Vamos falar sobre o inferno?

Ouvi numa rádio cristã chamada BBN (www.bbnradio.org) um pastor mencionando uma pesquisa sobre o que as pessoas pensam sobre o inferno. A pesquisa apontou que somente 33% dos entrevistados creem que o inferno é real. O fato de assuntos como esse não ser levado a sério pela maioria das pessoas não muda um milímetro sequer a realidade de sua existência. O inferno existe, e se você não leva esse assunto a sério é porque você está caminhando diretamente para lá!

Existem dois grupos que estão completamente equivocados com relação ao inferno: um grupo que não professa nenhuma religião, e, por isso, não crê “nessas coisas”; o outro grupo, que apesar de professar uma religião ainda assim nega a existência do inferno, amenizando o assunto com outros subterfúgios. Vou tentar falar sobre cada um.

Antes, quero chamar a sua atenção para o fato de que quem mais falou sobre o inferno e seu horrores, foi o próprio Senhor Jesus Cristo, Aquele que veio ao mundo para revelar a Deus (Hebreus 1.1-4) e também toda a vontade e desígnio do Pai. Ao falar do inferno, Cristo não o fez falando de um “conceito cultural judaico”, mas, sim, de uma realidade, de um lugar que Ele mesmo criou (todas as coisas foram criadas por Ele, Colossenses 1.16) para o castigo eterno do diabo e seus anjos e, também, para todos quantos viveram rebeldes a Deus e à Sua Palavra (Mateus 25.41; Apocalipse 21.8).

Assim sendo, levanto o seguinte questionamento: se o inferno não fosse real, Cristo seria um grande mentiroso e também um louco, pois, morrer na cruz para nos salvar de algo que não existe é, no mínimo, loucura. Definitivamente, Jesus não é mentiroso, pois, Ele é a Verdade (João 14.6) e não é louco, pois, nem mesmo um louco morreria por pecadores como nós. Líderes religiosos loucos, fazem as pessoas se matarem por eles, mas, eles não morrem por seus adeptos. Cite um único exemplo de um líder religioso louco que morreu pelos seus adeptos e eu lhe mostrarei dezenas que até se suicidaram, mas, só depois de ver seus adeptos mortos.

Voltando à questão do inferno, como disse no começo, existem pessoas que não creem que ele existe. A estes espero que o que eu já disse até aqui sirva para convencê-los de seu erro. Quero voltar minha atenção aqui àqueles que professam ser cristãos e que negam a existência do inferno com os seguintes argumentos:

(1) As figuras de linguagem que a Bíblia usa para descrever o inferno, tais como: “lago de fogo e enxofre”, “o fogo que não se apaga”, “o verme que devora e nunca morre”, etc., são apenas símbolos. Ocorre que um símbolo é uma expressão pálida de algo real. Quando você vê a logomarca de uma empresa imediatamente pensa nessa empresa e no que ela produz. A logomarca em instantes é deixada de lado para que o que ela representa tenha toda a atenção, não é mesmo? Agora, aplique isso às figuras usadas pela Bíblia para mostrar o que é o inferno. Sendo elas apenas símbolos, aquilo que elas representam é infinitamente mais terrível!

(2) Seitas heréticas como As Testemunhas de Jeová e a Igreja Adventista do Sétimo Dia pregam o que é chamado de “aniquilamento dos ímpios”, em vez de pregarem sobre o inferno. Essa heresia pregada por eles diz que quem não for salvo (entenda-se “adepto do grupo deles”) será aniquilado, desintegrado, evaporado. A alegação deles se baseia no seguinte: como pode um Deus que é amor, mandar pessoas para o inferno? Bem, o aniquilacionismo é um erro por dois motivos: (a) não encontramos nenhuma base bíblica para ele, portanto, é mentira deslavada; (b) quem não crê no inferno, mas, crê no aniquilacionismo, parte do pressuposto do “amor de Deus”. Sinceramente, não entendo como o aniquilacionismo torna Deus mais amoroso. O inferno nunca foi e será demonstração do amor de Deus, mas de Sua justiça. Deus não manda pecadores para o inferno – eles já nascem condenados ao inferno. O que ocorre é que Deus por Sua misericórdia retira a condenação de sobre quem Ele quiser retirar (Romanos 9.14-18), e, quando não quer exercer Sua misericórdia, Ele exerce Sua justiça sobre os pecadores, os quais recebem a condenação merecida. Agora, não pense, que no caso de que quem vai para o céu, Deus usou somente do Seu amor e não usou de Sua justiça. Para um pecador ser salvo, a Justiça de Deus teve de ser satisfeita, e ela foi satisfeita em Jesus Cristo, que ao morrer na cruz pagou a nossa dívida com Deus e satisfez a Justiça Divina no tocante ao nosso pecado. Somos salvos pela Justiça Divina revelada no sacrifício de Jesus. O aniquilacionismo pinta um “deus de amor” que não é encontrado na Bíblia e nem foi revelado por Jesus.

Há ainda um grupo de religiosos e pastores (e lamentavelmente encontro muitos desses hereges, mentirosos e salafrários dentro das igrejas sérias, e é para eles que dirijo essas palavras) que pregam o universalismo, ou seja, o sacrifício de Cristo salvou todos os homens e, no final, não importa como tenham vivido, irão todos para o céu. Fuja dessa mentira! Cristo morreu somente pelas ovelhas Dele (João 10.11,14,15). Se você não entrar no aprisco do Pastor Supremo, Jesus Cristo, é porque você não é ovelha Dele vai para o inferno, aliás, você já está indo para lá. O universalismo é tão mentiroso quanto o aniquilacionismo, pois, também não encontra base bíblica alguma. Ele tira do coração do pecador a gratidão a Deus por tão grande salvação, ele destrói a fé, ele abre as portas para você se satisfazer com os prazeres desse mundo em vez de se satisfazer somente em Deus, e por isso você nunca será satisfeito, pois, um coração que foi criado para se satisfazer com Deus, como poderá se satisfazer com as pilhérias desse mundo? Pastores que pregam o universalismo são falsos mestres, são lobos vestidos de ovelha, são hereges no mais alto grau. Negam o Soberano Senhor e Salvador Jesus Cristo (2Pedro 2), pois, negam tudo o que Ele ensinou, e escarnecem do Seu precioso Sangue.

Poderia falar algo sobre reencarnação, mas, não vou nem perder o meu tempo e o seu. Tal assunto não merece mais do que o que estou escrevendo sobre ele aqui.

Para encerrar esse artigo, quero propor o seguinte:

Suponhamos que eu esteja errado, e que o inferno não existe, e que eu serei aniquilado, pois, não sou Testemunha de Jeová, ou adventista do Sétimo Dia, ou membro de qualquer outra seita que nega a existência do inferno. Bem, é verdade que eu não vou desfrutar das maravilhas do céu, mas, também, não vou ficar sofrendo no inferno, pois, serei desintegrado. Acabou. Sem sofrimento.

Agora, se eu estou certo (e estou porque confio Naquele que entregou Sua vida por mim numa cruz), se você não leva a sério o inferno, é porque você está mais nele do que pensa. E enquanto eu e tantos outros que cremos em Jesus e na Sua Palavra estaremos eternamente no céu, desfrutando das maravilhas que lá existem e estão preparadas para nós, você, longe de ser aniquilado, estará sofrendo os horrores do inferno, os quais na linguagem humana não encontramos palavras para descreverem como de fato são.

Rev.Olivar Alves Pereira

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Apologética, Reflexão Bíblica. Bookmark the permalink.

