo a responsabilidade do trabalho, da administração dos meus recursos e tempo, mas, especialmente, o temor do Senhor Deus. O mesmo eles fizeram com meus cinco irmãos. Sito meus pais aqui como exemplo não porque “deu certo” com eles, mas, porque eles seguiram a Palavra de Deus ao criar-nos. Confesso que não entendia muito bem essas coisas quando criança, e, até mesmo cheguei a ficar irado com eles muitas vezes. Mas, hoje, ao olhar para trás vejo que estavam certos, e louvo muito a Deus porque eles ousaram “falar mais grosso” que eu, me colocando no meu lugar. Também lamento às vezes que os desobedeci, não somente pelos frutos amargos que colhi, mas, principalmente por ter magoado a estes dois servos de Deus. Eles me amavam, e por isso mesmo foram firmes comigo.

Por fim, quero encorajar aos pais que estiverem lendo estas palavras e que estiverem enfrentando dificuldades com seus filhos. Quero lembra-los:

1) Pior que ser rejeitado por qualquer ser humano (mesmo nossos filhos) é ser reprovado por Deus;

2) A forma como você educa seus filhos deve ser uma cópia fiel da forma como Deus educa você;

3) Não tenha medo de exercer a autoridade que Deus lhe deu; tão somente, tenha a preocupação de fazê-lo dentro dos moldes da Palavra de Deus;

4) Confie na Palavra de Deus. Você não encontrará “manual” mais perfeito que ela. De tempos em tempos os especialistas dessa área estão revendo e revisando suas teorias porque entenderam que estavam errados. Isso nunca aconteceu e acontecerá com a Palavra de Deus!

Que Deus o abençoe na mais importante tarefa de sua vida: conduzir seus filhos a serem verdadeiros adoradores do Senhor Jesus!

Rev. Olivar Alves Pereira

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Teólogo, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea, Ética e História Bíblica, História e Teologia da Igreja, Educação Cristã e Teologia Sistemática, Sociologia e Ensino Religioso em seminários e escolas na região do Vale do Paraíba, também escreveu lições para a revista de EBD para os adultos da Editora Cristã Evangélica. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou de Direita Conservadora.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico. Bookmark the permalink.

8 Responses to O MEDO DA REJEIÇÃO E A CRIAÇÃO DE FILHOS

  1. Patrícia says:

    Pr Deus continue abençoando! Palavras de Deus aos pais.

  2. Adriano says:

    Deus pode até matar, que se quiser, depois Ele pode trazer á vida, os pais NÃO. ÀS vezes o problema não está na mensagem, mas na forma como é anunciada. Na Palavra de Deus, o apóstolo diz para os ouvintes, que os pais deles os educavam ao modo deles, porém Deus faria para o proveito de cada um.

  3. Adriano says:

    Lamento, mas achei o conteúdo um tanto quanto tendencioso !! Falar que nós somos hoje, fruto do ensino que tivemos no passado, não é uma verdade absoluta, pois Salomão foi um jovem temente á Deus, mas na sua velhice abandonou o Senhor, e seguiu a influência de suas mulheres, sabendo que eram estranhas a fé, e as coisas que Salomão fez foram bizarras !!! Leiam o livro de Reis, é vejam a prova do que eu disse, o capítulo me foge a memória !!

    • Olivar Alves Pereira says:

      Observe que o que proponho no meu texto, não é um “faça isso que acontecerá isso”. Não.
      O que estou ressaltando ali é o dever que CADA UM tem diante de Deus: os pais no tocante à criação dos filhos, e os filhos no tocante a praticarem o ensinamento bíblico que seus pais lhe deram.
      Sobre ser tendencioso, você está coberto de razão, e eu não escondo isso e nem me envergonho disso. A “tendência” que tenho aqui, é para a Palavra de Deus. Sigo esse “manual”. Logo, todas as minhas ideias aqui são baseadas na Palavra de Deus.
      E você, em que se baseia? haja vista que critica a minha “tendência”.

  4. Adriano says:

    Afirmar que um homem é fruto daquilo que se aprendeu no passado, é construir uma ideia sobre a areia, digo isso porquê Davi foi um jovem valente, na sua mocidade adorou ao Senhor, mas depois de rei, foi capaz de adulterar com Batseba, e o que dizer do rei Salomão? Este também serviu a Deus na sua mocidade, foi tido como o rei mais sábio, mas depois de velho, abandonou o SENHOR, para seguir os caprichos de mulheres estranhas a fé (IReis 11) !!

    • Olivar Alves Pereira says:

      Você ignora o elemento “conversão a Cristo” presente em meu argumento. Pessoas mudam constantemente. Muitas vezes para pior. A única mudança (transformação) do caráter para melhor só é possível mediante a conversão a Cristo. Mas isso não exime os pais da responsabilidade de direcionar seus filhos para Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *