Preso político ou político preso?

15 de Novembro de 2013 – santa coincidência?

Foi noticiado nesta data a condenação pelo STF de 12 elementos que ficaram conhecidos como “os condenados do mensalão petista”. A foto divulgada em que aparece Zé Genoino com o punho em riste (símbolo dos movimentos sindicais) veiculada à matéria na qual consta a seguinte declaração dele: ‘Com indignação, cumpro as decisões do STF e reitero que sou inocente, não tendo praticado nenhum crime. Fui condenado por que estava exercendo a Presidência do PT. Do que me acusam? Não existem provas. O empréstimo que avalizei foi registrado e quitado. Fui condenado previamente em uma operação midiática inédita na história do Brasil. E me julgaram em um processo marcado por injustiças e desrespeito às regras do Estado Democrático de Direito. Por tudo isso, considero-me preso político.’[1].

Não pude deixar de escrever algo sobre o assunto. Fui impelido pelo senso de justiça e pelo meu dever como um cidadão que trabalha para construir uma nação séria (ainda que pareça inútil). Pus-me a pensar no que Genoino disse:

“Fui condenado previamente em uma operação midiática inédita na história do Brasil”. Que a operação foi inédita, não discuto. Mas, daí dizer que foi “midiática”, só comprova que ele é um fora da lei, ou pelo menos alguém que gosta de ser um marginal, pois, o que ele está dizendo nas entrelinhas aqui é que o STF é despreparado, “maria-vai-com-as-outras”, não aguentou a pressão do povo e por isso decidiu pela cabeça dele (a de Genoino). Um homem que trabalhou(?) fazendo leis, insulta o mais alto magistrado da nação porque este julgou-o culpado e sentenciou-o à prisão. Não foi a Mídia que derrubou Genoino (ainda que as redes sociais têm-se mostrado uma ferramenta impressionante). A Mídia mostrou a sujeira toda, mas, quem tem a “vassoura” nas mãos para varrer essa sujeira é o STF. E fez bem.

“E me julgaram em um processo marcado por injustiças e desrespeito às regras do Estado Democrático de Direito”. Injustiça e desrespeito foi (e é) o que políticos da laia de Genoino estão fazendo. O STF não julga boatos. Julga fatos! O único desrespeito aqui é o que Genoino cometeu levantando suas mãos imundas contra a nação. Aquele punho em riste diz tudo.

Por tudo isso, considero-me preso político”Se há alguma coisa à qual ele está preso é à sua cara de pau, à sua safadeza e hipocrisia. Ele está preso ao pecado. E meu caro Genoino (se um dia o senhor ler isso que escrevo) há somente uma solução para o senhor, há somente uma pessoa que pode libertá-lo de seu pecado, o Senhor Jesus Cristo, que hoje é o Advogado dos que Nele confio, mas que no dia do Juízo será o Juiz Supremo ao qual até o STF prestará contas. Busque-O como seu Advogado hoje, para que naquele Dia o senhor não esteja na frente do Juiz Supremo para receber a pior das sentenças que os ímpios receberão: o inferno eterno. E lhe garanto que lá seu punho em riste será apenas mais um entre os milhões de condenados.

Porém, porque será que depois de assistir à essa vitória da verdade sobre a mentira ainda fiquei com um gostinho amargo na boca de que tudo isso é apenas um disfarce, um bode expiatório, um boi de piranha, distraindo o povão para que não vejam os abusos e desmandos cometidos pelos “Calheiros”, “Sarneys”, “os da Silva” da vida política brasileira?

About Olivar Alves Pereira

Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Pinheiro, Jacareí - SP, Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor e membro do Conselho Acadêmico do Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (CETEVAP), São José dos Campos -SP, onde iniciou em 2020 seu Mestrado em Aconselhamento Bíblico. É associado à Associação Brasileira de Conselheiros Bíblicos - ABCB. Na Política sou Conservador. Casado com Janaina F. S. A. Pereira e pai de Ana Cristina S. Pereira.
This entry was posted in Comportamento Político. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.