26 Responses to Vamos falar sobre o inferno?

  1. Diego Mendes says:

    tá faltando estudos assim no nosso meio !!!muito bom Rev

  2. marina says:

    Boa Note!!
    Paz!!
    Vou plagiar o comentário do irmão Diego, de fato não vemos ou ouvimos pregações que falem sobre o tema, e, creio que o motivo não é outro que : as pessoas não se sentiriam bem ouvindo tal verdade, pois há muito, tantos pregadores falam tão somente do Amor e da Misericórdia de DEUS, mas, nada falam acerca de sua Justiça, aliás tal atributo jamais é mencionado nos cultos de muitas igrejas, é de se lamentar,mais uma vez uma mensagem edificante.
    Deus continue o abençoando
    Marina e Marcos

    • Irmã, o motivo pelo qual pouco se fala da Justiça de Deus é porque pensa-se nela do ponto de vista da justiça humana que é aquela que tem como base o merecimento (tanto do benefício quanto do castigo). A Justiça de Deus ao mesmo tempo que é a Sua ira santa contra o pecado cometido contra Sua santidade e caráter é também, manifestação do Seu amor em nos dar a Justiça de Jesus, ou seja, através do sacrifício de Jesus, Deus imputou (colocou em nossa conta) a Justiça de Jesus e colocou sobre Cristo a nossa condenação e pecado. É essa Justiça que nos torna aceitáveis diante de Deus.
      Concordo com você de que essa doutrina está cada vez mais esquecida talvez de propósito, mas com o passar do tempo ela pode ser totalmente desconhecida das pessoas. Cabe a nós não permitirmos tamanho desastre!

  3. Fernando says:

    O mundo e Satanas, apesar de serem craques neste assunto, buscam abafar o que acabamos de ler, que encontra-se na Verdade das escrituras.
    Apesar de ser duro de coração e superficial, busco em Deus livramento, para nao ir por esse caminho. Que muitos seguem, devido ao orgulho e falsaz riquesas.

    • Olá Fernando,
      Que bom ver você por aqui.
      Quanto ao seu cometário, o que eu mais lamento não é o diabo e o mundo abafarem esse assunto. Eles fazem o que lhe é próprio e conveniente. O que eu mais lamento é ver que na maioria das igrejas e muitos pastores não tocam nesse assunto nem de longe. E por isso mesmo, o inferno ou é tido como uma ilusão ou algo que não existe. Qualquer uma dessas afirmações é fatal.

  4. carlos says:

    Concordo com com o que disse em relaçao ao inferno,universalismo e aniquilação , mas não concordo com sua visão claramente calvinista sobre o assunto, por isso tenho algumas considerações a fazer .Primeiro:se antes de jesus morrer, Deus decretou ( e o seu decreto é irrevogavel) que um grupo de pessoas iria para o céu e um outro iria para o inferno, jesus morreu para nos salvar do quê? Já que por esse decreto as ovelhas nunca correriam os risco de ir pro inferno, assim como os bodes nunca haveriam de ter a chance de ir pro céu?Segundo:Cristo morreu pelas ovelhas para que estas se tornassem novas ovelhas?Terceiro:então se alguem não entrar no aprisco do pastor supremo, Jesus Cristo, é porquê não é ovelha dele e fatalmente vai pro inferno.Isso significa então que ninguem vai pro inferno por causa do pecado, vai pro inferno porque não é ovelha, não foi predestinado, porque para o pecado existe solução(a biblia diz:o sangue de jesus nos purifica de todo o pecado),mas para o fato de não ser predestinado, não existe solução.quarto:Porque nunca ouvi de uma mãe grávida, cristã, que crê na predestinação , admitir a possibilidade de estar gerando um filho maldito?um bode?um filho da perdição?Quinto:voce já reparou que debater predestinação com aniquilaçao não tem lógica?debater predestinação sem aniquilação tem logica com aqueles que creem no inferno, mas nao creem no calvinismo.Senão vejamos:acreditar ou nao na aniquilçao não vai mudar o futuro eterno de ninguem,não já está tudo pré-determinado?Até porque dentro das proprias Testemunhas de Jeová, tem gente destinado a ir pro céu e outro pro inferno, é uma questão de tempo de a ovelha que esta lá dentro vir pro aprisco.Agora, na doutrina do livre-arbitrio tem logica, porque?porque crer ou não na aniquilçao sera uma questão de vida eterna ou morte eterna.No livre arbritrio o nosso destino ainda pode ser mudado, ai faz sentido ver se a doutrina aniquilacionista está certa ou errada.Me parece que o erro calvinista é o mesmo erro aniquilacionista, se agarrar a determinadas palavras e fazer delas doutrinas sem levar em conta todo o resto, Se esta escrito na biblia destruir então tudo é extinçao, se tiver escrito predestinação entao tudo já esta pré-determinado.

    • Olivar Alves Pereira says:

      Prezado senhor Carlos.
      Seja bem vindo ao Noutesia.com.br.

      Primeiramente, quero deixar bem claro que sou calvinista sim, mas, eu prefiro ser identificado acima de tudo como um Presbiteriano Confessional (referente à Confissão de Fé de Westminster) e Reformado (referente à Reforma do séc.XVI). Chamarem-me de calvinista não me ofende, pois, o sou.

      Tentarei responder às suas indagações.

      O senhor disse:
      “Primeiro:se antes de jesus morrer, Deus decretou ( e o seu decreto é irrevogavel) que um grupo de pessoas iria para o céu e um outro iria para o inferno, jesus morreu para nos salvar do quê? Já que por esse decreto as ovelhas nunca correriam os risco de ir pro inferno, assim como os bodes nunca haveriam de ter a chance de ir pro céu?”.
      O senhor se mostra muito confuso em seus argumentos. Deus decretou a salvação dos Seus eleitos sim. Cristo morreu para salvar aqueles a quem o Pai Lhe deu (cf. Jo 10.28,29) e das mãos de Jesus e do Pai ninguém pode nos arrancar. Neste sentido suas palavras estão certas “as ovelhas nunca correriam os risco de ir pro inferno”.De fato elas nunca correrão esse risco, porque quem faz a garantia é Jesus. Se o senhor não crê nisso está chamando Jesus de mentiroso!
      A salvação é somente para os eleitos, ainda que seja anunciada a todos (ou pelo menos para a maioria). Mas, Jesus não veio para salvar todos, mas sim, MUITOS (Mt 20.28; 26.28).

      O senhor disse:
      “Segundo:Cristo morreu pelas ovelhas para que estas se tornassem novas ovelhas?”.
      Veja bem, Deus não escolheu ovelhas para serem ovelhas; Ele escolheu pessoas “mortas em seus delitos e pecados” (Ef 2.1); éramos inimigos Dele quando Ele mostrou Seu amor por nós (Rm 5.1-11). Repito: Ele não escolheu crentes, mas, sim, escolheu pessoas para serem transformadas em crentes.

      O senhor disse:
      “Terceiro:então se alguem não entrar no aprisco do pastor supremo, Jesus Cristo, é porquê não é ovelha dele e fatalmente vai pro inferno.Isso significa então que ninguem vai pro inferno por causa do pecado, vai pro inferno porque não é ovelha, não foi predestinado, porque para o pecado existe solução(a biblia diz:o sangue de jesus nos purifica de todo o pecado),mas para o fato de não ser predestinado, não existe solução”.
      No aprisco de Cristo só entram Suas ovelhas (Jo 10.14,15). Quem não é ovelha até pode se aproximar, e até entrar, mas, não permanecerá ali.
      Novamente o senhor labora em erro quando questiona o fato de que quem vai para o inferno, vai não por causa do pecado, mas, porque não foi predestinado. Meu caro, o que levou Deus a predestinar um povo para Si e não predestinar os demais? O que levou Cristo a morrer numa cruz por seres humanos? Não foi o pecado nosso? E falando no sacrifício de Jesus, quando foi que ele aconteceu? Foi há quase 2000 anos? De fato sim, mas, por decreto (o mesmo decreto de Deus que determinou nossa salvação) se deu antes da fundação do mundo, pois, Ele é “o Cordeiro que foi morto desde antes da fundação do mundo” (Ap 13.8).

