SOBRE OS ELEITOS DE DEUS SUICIDAREM-SE

Esse assunto é muito difícil, especialmente porque a raiz arminiana é muito forte, ou seja, a salvação pelas obras grita no argumento que diz: “Alguém que vive na plenitude da comunhão com Cristo jamais cometerá suicídio”. Explico.
Para o arminianismo, pelagianismo, semi pelagianismo e outras correntes doutrinárias que entendem que a salvação acontece TAMBÉM mediante o esforço humano, é impossível que alguém que tenha cometido suicídio alcance a salvação. Para o Calvinismo, é possível que um regenerado e salvo cometa suicídio porque a base da nossa salvação é a Graça de Deus.

Primeiramente, quero dizer que o único pecado imperdoável é a blasfêmia contra o Espírito Santo. O suicídio e nenhum outro pecado, é imperdoável. Mesmo que se entenda o suicídio como “homicídio de si mesmo”, e que a Bíblia diz que os homicidas não herdarão o Reino de Deus, vale lembrar que a Bíblia está falando daqueles que continuam na prática do pecado, e não daqueles que um dia cometeram esses pecados, mas os abandonaram depois de convertidos. Vejam 1Coríntios 6.

O eleito que suicidou-se (e qualquer outro suicida) não se arrependeu de seu suicídio por motivos óbvios – falta de tempo. Mas, é o arrependimento a base da nossa salvação? Não. O arrependimento é resultado da nossa salvação. A base da nossa salvação é a Graça de Deus em escolher-nos. “Ah, pastor. Mas se o arrependimento é resultado da nossa salvação, o suicida não pode mostra-lo, e assim sendo, ele não é salvo”. Será que todos os salvos têm tempo antes da morte de pedirem perdão a Deus? Com certeza, não. Os pecados que eles cometeram e não tiveram tempo de confessa-los são diferentes (menos culpáveis) diante de Deus do que o suicídio? Com certeza, não. Foi pensando que há necessidade de pedir perdão a Deus até o último momento de vida, que o catolicismo inventou a “extrema unção”, para que as pessoas possam receber o perdão divino, e na possibilidade de alguém não ter conseguido se confessar em vida, vêm as missas em favor dos mortos para que a passagem deles pelo purgatório seja abreviada. Quão distante do Evangelho da Graça de Deus tudo isso está!

Por fim quero deixar bem claro que não estou aqui levantando a bandeira pró suicídio e muito menos estimulando-o.
Observem que o meu argumento o tempo todo é TEOLÓGICO e não antropológico. Só quero aqui não ir além do que a Bíblia diz.

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Teólogo, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea, Ética e História Bíblica, História e Teologia da Igreja, Educação Cristã e Teologia Sistemática, Sociologia e Ensino Religioso em seminários e escolas na região do Vale do Paraíba, também escreveu lições para a revista de EBD para os adultos da Editora Cristã Evangélica. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador.
This entry was posted in Aconselhamento Bíblico, Apologética. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.