Os resultados da confiança em Deus – Sl 3

Quando você diz que confia em Deus, quais são as suas atitudes? Você é daqueles que dizem que confiam em Deus, mas, ao menor apuro entra em desespero? Ou você é daqueles que na mesma hora que diz que confia em Deus sai procurando recursos para com suas próprias mãos resolver o problema? Sem dúvida alguma esse assunto é muito importante e infelizmente, muito mal compreendido e por isso mesmo não é vivido como deveria ser. Quando você confia em Deus de verdade experimenta maravilhosos resultados.

Por isso que meditar com você sobre: Os resultados da confiança em Deus.

O Sl 3 é uma oração que Davi fez quando passou pela terrível situação de ver seu filho Absalão conspirar contra ele para tomar-lhe o trono. Absalão, cujo nome significa “pai da paz” revelou-se um tormento para Davi. Sua índole era rebelde e vingativa. Quando Davi nada fez para punir seu filho Amnom que estuprou sua meio-irmã Tamar, a qual era filha de Davi com a mesma mãe de Absalão, este foi e vingou sua irmã, matando Amnom (2Sm 13). O ódio no coração de Absalão para com seu pai Davi só cresceu e chegou ao ponto dele levantar um tumulto no meio do povo dividindo-o em sua lealdade a Davi.

Não só o reino, mas, a casa de Davi estava dividida por conta da rebeldia de Absalão.

Davi foi informado de que Absalão estava à sua procura para matá-lo e assim tomar-lhe o trono. Junto a Absalão estava numerosa multidão. Foram essas as circunstâncias em que Davi disse as palavras deste salmo.

“Senhor, como tem crescido o número dos meus adversários! São numerosos os que se levantam contra mim. São muitos os que me dizem: Não há em Deus salvação para ele” (v.1,2). Além de ver o povo se levantando contra ele sob o comando de Absalão, Davi ainda ouvia o povo dizer: “Pobre Davi! Nem mesmo Deus poderá livrá-lo de nossas mãos”. Que situação desesperadora!

Mas, no v.3 vemos uma reviravolta na vida de Davi. Ele expressa sua confiança em Deus. Declara que Deus é o seu escudo, ou seja, sua proteção. Davi não confiou no seu palácio ou na sua guarda para defendê-lo. Ele não confiou na sua habilidade de soldado e guerreiro para isso. Antes, ele depositou sua confiança em Deus. A versão da Sociedade Bíblica Portuguesa traduz o v.3 da seguinte forma: Mas tu, Senhor, és o meu escudo protetor; és tu a minha glória e a minha coragem”.

Essa declaração que Davi fez era resultado de sua fé e confiança em Deus, a qual o beneficiou com os seguintes resultados:

 1) Certeza da resposta de Deus, v.4

 “Com a minha voz clamo ao SENHOR, e ele do seu santo monte me responde”.

Deus se importa com Seus filhos. Ele ouve o clamor de seus corações. A ideia de que Deus está no Seu santo monte e de lá responde a nossa oração, não evoca a ideia de distância, mas, sim, de santidade.

Em Is 57.15 lemos: Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos”.

Ao mesmo tempo em que Deus está envolto em Sua glória e santidade, Ele habita com quem está contrito e abatido. Contrição é a atitude de um coração que reconhece não só o seu pecado, mas, principalmente sua dependência de Deus. Tal coração ainda que se sinta abatido experimentará a vida que Deus pode lhe dar.

A certeza de que Deus responde ao seu clamor é resultado da fé e confiança em Seu poder.

Outro resultado que a fé e a confiança em Deus traz ao seu coração

2) Tranquilidade ao seu coração, v.5

“Deito-me e pego no sono; acordo, porque o SENHOR me sustenta”. Quando alguém passa por apuros, ou por alguma dificuldade ou ameaça, uma das primeiras coisas que esse alguém perde é o sono.

Pesquisas indicam que dentre os remédios mais vendidos em nosso país estão os psicotrópicos. Com certeza você conhece alguém que faz uso de remédios para dormir. Distúrbios do sono estão ligados não só a problemas de saúde, mas, também à uma consicência pesada que carrega pecados ocultos e não confessados, à insegurança e incerteza com relação ao futuro.