      O senhor disse:
      “quarto:Porque nunca ouvi de uma mãe grávida, cristã, que crê na predestinação , admitir a possibilidade de estar gerando um filho maldito?um bode?um filho da perdição?”.
      Seria porque essa mãe crê num Deus que estabeleceu uma Aliança perpétua com ela e com todos os seus? Mas, esse seu argumento/pergunta não sustenta
      a tal “lógica” que o senhor se arvora em dizer que tem. Pense numa mão que não crê na predestinação. Porventura ela dirá que está gerando um “bode” (ou seja lá qual for o bicho?”)? Duvido muito. Se lhe serve de consolo até hoje nunca vi também uma mãe arminiana crer que tem um condenado ao inferno em sua barriga…

      O senhor disse:
      “Quinto:voce já reparou que debater predestinação com aniquilaçao não tem lógica?debater predestinação sem aniquilação tem logica com aqueles que creem no inferno, mas nao creem no calvinismo.Senão vejamos:acreditar ou nao na aniquilçao não vai mudar o futuro eterno de ninguem,não já está tudo pré-determinado?Até porque dentro das proprias Testemunhas de Jeová, tem gente destinado a ir pro céu e outro pro inferno, é uma questão de tempo de a ovelha que esta lá dentro vir pro aprisco.Agora, na doutrina do livre-arbitrio tem logica, porque?porque crer ou não na aniquilçao sera uma questão de vida eterna ou morte eterna.No livre arbritrio o nosso destino ainda pode ser mudado, ai faz sentido ver se a doutrina aniquilacionista está certa ou errada”.
      Quem está debatendo aniquilação com predestinação é o senhor. Curiosamente, no meu artigo não direcionei o meu pensamento para esse assunto, mas, quem está direcionando-o é o senhor.
      Agora a sua doutrina do livre-arbítrio é um engodo. Se eu tivesse mesmo livre arbítrio a primeira escolha que eu faria era a de não pecar mais. Mas, é aí que está o problema do arminianismo: o tal livre arbítrio que vocês tanto dizem ter ou é uma ilusão de seus corações orgulhosos que não admitem que NÃO DEPENDE DE NÓS SERMOS SALVOS MAS, SOMENTE DE DEUS USAR SUA MISERICÓRDIA (Rm 9.16), ou pior ainda, você não creem que Jesus é Todo-Poderoso para libertá-los de vez do pecado, pois,volta e meia estão pecando de novo.
      Analise, meu caro. A Bíblia diz que nascemos escravos do pecado, nascemos MORTOS espiritualmente, nascemos cegos, e inimigos de Deus, e totalmente escravos do pecado. Que livre arbítrio tem um desgraçado pecador para decidir abandonar o pecado e viver com Jesus, se Jesus primeiro não vier ao seu encontro e arrancá-lo da sua sepultura espiritual? A Bíblia diz que eu só posso vencer o pecado e mortificar os feitos da carne por meio do Espírito Santo (Rm 8.13) e que só depois que Ele passa a viver em nosso coração é que temos esse poder, então me responda: como pode um pecador ir até Cristo se Cristo não vier antes ao seu encontro? E mais, somente depois que o Espírito Santo passa a habitar em nosso coração é que podemos vencer o pecado. Percebe o seu erro, meu caro?

      Por fim, o senhor disse:
      “Me parece que o erro calvinista é o mesmo erro aniquilacionista, se agarrar a determinadas palavras e fazer delas doutrinas sem levar em conta todo o resto, Se esta escrito na biblia destruir então tudo é extinçao, se tiver escrito predestinação entao tudo já esta pré-determinado”.
      Então vejamos. O senhor me acusa de me “agarrar a determinadas palavras”, o que é mentira. Eu me agarro a passagens das Escrituras. Eu lhe faço o seguinte desafio: façamos cada qual uma lista, eu com as passagens que falam e declaração sobre a predestinação e o senhor uma lista que apresente as passagens que falam sobre o livre arbítrio. Aí veremos se sua acusação acima procede.
      Quanto ao aniquilacionismo, não Bíblia não existe somente a doutrina, mas, também a própria palavra com essa conotação de penalidade eterna.

      Para encerrar minha palavra aqui, lhe digo que crer na doutrina da predestinação não me é um empecilho para a santificação e muito menos para a Evangelização. O que atrapalha essas duas coisas é o pecado no coração da pessoa, pois, uma pessoa que reconhece-se como um predestinado por Deus sabe que o foi para viver de forma santa e irrepreensível (Ef 1.3ss) e não deixa de pregar o Evangelho pois sabe que é condição sine qua nom para uma pessoa ser convertida a Cristo que ela ouça a Palavra de Deus. Além disso pregar é uma ordem de Cristo e não uma opção para nós.

      Em Cristo, que nos predestinou para uma nova vida cheia de alegria e paz,
      Rev.Olivar

  5. fernando says:

    a soberania de deus nos constrange, e temos que admitir que seus propósitos são perpétuos.

    1) todos nós (humanidade) somos merecedores do inferno:

    Romanos: 3. 23. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; – Bíblia JFA.

    2) Romanos: 9. 13. Como está escrito: Amei a Jacó, e aborreci a Esaú. 14. Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? De modo nenhum. 15. Porque diz a Moisés: Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericordia, e terei compaixão de quem me aprouver ter compaixão. 16. Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus que usa de misericórdia. – Bíblia JFA Offline

    como pode um pecador por si só nascido em pecado original herdado desde o edem, (que carrega a certeza da morte física natural), e morte por quebra da lei ( de ao menos um mandamento, como observado em tiago1:10), subsistir ao julgamento final?

    resta-nos somente essa verdade revelada de que deus escolheu os seus antes na eternidade, usando de misericordia com os que ele quer dar sua misericordia.

    seria tolice pensar que na posição atual, o homem possa fazer algo.

    salvação somente em cristo, por seus propósitos traçados antes da criação do mundo.

    João: 17. 24. Pai, desejo que onde eu estou, estejam comigo também aqueles que me tens dado, para verem a minha glória, a qual me deste; pois que me amaste antes da fundação do mundo. – Bíblia JFA Offline

    • Olivar Alves Pereira says:

      Olá Fernando
      Embora aqui eu esteja falando sobre o inferno, mas o seu comentário me reporta à questão do livre-arbítrio tal como pregado pelo arminianismo. Se eu tivesse mesmo o livre-arbítrio (conforme a concepção arminiana) a primeira coisa que eu iria escolher hoje (e sempre) é: não vou mais pecar. E justamente a minha incapacidade de fazer essa escolha revela não a minha falta de vontade de querê-la, mas, a minha incapacidade de fazê-la por mim mesmo. Eu preciso de salvação, de um Salvador, e não de uma capacidade de escolha somente. É claro que Cristo me dá condições e poder para fugir do pecado. É por isso mesmo que eu preciso Dele.

  6. carlos says:

    Prezado irmão Olivar
    O senhor disse:
    ´´Se eu tivesse mesmo o livre-arbítrio (conforme a concepção arminiana) a primeira coisa que eu iria escolher hoje (e sempre) é: não vou mais pecar.“´
    Se eu fosse mesmo predestinado (conforme a concepção calvinista)Deus iria determinar que eu nunca mais pecasse!

    • Olivar Alves Pereira says:

      Isso só mostra que você não compreende o que a visão Calvinista e Reformada fala sobre o assunto, como também (o que é pior) não compreende o que a Bíblia ensina sobre:a responsabilidade do homem e a Soberania de Deus.
      Meu caro, Deus predestinou seres humanos caídos e pecadores, e esperar que estes não pequem mais mesmo após a conversão seria qualquer coisa menos o Evangelho de Cristo.
      Deus nos predestinou (e não foi Calvino que disse isso)para sermos santos e irrepreensíveis perante Ele (Ef 1.3,4). Ele nos tem dado todas as coisas que nos conduzem à vida e à piedade (2Pe 1.3-11), mas, então porque apesar dessa Obra tão maravilhosa e desse Poder inigualável de Deus em nós, ainda pecamos? Romanos 7.7ss nos dá a resposta: lutamos contra o pecado em nós, e o nosso eu quer o pecado porque o pecado alimenta o nosso eu. Mas, o chamado de Cristo para nós é: “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me” (Lc 9.23). Isso quer dizer que o Evangelho é um chamado para a morte do nosso eu, do qual somos escravos até que a luz do Evangelho resplandeça em nosso coração e nos liberte de nós mesmos para servirmos somente a Cristo.
      Por fim, só faça a seguinte pesquisa em sua Bíblia: procure quantas referências falam sobre predestinação e eleição, e quantas falam sobre o tal livre arbítrio que você diz que temos. Aí voltamos a conversar.

