O pecado da murmuração

“Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem” (Efésios 4.29).

Sempre que se fala sobre os pecados que cometemos com o mau uso da língua (palavras) começamos pela mentira, depois, pela falsidade, fofoca, palavrões, e lá, bem no final da lista (se lembrarmos) entra a murmuração.

O que é a murmuração?

O ato de ficarmos reclamando das coisas, pessoas ou situações, recebe o nome de murmuração. Ela tanto pode ser expressa em voz alta (gritos, xingamentos, etc.) como balbuciada, resmungada. A murmuração é  pecado porque mostra o nosso descontentamento com aquilo que Deus está fazendo em nossa vida. Não reclamamos dos nossos pecados, pelo menos não da mesma forma que fazemos dos pecados dos outros.

No que a murmuração ofende a Deus?

Obviamente, por ser pecado; só isso já é suficiente. Porém, por ser a murmuração a demonstração do nosso descontentamento com o que Deus está fazendo em nossa vida, demonstramos não conhecer a Deus e muito menos mostrar às outras pessoas como Ele é maravilhoso. Em vez disso, julgamos que somos merecedores de “algo melhor”, e demonstramos nossa ingratidão a Deus pelo cuidado que Ele tem tido conosco. A murmuração é, portanto, um ato que depõe contra Deus chamando-O de mentiroso quando Ele diz que cuida de nós.

O que acontece quando murmuramos?

Além de depormos contra Deus, chamando-O de mentiroso, e isso traz confusão às pessoas, quando murmuramos também nos prendemos num ciclo pecaminoso e desastroso, porque a murmuração só traz mais azedume para o nosso coração.

Palavras cheias de murmuração brotam de corações amargos e amargurados, pois “a boca fala do que está cheio o coração” (Lucas 6.45).

Quando murmuramos (expressamos nossa amargura) afetamos aqueles que estão ao nosso redor:

-pais que murmuram por causa do comportamento de seus filhos, em vez de ajudá-los a viverem para a glória de Deus, promovem mais desânimo em seus corações (Colossenses 3.21);

– cônjuges que vivem murmurando um do outro matam quaisquer sentimentos bons que lutam por aflorar no dia a dia (1Pedro 3.1-7);

– membros que murmuram a respeito da sua igreja, não só passam a vê-la com desprezo como se julgam bons demais para frequentarem-na. Além disso se esquecem de que estão falando mal da “Noiva de Cristo” por quem Ele Se entregou (Efésios 5.25-28).

A Bíblia narra a história do povo hebreu que foi conduzido por Moisés no deserto. O povo murmurou porque teve sede (Êxodo 15.24); murmurou por que teve fome (Êxodo 16); murmurou novamente porque estava com sede (Êxodo 17), e o resultado disso foi que Deus os castigou fazendo com que enquanto aquele geração mais velha não morresse, o povo não entrasse na terra prometida.

Como vencer o pecado da murmuração?

Sempre busque o poder de Deus que está à sua disposição para enfrentar qualquer pecado (1coríntios 10.13). Todas as vezes que pecamos ou foi porque quisemos fazer a nossa vontade em vez da de Deus, ou porque mesmo querendo fazer a vontade de Deus não lançamos mão do Seu poder que Ele nos concede para vencermos o pecado.

Cuide do que entra em seu coração, só assim sairá da sua boa aquilo que será edificante. O Senhor Jesus mesmo nos mostrou que não é o que entra pela boca (referindo-se a alimentos) que contamina o homem, mas, sim, o que sai (Mateus 15.18), isto é, palavras que não estão conformes o padrão bíblico. Mas, como saber se uma palavra será edificante? Basta vermos a sua necessidade e se ela está transmitindo graça (de Deus) aos que a ouvem.

O “novo” Israel com os velhos pecados

Voltando à história do povo hebreu no deserto, com muita facilidade os criticamos, pois, como puderam murmurar tanto uma vez que Deus foi tão bondoso com eles? Porém, o que nos esquecemos é que não somos nem um pouco diferente deles. Temos sido tão abençoados por Deus, nada necessário nos falta, e mesmo assim, ainda reclamamos da vida. Em nada nos diferenciamos dos hebreus no deserto. Ainda vivemos como se Deus nos devesse algum favor.

Lutemos contra a murmuração, resistamos a tentação de murmurar. Em vez disso, exercitemos a gratidão a Deus por tudo o que Ele tem nos feito, e ainda que o que ele estiver fazendo conosco seja dolorido e desconfortável, que lembremos sempre que o que Ele está fazendo em nós é algo maravilhoso (Zacarias 8.6).

Que da nossa boca não saia nenhuma palavra torpe (inútil, sem honra), mas, sim, somente a que glorificará a Deus!

Rev. Olivar Alves Pereira

 

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Reflexão Bíblica. Bookmark the permalink.

9 Responses to O pecado da murmuração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.