SALVADOR MARAVILHOSO!

Uma das canções que frequentemente entoamos em nossos cultos tem esse título “Salvador Maravilhoso” (música de Gérson Borges). Como é lindo ver a Igreja de Cristo louvando-O pelo o que Ele é. Sim, Jesus Cristo é Maravilhoso!

Ele tem o poder de transformar todas as coisas. Sua vinda ao mundo, quando ainda era um bebezinho, já nos primeiros meses de vida aqui cidades foram transformadas e a reputação das mesmas foi mudada por causa da presença de Jesus. Em Mt 2.13-23, três localidades são um exemplo disso: Egito, Belém e Nazaré. Observe.

O Egito sempre foi associado à escravidão e sofrimento. De lá Deus tirou Israel que era escravo; no Egito muitos hebreus foram assassinados. Muitas lágrimas, muitas dores foram experimentadas ali. Porém, para livrar da ameaça de morte o menino Jesus, Deus ordenou a José que fugisse para o Egito até que Herodes morresse (Mt 2.13-15). E assim cumpriu-se a profecia: “Do Egito chamei o meu Filho”.

Belém de Judá foi onde Jesus nasceu e onde Ele esteve até antes de José leva-Lo para o Egito para protege-Lo de Herodes. Assim, Belém, cujo significado é “casa do pão” entraria de vez para a história como o lugar onde o Pão Vivo dos céus veio ao mundo. Mas, nem sempre foi essa a reputação de Belém. Aqui mesmo em Mt 2.16-19 vemos que Belém era considerada um lugar de morte. A primeira vez que ela é mencionada na Bíblia é Gn 35.19 na ocasião da morte de Raquel, esposa de Jacó. Ali ela foi sepultada. Por isso, séculos depois, Jeremias lança mão da figura da pessoa de Raquel (aquela que tanto queria filhos, e no parto do seu segundo veio a falecer), haveria de chorar de tristeza ao ver (se pudesse, é claro) os jovens e adolescentes de Judá sendo levados para o cativeiro na Babilônia, e outros tantos sendo cruelmente assassinados. Por isso, Mateus associou essa situação à tristeza causada pela matança dos inocentes ordenada pelo perverso Herodes na tentativa de matar o menino Jesus. E assim cumpria-se outra profecia a respeito de Jesus: “Ouviu-se um clamor em Ramá, pranto, choro e grande lamento; era Raquel chorando por seus filhos e inconsolável porque não mais existem” (Mt 2.19). Belém era lugar de morte, mas, com Jesus tornou-se lugar de vida, da Vida Eterna.

Outra cidade é Nazaré. Jesus cresceu em Nazaré (Mt 2.20-23). Esta era uma cidade cuja reputação não era nada boa. Em Jo 1.46, as palavras de Natanael revelam o desprezo por essa cidade “De Nazaré pode vir alguma coisa boa?”. Os motivos desse desprezo nos são desconhecidos. Pode ser que Natanael estivesse questionando o fato de que nenhuma profecia específica relacionava o Messias a Nazaré. Contudo, no v.23 lemos: “para que se cumprisse o que fora dito por intermédio dos profetas: Ele será chamado Nazareno”. Observe que Mateus fala de “profetas” e não de um profeta específico. Quando olhamos as seguintes referências: Sl 22.6-8,13; 69.8,20,21; Is 11.1; 49.7; 53.2,3,8; Dn 9.26, vemos que o Messias seria alguém desprezado pelos homens. Assim, sendo a relação Dele com Nazaré estava estabelecida: ambos eram desprezados pelos homens. Por causa de Jesus, Nazaré não mais seria lembrada como um lugar desprezível, mas, sim, o lugar de onde Jesus Se revelou ao mundo, pois no nome de Jesus estaria Nazaré: Jesus, o Nazareno.

Muito mais poderia ser dito a respeito de do poder transformador de Jesus, tal como é visto nas pessoas que tiveram contato com Ele. Mas, a história continua, porque, há ainda muitos que precisam ser alcançados com o Evangelho e transformados por Jesus. Preguemos o Evangelho; falemos de Jesus.

Rev.Olivar Alves

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico, Reflexão Bíblica. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.