      Rev.Olivar

  7. Carlos says:

    Prezado Rev.Olivar
    Ao contrario dos hipercalvinistas ou calvinistas extremados ,os calvinistas “moderados”creem que Adão antes de pecar tinha “livre arbitrio,entretanto, todos os calvinistas dizem que o livre arbitrio não existe porque Deus é soberano.Porque e para que então Deus criou adão com o livre arbitrio? porque Deus não criou adão somente com a capacidade de obedece-lo?E quanto ao Diabo, ele pecou porque ele quis ou porque foi predestinado? Se Deus predestinou alguns, porque não predestinou a todos os seres humanos, já que todos são criaturas dele e estão em igual estado de pecado perante ele? Voce disse que “nosso eu quer o pecado porque o pecado alimenta o nosso eu” e que ” o Evangelho é um chamado para a morte do nosso eu”.Mas o “nosso eu” não está nas mãos de Deus?Não é ele que agora controla o nosso eu? Eu não tenho livre arbitrio pra ser salvo,eu não tenho ação, tudo é Deus que faz, porem quando eu me converto eu é que tenho que lutar pra não pecar, pra me santificar? Pecar para um eleito é algo grave já que ele está salvo do mesmo jeito e nunca vai perder a salvação? Uma outra questão que gostaria de perguntar:
    Um exemplo:duas prostitutas,uma é a prostituta x e outra é a prostituta y .a prostituta x é eleita e no “devido tempo” determinado por Deus vai se converter, porem a prostituta y não é eleita, portanto nunca vai se converter porque Deus não a escolheu pra salvação.Isso significa que Deus não quer que a prostituta y deixe de ser prostituta?Deus quer que ela continue no pecado?

    • Olivar Alves Pereira says:

      Caro Sr. Carlos
      Primeiramente, quero agradecer por sua presença aqui no Noutesia.
      Bem, vamos às suas questões, embora sugiro ao senhor que leias outros posts aqui no site sobre o assunto. Tem muita coisa sobre. Espero que o senhor leia e depois retorne.
      Usarei suas perguntas entre aspas.

      “Ao contrario dos hipercalvinistas ou calvinistas extremados ,os calvinistas “moderados”creem que Adão antes de pecar tinha “livre arbitrio,entretanto, todos os calvinistas dizem que o livre arbitrio não existe porque Deus é soberano”.
      Em que “calvinismo” o senhor tirou essas informações? De fato cremos que antes do pecado de Adão, o ser humano (deixemos Satanás para depois) tinha livre arbítrio, porém, no momento em que ele decidiu desobedecer a Deus tornou-se escravo do pecado – e escravo tem vontade própria? Em lugar algum na teologia reformada (prefiro ser identificado assim) o senhor verá uma afirmação dessas, a saber,”todos os calvinistas dizem que o livre arbitrio não existe porque Deus é soberano”, cremos na soberania de Deus porque é bíblico. Quanto à perda do livre arbítrio, cremos que o homem a perdeu não porque Deus é soberano, mas, porque ele não respeitou a soberania de Deus e entregou-se ao pecado passando a ser escravo do pecado. Em 2Pe 2.19 lemos: prometendo-lhes liberdade, sendo eles mesmos servos da corrupção. Porque de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo. Quem é vencido pelo pecado é escravo dele.

      “Porque e para que então Deus criou adão com o livre arbitrio? porque Deus não criou adão somente com a capacidade de obedece-lo?”. Se Adão não tivesse sido criado assim, então todas as suas perguntas aqui teriam algum sentido. Deus não criou autômatos, robôs, mas, um ser humano com capacidade de pensar, escolher e decidir. Ainda temos essas condições só que todas elas seriamente comprometidas pelo e com o pecado. Somente com o novo nascimento, a regeneração que o Espírito Santo faz no coração da pessoa transformando-a num filho de Deus, e transportando-a das trevas para o reino do Filho do Seu amor (Cl 1.13) é que então essa pessoa passa a ter condições de lutar contra o pecado, resistí-lo e vencê-lo PELO PODER DE DEUS somente.

      “Se Deus predestinou alguns, porque não predestinou a todos os seres humanos, já que todos são criaturas dele e estão em igual estado de pecado perante ele?”. A questão é justamente o contrário. No momento em que todos pecaram (Rm 3.23; Ec 7.20)todos “a uma se fizeram inúteis” (Rm 3.12), a questão é: porque Deus ainda quis salvar para Si parte dessa massa falida e pecaminosa? Meu caro, todos estão na mesma condição: pecadores condenados. E só saem dessa condição por um ato da livre e soberana graça de Deus em escolher quem Ele quiser, não porque merecem, mas, porque Ele quis. Sugiro a você uma leitura cuidadosa e muito dedicada da carta aos Romanos. Se você quiser posso lhe enviar a exegese completa que fiz dessa carta para auxiliá-lo de alguma forma. Mas, será melhor você deixar a Bíblia lhe falar ao coração, e você verá que não estou errado.

      “Voce disse que “nosso eu quer o pecado porque o pecado alimenta o nosso eu” e que ” o Evangelho é um chamado para a morte do nosso eu”.Mas o “nosso eu” não está nas mãos de Deus?Não é ele que agora controla o nosso eu? Eu não tenho livre arbitrio pra ser salvo,eu não tenho ação, tudo é Deus que faz, porem quando eu me converto eu é que tenho que lutar pra não pecar, pra me santificar?”
      De fato, esse é o chamado de Cristo para nós:” Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me” (Lc 9.23). Uma pessoa não convertida a Cristo está morta em delitos e pecados (Ef 2.1). Pergunto-lhe: qual é a vontade de um morto? Lembre-se que a “Vida” aqui em Ef 2 não se trata apenas de uma força motriz espiritual, mas, acima de tudo, Cristo vivendo na pessoa. contudo, enquanto estivermos neste mundo teremos de lutar contra o pecado. Um não convertido não tem essa luta porque ele nem sabe que está morto espiritualmente. Mas, a partir do momento em que uma pessoa é convertida, vivificada e regenerada por Cristo, ela se dá conta da luta em que se encontra, e, por isso mesmo deve sempre se lembrar de que ele foi predestinado não somente para viver no céu com Cristo, mas, para viver com Cristo neste mundo praticando as boas obras que Cristo lhe preparou para esse fim (Ef 2.10). Em Rm 8.13 também lemos: ” Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis”. Compare esse versículo com a sua pergunta.

      “Pecar para um eleito é algo grave já que ele está salvo do mesmo jeito e nunca vai perder a salvação?”.
      Sim, é algo grave, porque ele recebeu de Deus não somente o poder necessário mas, todas as coisas necessárias para vencer o pecado e para viver para a glória de Deus (1Co 10.13 e 2Pe 1.5-11). Agora se você encontrar alguém dizendo-se calvinista afirmando que: “Já que estou salvo, e salvo pra sempre, e não perderei a salvação, vou viver curtindo a vida e do jeito que der, pois, o amor de Deus é maior do que o meu pecado”, lhe digo que este tal é um pobre coitado, que ainda não compreendeu a Palavra de Deus e nunca, nunca foi convertido de fato. Vale lembrar as palavras de Paulo a Timóteo: “Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque o seu objetivo é satisfazer àquele que o arregimentou” (2Tm 2.4). O objetivo de um convertido a Cristo é fazer a vontade de Cristo, o que quer dizer, lutar contra o pecado. Espero que isso também tenha respondido a questão das prostitutas também que você levantou.

      Rev. Olivar

  8. CARLOS DUARTE says:

    “Deus predestinou seres humanos caídos e pecadores, e esperar que estes não pequem mais mesmo após a conversão seria qualquer coisa menos o Evangelho de Cristo.”….ok..o predestinado pode cometer qualquer pecado? se uma pessoa cometer suicidio ela vai pro céu ou pro inferno?ou há “suicidas predestinados”?