Conta-se que depois da segunda guerra mundial, num orfanato as crianças estavam passando por dificuldades para dormir. Foi então que um dos resposáveis por elas teve a ideia de lhes dar um pão para segurarem enquanto dormiam. As crianças desde então começaram a dormir tranquilamente. Quando perguntaram àquele que teve essa ideia qual o fundamento da mesma, ele respondeu que durante a guerra, essas crianças passaram muita fome, e várias vezes elas dormiram sem ter o que comer e sem saber se no dia seguinte teriam o que comer. Assim, mesmo depois da guerra ter acabado, elas ainda viviam inseguras com relação ao dia seguinte.

Você constata que realmente confia em Deus quando sente tranquilidade em seu coração mesmo em meio a mais terrível ameaça porque sabe, assim como Davi, que é Deus quem o sustenta.

Isso lembra o que diz o Sl 127.1 e 2: “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam;se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele o dá enquanto dormem”.

A confiança em Deus resulta em outro benefício:

 3) Coragem para agir, v.6

O medo paralisa. Ele faz com que você veja coisas que não existem. Todos nós já experimentamos alguma vez uma dose de medo que nos paralisou. E pode ser que alguma experiência nos marcou tanto que até hoje ainda somos tomados por esse medo.

Davi possivelmente estava olhando do seu palácio para as ruas da cidade, e pode ver o alvoroço causado por Absalão. Ele via os “milhares do povo” tomando posição contra ele de todos os lados da cidade. Ele se viu cercado por todos os lados por seus inimigos. Que visão desesperadora para um mero mortal!

Quantos são os que por não confiarem em Deus recorrem aos espíritos enganadores, aos ímpios que veem no desespero alheio uma oportunidade de lucro. Quantos dão cabo à própria vida por não confiarem em Deus. Mas, quem confia em Deus vence seus medos.

Davi havia tido muitas oportunidades de ver o cuidado de Deus para com ele. Quando era um pastor de ovelhas o Senhor o livrou do urso e do leão que atacavam suas ovelhas; quando o fez derrotar ao gigante Golias; quando o livrou várias vezes das mãos do perverso rei Saul. Davi não confiava em si, mas, em Deus. E foi justamente por ter tido essas experiências de confiança em Deus e de constatar que Ele realmente cuida de Seus filhos que fez com que Davi se sentisse encorajado para fazer o que deveria ser feito.

Por fim, a confiança em Deus resulta em:

4) Esperança na justiça de Deus, v.7 e 8

Em 2Sm 15 vemos que Davi fugiu de Absalão quando soube que este vinha para matá-lo. A quem veja a fuga como um ato de medo e covardia, mas isso não é verdade. Davi estava preocupado com aqueles que estavam com ele, e não queria fazer justiça com as próprias mãos. Em vez disso, ele confia em Deus e pede ao Senhor que vingue seus inimigos.

Alguém pode questionar dizendo: “Mas como pôde Davi abrigar tais sentimentos em seu coração sendo um servo de Deus? Ele não deveria orar pelos inimigos dele como Jesus nos ordena?”. Bem, primeiramente, deve ser visto o contexto em que ele vivia. Era o contexto do “olho por olho, dente por dente”. A regra da “segunda milha” vai aparecer somente nos dias do Novo Testamento. Davi estava agindo conforme a revelação que ele tinha de Deus, e por isso mesmo ele não estava agindo errado. Antes, o que ele fez não foi pedir forças a Deus para com suas próprias mãos fazer justiça, mas, sim, ele entregou a Deus os seus inimigos e ficou aguardando a salvação de Deus.

Como você tem agido em relação aos que estão lhe fazendo mal? Você tem confiado em Deus para tomar conta da situação? Se sim, então você não procurará agir com seus recursos, mas, somente esperará em Deus. Davi tinha todos os recursos à sua disposição, afinal, ele era o rei. Ele poderia ordenar a prisão de Absalão e de todos os rebeldes. Em vez disso, fugiu para salvar a sua vida, a vida de seus leais companheiros e até mesmo a do próprio Absalão, pois, se não houvesse confronto, não haveria morte, como de fato acabou acontecendo.

Conclusão

Confiar em Deus não é só uma declaração da boca para fora. Quando estamos confiando verdadeiramente em Deus temos esses “indicadores” que comprovam essa confiança. Quem confia de verdade em Deus tem certeza de que Ele atende seu clamor, tem tranquilidade em seu coração, tem coragem para agir e esperança na justiça de Deus.

Esses indicadores são encontrados em sua vida?

Rev.Olivar Alves Pereira

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico, Reflexão Bíblica. Bookmark the permalink.

2 Responses to Os resultados da confiança em Deus – Sl 3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.