Preso político ou político preso?

15 de Novembro de 2013 – santa coincidência?

Foi noticiado nesta data a condenação pelo STF de 12 elementos que ficaram conhecidos como “os condenados do mensalão petista”. A foto divulgada em que aparece Zé Genoino com o punho em riste (símbolo dos movimentos sindicais) veiculada à matéria na qual consta a seguinte declaração dele: ‘Com indignação, cumpro as decisões do STF e reitero que sou inocente, não tendo praticado nenhum crime. Fui condenado por que estava exercendo a Presidência do PT. Do que me acusam? Não existem provas. O empréstimo que avalizei foi registrado e quitado. Fui condenado previamente em uma operação midiática inédita na história do Brasil. E me julgaram em um processo marcado por injustiças e desrespeito às regras do Estado Democrático de Direito. Por tudo isso, considero-me preso político.’[1].

Não pude deixar de escrever algo sobre o assunto. Fui impelido pelo senso de justiça e pelo meu dever como um cidadão que trabalha para construir uma nação séria (ainda que pareça inútil). Pus-me a pensar no que Genoino disse:

“Fui condenado previamente em uma operação midiática inédita na história do Brasil”. Que a operação foi inédita, não discuto. Mas, daí dizer que foi “midiática”, só comprova que ele é um fora da lei, ou pelo menos alguém que gosta de ser um marginal, pois, o que ele está dizendo nas entrelinhas aqui é que o STF é despreparado, “maria-vai-com-as-outras”, não aguentou a pressão do povo e por isso decidiu pela cabeça dele (a de Genoino). Um homem que trabalhou(?) fazendo leis, insulta o mais alto magistrado da nação porque este julgou-o culpado e sentenciou-o à prisão. Não foi a Mídia que derrubou Genoino (ainda que as redes sociais têm-se mostrado uma ferramenta impressionante). A Mídia mostrou a sujeira toda, mas, quem tem a “vassoura” nas mãos para varrer essa sujeira é o STF. E fez bem.

“E me julgaram em um processo marcado por injustiças e desrespeito às regras do Estado Democrático de Direito”. Injustiça e desrespeito foi (e é) o que políticos da laia de Genoino estão fazendo. O STF não julga boatos. Julga fatos! O único desrespeito aqui é o que Genoino cometeu levantando suas mãos imundas contra a nação. Aquele punho em riste diz tudo.

Por tudo isso, considero-me preso político”Se há alguma coisa à qual ele está preso é à sua cara de pau, à sua safadeza e hipocrisia. Ele está preso ao pecado. E meu caro Genoino (se um dia o senhor ler isso que escrevo) há somente uma solução para o senhor, há somente uma pessoa que pode libertá-lo de seu pecado, o Senhor Jesus Cristo, que hoje é o Advogado dos que Nele confio, mas que no dia do Juízo será o Juiz Supremo ao qual até o STF prestará contas. Busque-O como seu Advogado hoje, para que naquele Dia o senhor não esteja na frente do Juiz Supremo para receber a pior das sentenças que os ímpios receberão: o inferno eterno. E lhe garanto que lá seu punho em riste será apenas mais um entre os milhões de condenados.

Porém, porque será que depois de assistir à essa vitória da verdade sobre a mentira ainda fiquei com um gostinho amargo na boca de que tudo isso é apenas um disfarce, um bode expiatório, um boi de piranha, distraindo o povão para que não vejam os abusos e desmandos cometidos pelos “Calheiros”, “Sarneys”, “os da Silva” da vida política brasileira?

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Teólogo, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea, Ética e História Bíblica, História e Teologia da Igreja, Educação Cristã e Teologia Sistemática, Sociologia e Ensino Religioso em seminários e escolas na região do Vale do Paraíba, também escreveu lições para a revista de EBD para os adultos da Editora Cristã Evangélica. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador.
This entry was posted in Comportamento Político. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.