    • Olivar Alves Pereira says:

      Olá Sr. Carlos
      Bem, sua pergunta é um tanto quanto escorregadia e difícil.

      1) O fato de existir a predestinação (que é um ato exclusivo de Deus) isso não isenta as pessoas a cometerem pecados. A Bíblia nos mostra três “estágios” da Obra Salvífica de Cristo: (a) Justificação: na cruz, Cristo justificou aqueles a quem o Pai escolheu. A Justificação é o ato em que Deus, através de Cristo imputa a nós Sua justiça, e toma as nossas iniquidades. Somente a Justiça de Deus pode nos garantir diante da Justiça de Deus. Então, não fosse um ato misericordioso de Deus em nos perdoar e em nos revestir da Sua Justiça estaríamos todos condenados. (b) Santificação: este ato de Deus em nós através do Espírito Santo nos faz afastar do pecado e viver de forma que agrade a Deus. É claro que a velha natureza pecaminosa em nós ainda exala seus odores de morte, e quando deixamos de obedecer ao Espírito Santo para fazermos a nossa vontade (isso já é o pecado) acabamos caindo em pecados. Leia Romanos 6, 7 e 8 e o senhor entenderá isso que estou lhe dizendo. (c) a Glorificação: esta acontecerá no futuro, quando todos estivermos na presença de Deus com corpos glorificados semelhantes ao de Cristo em sua glória (Filipenses 3.21). Lá o pecado estará de fora. Em suma, a Justificação é a libertação da culpa do pecado; a Santificação é a libertação do poder do pecado; a Glorificação é a libertação da presença do pecado.

      2) Pode um predestinado cometer suicídio? Infelizmente, é possível, mas, felizmente isso não é suficiente para que ele perca a salvação, porque a salvação não é obra humana, mas Divina. Deus tem uma só Palavra e Ele não a desmente. O único pecado imperdoável é aquele em que a pessoa blasfema contra o Espírito Santo (” Todo aquele que proferir uma palavra contra o Filho do Homem, isso lhe será perdoado; mas, para o que blasfemar contra o Espírito Santo, não haverá perdão” Lucas 12.10). Isso quer dizer: ignorar, desprezar e até mesmo falar imbecilidades e blasfêmias contra Ele. Essa história de que quem comete suicídio não tem perdão, é heresia católica. Não existe um único texto bíblico que afirme isso. O mais próximo disso (e para tal teríamos de distorcer o texto sagrado) é 1Timóteo 1.9-11: tendo em vista que não se promulga lei para quem é justo, mas para transgressores e rebeldes, irreverentes e pecadores, ímpios e profanos, parricidas e matricidas, homicidas impuros, sodomitas, raptores de homens, mentirosos, perjuros e para tudo quanto se opõe à sã doutrina, segundo o evangelho da glória do Deus bendito, do qual fui encarregado”.Se entendermos que “suicídio” é o “homicídio de si mesmo” então temos aqui um texto que coloca tal prática no mesmo nível de outros pecados. Mas, EM MOMENTO ALGUM se diz que um suicida vai para o inferno. Contudo, o suicídio não deixa de ser pecado, pois, ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém, inclusive a própria.

      Mas, voltando ao ponto da sua pergunta que julgo ser o mais importante, lembro-lhe que Deus ao predestinar alguém deixa bem claro em Efésios 1.3-14:
      1) Os escolhidos assim o foram para viverem em santidade (v.3,4) – logo alguém que se diz salvo mas não anda em santidade de vida, na presença de Deus, não tem motivo algum para se ver como salvo;
      2) Tal escolha foi feita “antes da fundação do mundo” (v.4 e 7) – o que mostra que não há merecimento algum em qualquer um dos predestinados, até mesmo porque eles nem mesmo existiam quando Deus os predestinou;
      3) Fomos escolhidos para sermos transformados em Seus filhos (v.5) – e diante desse amor o apóstolo Paulo pergunta: “Quem nos separará do amor de Cristo” (Romanos 8.35) e o Senhor Jesus desafia a quem quiser arrancar-nos dos Seus braços e dos de Seu Pai (João 10.28,29);
      4) Fomos predestinados por um ato livre e soberano da Graça de Deus (v.5)
      5) Para que tudo isso glorifique e exalte a Deus (v.6) – pergunto-lhe: “Como pode alguém que foi salvo para a glória de Deus viver enlameado no pecado?”. O salvo em Cristo não se esquece que foi salvo para viver em santidade (v.3,4);
      6) Quem é salvo tem o Espírito Santo em seu coração como o “penhor”, a “garantia” que Deus lhe dá de que realmente foi salvo. Quem tem o Espírito Santo de Deus em seu coração obedece a Sua voz (revela nas Escrituras Sagradas aplicadas ao seu dia a dia), veja romanos 8.14 e 16.

      Não basta dizer que é salvo; tem de ter certeza de que é e viver como tal.
      Assim, sendo não me compete julgar se um suicida é um predestinado. Só sei que quem foi salvo por Cristo vive o tempo todo procurando entender a vontade Dele (Ef 5.17), o que certamente, não inclui o suicídio.
      Àqueles que tiveram parentes que se suicidaram e que diziam crer em Jesus e terem a certeza da salvação só posso dizer que:
      1) Lamento profundamente a dor que sentem;
      2) Eu creio em Deus cuja Graça vai além de qualquer desgraça de qualquer pecado, exceto quando este pecado for o de rejeitar a única salvação, Cristo Jesus, o que é a blasfêmia contra o Espírito Santo.

      Agora, Sr. Carlos, só uma pergunta: as palavras que o senhor menciona entre aspas no seu comentário são minhas? Embora eu concorde com elas, mas não a encontrei no meu post.

  9. CARLOS DUARTE says:

    Querido, há algo que não faz sentido aqui…1 João 1:9 “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar de todos os pecados e nos purificar de qualquer injustiça.” Pois bem, a questão é, cometer suicidio é pecado? sim,Ex.20:13 “não matarás”…os homicidas não herdarão o reino dos céus (1 Corintos 6:9-10)…Ora,está bem claro que não é preciso dizer que os suicidas não vão herdar o reino dos céus já que o suicida nada mais é do que assassino de si mesmo! tirar a vida dos outros e a sua propria,biblicamente é a mesma coisa ! a questão do perdão é complicada , voce disse que “felizmente isso não é suficiente para que ele perca a salvação, porque a salvação não é obra humana, mas Divina”…querido, acontece que no céu não pode entrar pecado !!!!!se o suicidio é pecado, o suicida MORRE EM PECADO…como alguem que pega uma arma dá um tiro na cabeça poderá confessar o seu pecado para que Deus possa perdoar o seu pecado e purifica-lo de toda a injustiça??????

    Voce disse tambem que “O único pecado imperdoável é aquele em que a pessoa blasfema contra o Espírito Santo (” Todo aquele que proferir uma palavra contra o Filho do Homem, isso lhe será perdoado; mas, para o que blasfemar contra o Espírito Santo, não haverá perdão” Lucas 12.10).”…Interessante, para quem este texto é dirigido? para os não eleito? não pode ser porque se a pessoa já está condenada, não vai fazer diferença nenhuma se ela blasfemar ou não…para os eleitos e predestinados? tambem não pode ser porque como alguem eleito e predestinado poderia cometer esse pecado, se o perdão dos pecados é o que garante a salvação,obviamente se uma pessoa não pode ser perdoada, ela não pode ser salva..então esse texto é dirigido a quem? gostaria de exclarecimentos

    • Olivar Alves Pereira says:

