E daí, profeta? Quem manda é o poeta.

Antes de tudo quero deixar bem claro que o título desse artigo é para chamar a sua atenção. E você verá que eu penso justamente o contrário. 

Há uma música fazendo muito sucesso nas paradas eclesiásticas, na qual um trecho diz o seguinte: “És Deus de perto, e não de longe…”. Quando ouvi essa música pela primeira vez algo me deixou em desconforto. Fui buscar essa passagem na Bíblia e entendi o porque do meu desconforto. Em Jeremias 23.23 Deus faz a seguinte pergunta por boca do profeta: “Acaso, sou Deus apenas de perto, diz o SENHOR, e não também de longe?” (RA).

Conversei com os músicos da minha igreja sobre isso e decidimos em vez de execrar o tal cântico banindo-o para o “rol dos cânticos heréticos”, resolvemos torná-lo concordante com a Bíblia e deixamos ele assim: “És Deus de perto, e também de longe”. Louvo a Deus pelos músicos da minha igreja que além de humildes procuram ser bíblicos também. O mesmo não constatei num outro lugar.

Um dia desses participando de um congresso na cidade de Belo Horizonte, um grupo musical que “dirigiu o louvor” (ato este que prefiro chamar de momento musical para o louvor a Deus, para não reduzir o louvor a Deus somente a canções gemidas, exprimidas, etc) essa música foi cantada como originalmente foi composta. Num momento oportuno procurei aquele grupo e comentei com o líder do mesmo sobre a heresia dessa música. De pronto o que ouvi foi: “Pastor, você não compreendeu o que o poeta quis dizer. Ele quis dizer que Deus é um Deus que está sempre perto de nós”. Eu então respondi: “Então que dissesse somente isso na música. Mas, a partir do momento em que ele fez questão de completar a frase, fez de forma totalmente contrária ao que a Bíblia diz”. Então comentei com ele sobre a mudança que fiz na letra para poder cantar a música sem qualquer problema. Ele com um jeito de quem queria me ver longe dele, mostrando certa impaciência, mas, contendo-se em suas palavras me disse: “Mas, o senhor pediu licença para o poeta? Onde ficou a licença poética, pastor?”. Não acreditando no que eu ouvia retruquei: “Mas, o poeta pediu licença ao profeta para dizer justamente o contrário?”.

E assim, constato que o que importa para muitos é o embalo das canções, é a melodia chorosa e apelativa, o sair tocado nas emoções, mas, não ter suas emoções transformadas e tocadas pelo Espírito Santo. Dessa forma, não importa o que diz o profeta (mesmo falando com autoridade dada por Deus), pois, o que conta para esses tais é o que diz o poeta (endossado pelo fã clube desvairado).

Rev. Olivar Alves Pereira

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Apologética. Bookmark the permalink.

12 Responses to E daí, profeta? Quem manda é o poeta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.