Santificação e Santidade: qual a diferença?

Ouça essa mensagem através do link

[audio:http://www.noutesia.com.br/wp-content/uploads/2012/02/006-Santificação-e-santidade-qual-a-diferença.mp3|titles=Santificação e santidade qual a diferença]

Leia 1Coríntios 1.1-3

Duas palavras que são tidas por sinônimas são: Santificação e Santidade. E embora elas sejam muito parecidas em sua pronúncia e até mesmo na aplicação em nossa vida, elas não são sinônimas e muito menos, seus efeitos são os mesmos. Então, Santificação e Santidade: qual a diferença?

No presente texto, o apóstolo Paulo ao saudar os crentes membros da Igreja Cristã da cidade de Corinto faz a distinção entre Santificação e santidade.

 1) O que é a “Santificação”?

Observe o que Paulo diz: “…aos santificados em Cristo Jesus…” (v.2). O verbo “santificar” no grego é hagiázô e o particípio desse verbo aqui é hegiásmènois e o qual está na voz passiva. Isso indica que é uma ação a qual o sujeito da oração sofre e para a qual ele nada faz ou contribui.

Aqueles crentes que eram a “igreja de Deus” foram santificados por Deus. Não foi algo que eles produziram por seus esforços, mas foi um ato deliberado da vontade de Deus em transformar pecadores indignos em Seus filhos.

Esse mesmo sentido para “santificação” é visto no v.30 deste capítulo, onde Paulo diz: “Mas sois dele, em Cristo Jesus, o qual se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação e redenção”.

Observe que tanto no v.2 como no v.30 essa obra de santificação que Deus realiza nos corações é por meio de Jesus Cristo. Fomos santificados em Cristo Jesus e, Ele é a nossa santificação.

Paulo lembra àqueles irmãos da igreja de Corinto que eles receberam essa bênção de Deus não por merecimento, mas porque Deus assim o quis fazer.

Feito isso ele passa a mostrar

 2) O que é a “Santidade”?

Então ele diz: “…aos (…) chamados para ser santos…”. No grego o que vemos é klhtoi/j a`gi,oij, que literalmente traduzido fica: “chamados (de fato) santos”, ou “chamados efetivamente para ser santos”. E isso quer dizer: “chamados para uma conduta santa, um comportamento que expresse a santificação que Deus lhes conferiu”.

Enquanto a Santificação é um ato da graça Divina em purificar um pecador, a Santidade é o ato de Deus separar para Si esse pecador o qual Ele purificou para o “Seu uso”. Eis o porque o pecador que foi santificado deve continuar vivendo em santidade diante de Deus, pois, é assim que ele cumpre o propósito da Santificação em sua vida.

Contudo, nessa vida de Santidade, a pessoa não luta com seus próprios recursos. Em vez disso, luta com o poder de Deus.

Em seu cerne, tanto a Santificação como a Santidade são obras da graça de Deus no coração da pessoa.

Implicações e aplicações

No que nos implicam essas verdades?

1ª implicação

 Veja bem o final do v.2: “…com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso”.

A Santificação e a Santidade implicam em comunhão com Cristo, o nosso Senhor, e com Sua igreja, o Seu Corpo.

Você foi purificado (santificação) por Deus e separado (santidade) por Ele para viver em comunhão com Ele e com todos aqueles que também receberam essa mesma graça.

2ª implicação

Observe o v.3: “graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo”.

Tanto a Santificação que Deus operou em nosso coração e a Santidade na qual Ele nos preserva resultam em graça e paz.

Pela graça de Deus recebemos tudo quanto necessitamos para um viver que agrada a Deus; e com a Paz de Cristo em nosso coração temos o que necessitamos para um viver de vitória e alegria.

Conclusão

Santificados para viver em santidade. Santificação é Deus nos purificando, e santidade é Deus nos capacitando a nos comportar de modo digno dessa preciosa vocação.

Paulo ao introduzir a sua carta com essas verdades estava chamando a atenção daqueles irmãos para o fato de que como santificados e santos que eram em Cristo Jesus, eles estavam muito aquém do que deveriam na vida cristã. Diversos pecados que iam de um partidarismo arrogante até atos incestuosos dentro daquela igreja, apontavam para o fato de que eles estavam se esquecendo, ou o que é pior, pouco se importando para o fato de que Cristo os santificou e os separou para Si para que eles vivessem de forma digna dessa obra maravilhosa que Deus realizara em seus corações.

Que seguindo a instrução da Palavra de Deus e com o coração cheio de gratidão a Ele por tudo o que Ele realizou e está realizando em nossas vidas, possamos demonstrar a santificação que Deus realizou em nós e a santidade em nosso comportamento mostrando para o que fomos salvos.

Mensagem proclamada na Igreja Presbiteriana no Jardim Sul e no Acampamento das Igrejas Presbiterianas de Itapuca e 5ª IP de Barra Mansa em 20/02/2012

Rev.Olivar Alves Pereira

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Reflexão Bíblica. Bookmark the permalink.

61 Responses to Santificação e Santidade: qual a diferença?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.