      Antes de responder-lhe sobre Lc 12.10, preciso ter certeza de que o senhor realmente está lendo e entendendo o que estou escrevendo, pois, o senhor coloca em minhas palavras um sentido que elas não têm. Em momento algum eu disse que suicidas não vão para o inferno. O que eu disse foi: (1) que creio na graça de Deus que é capaz de abraçar um coração em desespero (não consigo ver expressão maior de desespero do que um suicídio) e que se Ele quiser salvar Ele pode; (2) que eu não tenho como saber se alguém que a vida toda professou sua fé em Cristo, e num momento de fraqueza comete suicídio perde a salvação (aliás, que fique bem claro, não creio em perda de salvação, pois, se alguém foi salvo por Cristo, nada neste mundo pode reverter a situação); (3) quem comete o pecado contra o Espírito Santo nunca foi salvo (entenda-se “eleito”) que é o que mostrarei a seguir.
      Antes, ainda quero lhe fazer uma pergunta: duas pessoas que professam sua fé em Cristo. Uma está num desespero terrível (e embora o crente seja exortado a viver sempre confiante em Deus, todos nós sabemos que há uma tensão constante entre confiar plenamente em Deus e a nossa incredulidade, e quem não admite isso é um baita de um hipócrita), e acaba por cometer suicídio. Na lógica do senhor ela não teve tempo de pedir perdão a Deus e por isso vai para o inferno. A segunda pessoa é um crente feliz e alegre, mas, sem saber que sua morte acontecerá em poucos minutos, ele conta uma mentira ou tem um pensamento impuro, e cai morto no chão. Semelhantemente ele não teve tempo de confessar seu pecado a Deus. Ele vai para o céu ou para o inferno? “Ah, ele vai para o céu, porque o pecado dele não foi suicídio”, o senhor me diz. Lembre-se que os mentirosos e os impuros não herdarão o reino dos céus. Sua lógica faz sentido à luz da Palavra de Deus? Nenhuma.

      Lucas 12.1-12

      Embora seja o v.10 o foco da discussão aqui, precisamos vê-lo à luz do seu contexto.

      v.1: “Posto que miríades de pessoas se aglomeraram, a ponto de uns aos outros se atropelarem, passou Jesus a dizer, antes de tudo, aos seus discípulos: Acautelai-vos do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia”.
      Somos informados que multidões se aglomeravam ao redor de Cristo, e que Ele se dirigiu “antes de tudo, aos seus discípulos”. Concordo com William Hendriksen que não devemos ser reducionistas e vermos a palavras “discípulos” como se referindo somente aos 12. Aqui esta palavra aponta para todos os que O seguiam (criam Nele). mas, falando a estes Ele não ignoram as multidões, e, por isso, tem-nas em foco também com Suas palavras. E do que Ele os adverte? Do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia.

      v.2-3 “Nada há encoberto que não venha a ser revelado; e oculto que não venha a ser conhecido.Porque tudo o que dissestes às escuras será ouvido em plena luz; e o que dissestes aos ouvidos no interior da casa será proclamado dos eirados”.
      Alguém disse que a mentire pode correr célere, mas, a verdade sempre a alcançará. A mentira que abrigamos em nosso coração, ou seja, aquilo que escondemos das pessoas e tememos que elas descubram, mais cedo ou mais tarde será trazido à lume. Por esta razão nossas palavras devem ser sempre verdadeiras, pois, TODAS elas (falsas ou verdadeiras) serão trazidas à luz; quem anda com a mentira será envergonhado, quem anda com a verdade ficará firme.

      v.4-5: “Digo-vos, pois, amigos meus: não temais os que matam o corpo e, depois disso, nada mais podem fazer. Eu, porém, vos mostrarei a quem deveis temer: temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno. Sim, digo-vos, a esse deveis temer.
      O motivo pelo qual escondemos coisas horríveis dos olhos das pessoas (hipocrisia) é porque as tememos. Tememos a vergonha que elas nos submeterão, tememos perder o prestígio dos homens, ou algum bem. Em vez disso, não devemos temer perder nada disso e muito menos, temer os homens. DEVEMOS TEMER A DEUS, pois, Ele não somente pode dar cabo de nossa vida, como lançar-nos no inferno.

      v.6-7: “Não se vendem cinco pardais por dois asses? Entretanto, nenhum deles está em esquecimento diante de Deus. Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais! Bem mais valeis do que muitos pardais”.
      Aqui ouvimos a doçura da voz de Jesus que ao mesmo tempo que adverte-nos de um sério perigo (não temer a Deus), como também aplaca a ansiedade em nosso coração, ansiedade esta que nos faz ser glorificados e amados pelos homens, pois, com isso temos a sensação de segurança, e este é um dos maiores desejos do coração humano: segurança, e por isso mesmo o Senhor Jesus fala aqui do cuidado de Deus para com Seus filhos que lhes são valiosíssimos.

      v.8-9: “Digo-vos ainda: todo aquele que me confessar diante dos homens, também o Filho do Homem o confessará diante dos anjos de Deus; mas o que me negar diante dos homens será negado diante dos anjos de Deus”.
      Citarei aqui as palavras de William Hendriksen comentando estes versículos. Ele comentando com muita clareza:

      “Os discípulos não devem temer os homens. Devem confiar cm Deus. Essa é a essência da exortação que se encontra nos versículos 4-7. Em estreita conexão com isso, o versículo 8 agora indica: (a) a recompensa da confiança que se revela ao confessar a Cristo; (b) o castigo que acompanhará o medo dos homens, medo esse que se expressa ao negar a Cristo.
      Portanto, é evidente que, ainda quando Cristo já tenha dito algo semelhante previamente (Mt 10.32,33), poderia muito bem tê-lo repetido aqui de uma forma um pouco diferente. De qualquer forma, o dito se encaixa maravilhosamente em qualquer dos contextos.
      Note que onde Mateus diz “Eu” (em “eu o confessarei”), Lucas escreve “o Filho do homem”, demonstrando que a expressão “o Filho do homem” é como Cristo se autodesigna.
      Além disso, note que, onde Mateus diz “diante de meu Pai que está nos céus”, Lucas diz “diante dos anjos de Deus”. Em vista de Daniel 7.10, Mateus 16.27 e 25.31, isso não oferece qualquer dificuldade. Onde o Pai está, ali estão seus santos anjos.
      Jesus promete que confessará ou reconhecerá, diante dos anjos de Deus, aquele que o confessar. Esta palavra, confessar ou reconhecer, mostra que a mensagem levada pelos discípulos não devia ser friamente objetiva, um mero recital de palavras memorizadas. Ao contrário, o coração desses homens deve estar em sua mensagem. Sua pregação devia consistir em dar testemunho. Devia incluir seu testemunho pessoal (Sl 66.16). Jesus promete, pois, que ele mesmo reconhecerá que essas testemunhas verdadeiras são suas. Ele os confessará diante dos anjos de Deus. Quanto a isso, leia especialmente Mateus 25.34-43,45. Nesse caso, Jesus não aparece dizendo “Eu os negarei”. O que lemos é “serão negados [ou repudiados]”. Essa mudança foi feita, talvez, para enfatizar mais fortemente a triste sorte daqueles que serão assim rejeitados” (Comentário do Novo Testamento, vol.2 p.170, Editora Cultura Cristã, 2003).

      v.10: “Todo aquele que proferir uma palavra contra o Filho do Homem, isso lhe será perdoado; mas, para o que blasfemar contra o Espírito Santo, não haverá perdão”.
      Novamente citarei William Hendriksen:

