Quem é que deve dar as ordens?

Uma das afirmações mais celebradas em nossos tempos é: “Siga a voz do seu coração, pois, ele sempre sabe  o que é melhor para você”. E por que será que ela é tão celebrada e festejada pelas pessoas? Porque ela vem carregada daquilo que o ser humano mais ama, a saber, nós mesmos.

A tola ilusão de sermos “os senhores do nosso destino”, de sermos independentes e não termos de prestar contas a ninguém, faz com que frases como essa sejam cortejadas pelo nosso coração.

Mas, vejamos qual a “consistência” dessa afirmação diante do que a Palavra de Deus nos diz.

 

O que a Bíblia fala sobre o nosso coração?

O que a Palavra de Deus declara sobre o nosso coração não é nada agradável. Ela o descreve da seguinte forma:

Corrupto e cheios de enganos – “Enganoso   é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?” (Jeremias 17.9).

Fraco – “Quão fraco é o teu coração, diz o SENHOR Deus, fazendo tu todas estas coisas, só próprias de meretriz descarada”

(Ezequiel 17.30).

A sede de todo o mal – “Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias” (Mt 15.19).

De onde procedem guerras e contendas que há entre vós? De onde, senão dos prazeres que militam na vossa carne?” (Tg 4.1).

Deseja o mal continuamente – “Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração” (Gênesis 6.5).

Antes de ser convertido e transformado por Deus é duro como pedra – “Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne” (Ezequiel 36.26).

É idólatra – “Porque rejeitaram os meus juízos, e não andaram nos meus estatutos, e profanaram os meus sábados, pois o seu coração andava após os seus ídolos” (Ezequiel 20.16).

Diante de todas essas descrições do nosso coração é grande prova de loucura obedecer à voz do nosso coração. Então surge outra questão:

A quem devemos ouvir?

Em vez de você seguir à voz do seu coração faça como o salmista que o tempo todo estava dando ordens para o seu coração, ou seja, ele não se deixava levar pelos sentimentos e desejos pecaminosos; em vez disso, ele dizia ao seu coração o que é que ele deveria pensar. Observe os seguintes textos:

Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu” (Salmos 42.5,11; 43.5).  O salmista constata a tristeza de seu coração em face à zombaria dos incrédulos que punham em dúvida o cuidado de Deus em sua vida. Em vez de se revoltar ou murmurar contra Deus, o salmista ordena ao seu coração: “Espera em Deus”.

“SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim.  2 Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo.  3 Espera, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre” (Salmo 131). Neste breve Salmo, Davi faz uma oração humilde a Deus e declara que o seu coração não é soberbo e nem o seu olhar é altivo porque não anda procurando aquilo que é grandioso demais para ele e que o possa envaidecer. Em vez disso, ele ordenou ao seu coração que se calasse e sossegasse tal como uma criança desmamada que procura o colo de sua mãe e nele se aconchega.

“Volta, minha alma, ao teu sossego, pois o SENHOR tem sido generoso para contigo” (Salmo 116.7). Novamente, o salmista ordena ao seu coração que se assossegue no cuidado generoso de Deus para com ele.

Não permita que o seu coração lhe diga quais sentimentos e desejos deverão estar ocupando sua mente, mas, tomando humilde e fielmente a Palavra de Deus em cada situação de sua vida, viva de forma agradável aos olhos de Deus. Em Provérbios 6.20,21 lemos: “Filho meu, guarda o mandamento de teu pai e não deixes a instrução de tua mãe;  21 ata-os perpetuamente ao teu coração, pendura-os ao pescoço”. A atitude de um sábio é atar perpetuamente a sabedoria em seu coração. Em Provérbios 20.5 vemos que o sábio traz o seu coração na presença de Deus e sabe discernir suas mais profundas motivações: Como águas profundas, são os propósitos do coração do homem, mas o homem de inteligência sabe descobri-los”.

Diante de tudo isso fica claro que quem é que manda em nós é Deus, e é à Sua Palavra que devemos dar ouvidos em todas as circunstâncias.

 

Rev. Olivar Alves Pereira 

 

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.