      “Tendo falado sobre o Pai e seu cuidado, e sobre o Filho do homem e seu reconhecimento público daqueles que são seus, é muito lógico que Jesus agora fale do Espírito Santo.
      Primeiro, em comparação com o filho, e em seguida com respeito à sua relação com os discípulos. Essa não é uma ordem muito lógica?
      Muitas passagens ensinam claramente que os que pecarem contra o Filho do homem, ao arrepender-se, são perdoados. Entre essas passagens estão, por exemplo, Mateus 27.44; cf. Lucas 23.42, 43.
      A pergunta é: “Como se deve entender que a blasfêmia contra o Espírito Santo é imperdoável?” Quanto a outros pecados, não importa quão graves ou repulsivos sejam, há perdão para eles. Há perdão para o pecado de adultério, desonestidade e homicídio de Davi (2Sm 12.13; Sl 51; cf. Sl 32); para os “muitos” pecados da mulher de Lucas 7; para a “vida desordenada” do filho pródigo (Lc 15.13, 21-24); para a tríplice negação acompanhada de maldições de Pedro (Mt 26.74, 75; Lc 22.31, 32; Jo 18.15-18,25-27; 21.15-17); e para a impiedosa perseguição por parte de Paulo antes de sua conversão contra os cristãos (At 9.1; 12.4; 26.9-11; 1 Co 15.9; Ef 3.8; Fp 3.6). Mas para a pessoa que fala “contra o Espírito Santo” não há perdão.
      Por que não? Aqui, como sempre quando o próprio texto não é imediatamente claro, o contexto histórico deve ser nosso guia. Veja Lucas 11.15, 18; Marcos 3.22; cf. João 7.20; 8.48, 52; 10.20. Dele aprendemos que os amargos adversários de Jesus estiveram atribuindo a Satanás o que o Espírito Santo fazia por meio de Jesus. Além disso, eles faziam isso voluntariamente, deliberadamente. A despeito de todas as evidências em contrário, ainda estavam afirmando que Jesus expulsava os demônios pelo poder de Belzebu. Ora, ser perdoado subentende que o pecador arrependeu-se verdadeiramente. Entre os oponentes estava totalmente ausente esse pesar genuíno pelo pecado. Em lugar do arrependimento, puseram o endurecimento; em lugar da confissão, conspiração. E assim, por meio de sua própria dureza criminosa e completamente injustificada, estavam se condenando a si próprios. Seu pecado era imperdoável porque não queriam andar no caminho que conduz ao perdão. Para o ladrão, o adúltero e o assassino há esperança. A mensagem do evangelho pode levá-lo a exclamar: “Ó Deus, sê propício a mim pecador”. Mas quando o homem está endurecido, de modo que já se propôs não fazer caso dos impulsos do Espírito, nem sequer atender à sua voz que solicita e adverte, ele se introduz no caminho que conduz à perdição. Ele cometeu o pecado “para a morte” (1 Jo 5.16; veja também Hb 6.4-8).
      Para alguém que esteja verdadeiramente arrependido, não importa quão vergonhosas foram suas transgressões, não há razão para desespero (SI 103.12; Is 1.18; 44.22; 55.6, 7; Mq 7.18-20; 1Jo 1.9).
      Em contrapartida, não há justificativa para a indiferença, como se o tema do pecado imperdoável não fosse objeto de preocupação para o membro comum da igreja. A blasfêmia contra o Espírito é o resultado do progresso gradual no pecado. O entristecer o Espírito (Ef 4.30), se alguém não se arrepende dele, conduz à resistência ao Espírito (At 7.51), no qual, se houver persistência, leva ao pecado de apagar o Espírito (1Ts 5.19). A solução verdadeira se encontra no Salmo 95.7b, 8: “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o coração”.
      Essa advertência com referência à blasfêmia contra o Espírito Santo não significa que ele é alguém a ser evitado a qualquer custo. Ao contrário, o Pai não só cuida amorosamente dos seus (vs. 4-7), e o Filho lhes assegura que os reconhecerá como seus (v. 8), mas também o Espírito Santo os ajudará no momento de necessidade”. (Comentário do Novo Testamento, vol.2 p.170, Editora Cultura Cristã, 2003).

      v.11-12: “Quando vos levarem às sinagogas e perante os governadores e as autoridades, não vos preocupeis quanto ao modo por que respondereis, nem quanto às coisas que tiverdes de falar. Porque o Espírito Santo vos ensinará, naquela mesma hora, as coisas que deveis dizer”.
      A conclusão aqui é lógica: Se o Espírito Santo nos preservará diante da glória de Deus que é infinitamente mais poderoso e perigoso para o pecador, pois, além de condená-lo pode lançá-lo no inferno, não nos preservará diante de meros mortais que quando muito poderão tirar a nossa vida?

      Enfim, voltando ao v.1 e respondendo à sua pergunta: essas palavras são dirigidas a todos, quer sejam ímpios, quer sejam crentes. O que ocorre que um crente de verdade jamais cometerá o pecado de blasfêmia contra o Espírito Santo, porque o próprio Espírito Santo é quem o sustenta.

      Quanto à questão do suicídio, peço ao senhor que me apresente uma só passagem bíblica que fale sobre a condenação de suicidas. E por favor, não me venha com essa interpretação troncha de que “suicídio é o homicídio de si mesmo” (quando usei esse argumento o fim em tom irônico), porque se o senhor se firmar nessa interpretação estará sendo incoerente com o restante das Escrituras que diz que há perdão para o homicida. Isso é catolicismo impregnado no coração e mente das pessoas, mas, nunca a Palavra de Deus.

      Agora, lhe pergunto só mais uma coisa: porque a questão do suicídio tanto lhe incomoda? O senhor não está pensando nisso não, não é? Pergunto sinceramente, pois, se esse for o seu caso vamos conversar. Estou à disposição para ajudá-lo.

      Um abraço, e que o Deus da vida lhe encha o coração de alegria sempre.

  10. CARLOS DUARTE says:

    Em primeiro lugar, a questão do suicidio não me “incomoda” e achei até engraçado o senhor me perguntar se estou pensando nisso…só há duas possibilidades para a questão do suicidio , ou é pecado ou não é, e o suicida morre em pecado ! não há como separar o suicida do suicidio..
    Não entendi…” que eu não tenho como saber se alguém que a vida toda professou sua fé em Cristo, e num momento de fraqueza comete suicídio perde a salvação”….O senhor não tem como saber e ao mesmo tempo ” não cre na perda de salvação, pois, se alguém foi salvo por Cristo, nada neste mundo pode reverter a situação”….Ora, se o senhor não cre na perda da salvação, pois cre se tratar de uma situação irreverssivel, é obvio que “alguém que a vida toda professou sua fé em Cristo, e num momento de fraqueza comete suicídio ” não pode perder a salvação !

    O senhor levantou uma questão “duas pessoas que professam sua fé em Cristo. Uma está num desespero terrível (e embora o crente seja exortado a viver sempre confiante em Deus, todos nós sabemos que há uma tensão constante entre confiar plenamente em Deus e a nossa incredulidade, e quem não admite isso é um baita de um hipócrita), e acaba por cometer suicídio. Na lógica do senhor ela não teve tempo de pedir perdão a Deus e por isso vai para o inferno. A segunda pessoa é um crente feliz e alegre, mas, sem saber que sua morte acontecerá em poucos minutos, ele conta uma mentira ou tem um pensamento impuro, e cai morto no chão. Semelhantemente ele não teve tempo de confessar seu pecado a Deus. Ele vai para o céu ou para o inferno? “Ah, ele vai para o céu, porque o pecado dele não foi suicídio”, o senhor me diz. Lembre-se que os mentirosos e os impuros não herdarão o reino dos céus. Sua lógica faz sentido à luz da Palavra de Deus? Nenhuma.”

    Em primeiro lugar, são duas situações completamente distintas ….1 João 1:8 afirma “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós”….mas romanos 5:8 diz : “Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda ÉRAMOS pecadores.”…Jesus disse a pecadora: Nem eu também te condeno; vai-te, e NÃO peques mais” (João 8:11).Como conciliar 1 joão 1:8, com romanos 5:8 e João 8:11?a diferença do cristão para o não cristão é que embora os dois possuam uma natureza pecaminosa, o cristão não vive na pratica do pecado, ele pode pecar mas será a contra gosto, sua consciencia imediatamente vai lhe acusar, o que é completamente do pecado do suicidio em que a pessoa conscientemente abandona a fé e a esperança em Deus e mais, ainda há tempo de planejar….irmão, não há como se suicidar estando cheio da graça de Deus , não há como se suicidar sendo salvo, ou então o senhor e todos os calvinistas do planeta tem que admitir que o pecado não é o que leva alguem para o inferno, mas sim o fato de não ser predestinado!

    ” porque se o senhor se firmar nessa interpretação estará sendo incoerente com o restante das Escrituras que diz que há perdão para o homicida”…Irmão,tem como perdoar um homicida morto????? na verdade, os calvinistas dividem a humanidade em duas classes,eleitos e não eleitos,o pecado não é a questão, não é o “homicida” que vai ser ou não ser perdoado, é o eleito, não importa a sua condição de pecado..

    Outra questão “quem comete o pecado contra o Espírito Santo nunca foi salvo (entenda-se “eleito”)
    “essas palavras são dirigidas a todos, quer sejam ímpios, quer sejam crentes. O que ocorre que um crente de verdade jamais cometerá o pecado de blasfêmia contra o Espírito Santo, porque o próprio Espírito Santo é quem o sustenta”….ok,então qual é a diferença para o não eleito se ele cometer esse pecado ou não, se ele já está condenado????como essas palavras de cristo podem ser dirigidas aos crentes se os crentes nunca vão cometer esse pecado por serem predestinados???? se o eleito , se o crente de verdade jamais cometerá esse pecado pelo fato do Espirito Santo o sustentar, então o eleito jamais poderia cometer pecado algum pelas mesma razão !

    • Olivar Alves Pereira says:

      Meu caro,
      Suicídio é pecado. Em momento algum disse o contrário. O que eu disse foi que assim como qualquer outro pecado, eu creio no perdão de Deus para tal pecado, e creio que Deus entende a dor de alguém que chega a esse ponto. Curiosamente, o senhor ataca meu posicionamento calvinista o qual enfatiza tanto o amor de Deus quanto a Sua Justiça contra o pecado. E por favor, não não distorça as minhas palavras e nem meu posicionamento teológico. Se o calvinismo fala de eleitos e não eleitos (e fala mesmo) ele está mostrando o que a Bíblia diz sobre o assunto, nada mais.
      Se um servo de Deus tem a possibilidade de cometer suicídio, creio que sim, assim como tem a possibilidade (infelizmente) de cometer qualquer pecado.
      Se um suicida não tem tempo de se reconciliar com Deus, obviamente não! Mas é justamente aqui que lhe fiz uma pergunta o senhor saiu escorregadio. Essa sua visão de que no momento de minha morte eu tenho de estar “em dia” com Deus, isto é, confessado todos os meus pecados, senão não estarei salvo, é fruto de um pensamento equivocado sobre o que significa de fato “estar em Cristo”. É claro que a Palavra de Deus nos ordena sempre estar “em dia” confessando a Deus o quanto antes o nossos pecados (veja Ef 4.26 com relação ao “não se ponha o sol sobre a vossa ira”, que quer dizer que devemos nos manter sempre em comunhão com Deus não deixando para resolver no dia seguinte o pecado que deve ser resolvido hoje). Contudo, “estar em Cristo” é um estado constante e eterno de vida.
      Meu caro, aconselho-lhe a estudar mais sobre o que significa “estar em Cristo”. Veja as cartas de Paulo e a ênfase que ele dá a esse ponto.
      Falando em textos bíblicos, o senhor “lisamente” se esquivou e não me mostrou um único texto bíblico que fala sobre a condenação de um suicida.

      Agora, num ponto eu concordo plenamente com o senhor: alguém que esteja cheio da graça e alegria do Senhor, alguém que está plenamente convicto do amor de Deus e Nele se deleita plenamente, não se entregará à desesperança, à angústia, ou à depressão (estágios anteriores ao suicídio).
      Como conselheiro bíblico que sou, meu trabalho e dar esperança com a Palavra de Deus somente ao coração aflito.

      Quanto à doutrina bíblica da predestinação eu sugiro que o senhor leia outros posts meus aqui. Na guia de pesquisa na página inicial digite “predestinação” e o senhor encontrará muitos textos sobre o meu pensamento quanto a esse assunto. Mas, lhe asseguro: esse assunto é crível para aqueles cuja mente e coração foram iluminados e convencidos pelo Espírito Santo. Não tenho como dissecar este assunto por completo. Mas, o pouco que consegui dele entender e crer, faz-me viver para a glória de Deus, lutar contra o pecado, e nunca ter desejos suicidas. Contudo, gostaria que o senhor me mostrasse seu argumento contrário à predestinação.

      Quanto ao texto sobre o pecado contra o Espírito Santo o senhor afirma: “como essas palavras de cristo podem ser dirigidas aos crentes se os crentes nunca vão cometer esse pecado por serem predestinados???? se o eleito , se o crente de verdade jamais cometerá esse pecado pelo fato do Espirito Santo o sustentar, então o eleito jamais poderia cometer pecado algum pelas mesma razão !”. O senhor se esquece que no meio dos discípulos estava Judas Iscariotes (que se suicidou!!), o qual era “filho da perdição” e “diabo” (palavras do próprio Senhor Jesus. No meio da congregação dos filhos de Deus sempre teremos ímpios, aliás o texto bíblico em questão mostra as multidões e os discípulos ao redor de Cristo, e “antes de tudo” ou “primeiramente” Jesus falou esses palavras aos discípulos mas também às multidões.

      Por fim me responda: porque o assunto “suicídio” o inquieta tanto? O texto que escrevi no qual tem surgido esses comentários não tem como foco o suicídio. É por isso que estou estranhando sua insistência no mesmo.

  11. Marcelo Victor says:

    Caro,
    Tenho visto que muitas passagens bíblicas costumam ser analisadas sem levar em conta os originais gregos e hebraicos e as figuras de linguagem empregadas pelo escritor bíblico (hipérbole). Todavia, existe uma série de traduções tendenciosas que foram feitas de acordo com as crenças doutrinárias de quem as fez.
    No que se refere à existência de um suposto tormento e fogo eterno, podemos encontrar, na Bíblia, diversas passagens, que trazem as expressões “para todo o sempre” e “eterno”, sendo empregadas para tratar de acontecimentos que, há muito, já tiveram fim, como, por exemplo, Judas 7, que fala que Sodoma e Gomorra sofreram a pena do fogo eterno. Todavia, tais cidades não estão queimando até o dia de hoje, mas se trata de um exemplo para o que ocorrerá na segunda morte.
    Ou seja, parece-me que a palavra “eterno” está se referindo às consequências (eternas e irrevogáveis) e não ao processo.
    Indico o vídeo baixo, bastante esclarecedor sobre o aniquilacionismo:
    https://www.youtube.com/watch?v=xe8iyCHN374

    Deus te abençoe!!!

    • Olivar Alves Pereira says:

      Oi Marcelo,
      Primeiramente, obrigado por sua participação aqui.
      As figuras de linguagem empregadas para descrever o tormento eterno (e a vida eterna) são meras “sombras”, meros meios humanos tentando ilustrar de longe verdades espirituais.
      E, para mim, elas causam o efeito esperado: enchem meu coração de assombro.
      Outro fato aqui é que tudo o que aconteceu no AT tem como objetivo mostrar que no NT a coisa seria muito mais ampliada. Veja, por exemplo, a expressão “Dia do SENHOR”. No AT essa expressão aparece várias vezes mostrando um determinado dia na história em que Deus veio acertar contas com uma nação. Essa expressão foi trazida para o NT e empregada especialmente com relação à consumação dos séculos, a qual será o “Grande e Terrível Dia do Senhor”. Então, figuras usadas do AT no NT são coisas bem comuns.
      Quanto ao aniquilacionismo, serei franco com você. Para mim, trata-se de mais uma mentira que Satanás conseguiu enfiar nos corações que não se apegam à Palavra de Deus. Se existir mesmo um aniquilacionismo, pense comigo, o sofrimento terá fim em algum momento na eternidade. Dos males, o menor.
      O Verdadeiro Evangelho tanto apresenta a mais linda esperança para os que creem em Cristo, a saber, o Céu de Glória, quanto a mais terrível expectativa para aqueles que O rejeitam, a saber, o inferno ETERNO!

      Deus o abençoe!

  12. Pedro says:

    Muito bom esse estudo ,realmente palavra genuína do Senhor Jeesus

  13. Pedro says:

    Deus continue abençoando a você e sua família,pastor ,me ajude em oração preciso que o Senhor Jesus complete sua obra e mim,e minha esposa, ore por mim ok?estarei também orando por você e sua família

    • Olivar Alves Pereira says:

      Sim, irmão. Conte com minhas orações.
      E Aquele que começou a boa obra em sua vida há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus! Confie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.